Os neurônios, os hormônios e o amor

· outubro 15, 2018

Gostamos de pensar no amor como algo etéreo sobre o qual influem forças que escapam da nossa compreensão. É lindo e mágico pensar assim, mas não devemos esquecer que o desejo, a paixão e o sofrimento amoroso também são um coquetel de neurônios, hormônios e amor.

Falar do amor em termos biológicos pode produzir um certo desencanto. Hormônios e amor? Para alguns essa simplicidade chega a afetar o sentimento. Também nos permite, no entanto, compreender melhor o que acontece quando ficamos apaixonados. Esse é também um caminho para viver esses processos com maior consciência e, se quisermos, controle sobre o que está acontecendo.

Neurônios, hormônios e amor sempre andam juntos. Os afetos nascem, crescem e morrem nas células do nosso corpo. Mais exatamente nos nossos neurônios. Hormônios e amor são a expressão do mesmo em dois planos diferentes. Um é fisiológico e outro é mental. Ambos os processos têm sua residência no cérebro. Vamos ver com mais detalhes essa neuropsicologia do amor.

Apego, hormônios e amor

O apego é o primeiro dos vínculos afetivos que temos na vida. Nós o experimentamos com nossos pais, avós e irmãos durante os nossos primeiros anos. Literalmente, não podemos viver sem essas figuras de referência. Entre o mundo e nós estão as pessoas que nos apreciam de maneira incondicional, dispostas a nos proteger e a nos guiar nessa aventura de se conhecer e conhecer o mundo.

O apego não está presente somente durante os primeiros anos de vida. Ele também vai aparecer no amor romântico mais tarde, e também na amizade. Hormônios e amor voltam a se relacionar para gerar como resultado essa sensação de não poder viver sem o outro, como quando éramos pequenos.

Os hormônios que entram em jogo no apego são a oxitocina e a vasopressina. A oxitocina é liberada durante a amamentação, mas também durante o orgasmo. Melhora o vínculo por associações positivas que inspiram e fortalecem.

Já a vasopressina é liberada, por exemplo, depois de manter relações sexuais. Gera uma sensação de apego pelo outro. Por isso, é presumível que quanto mais sexo um casal faça, mais forte será o vínculo. Hormônios e amor estão na base de uma relação duradoura.
Relação saudável e duradoura

A seleção do parceiro

As razões que incidem na seleção do parceiro são controversas. Enquanto algumas correntes pensam que isso se encontra diretamente associado a fatores inconscientes, outras afirmam que é um dos exemplos clássicos da combinação entre hormônios e amor.

Para quem considera que a escolha do parceiro está determinada pela combinação de hormônios e amor, o elemento definitivo nessa seleção serão os genes. Cada um escolherá aquele que tiver os melhores genes. Essa escolha será instintiva, porque obviamente não dispomos de um mapa genético da outra pessoa quando dizemos que gostamos de alguém.

Segundo essa corrente, decidimos se alguém nos atrai em um lapso de 3 a 4 minutos. Nesse momento, não somos influenciados nem pela lábia do sedutor, nem por um vestido de marca, muito menos pelo carro. O que está em jogo aqui são os feromônios. Eles são imperceptíveis de forma consciente, mas nossos mecanismos inconscientes de percepção são sensíveis a eles. Estamos falando de sexo e fertilidade, e eles incidem na atração e na paixão.

Casal abraçado

Outros dados interessantes

Há vários elementos que fazem parte da atração amorosa e que só foram revelados recentemente através de estudos muito detalhados. Comprovou-se, por exemplo, que as pessoas tendem a escolher como parceiro alguém que tenha um volume pulmonar parecido com o seu. O mesmo acontece com o tamanho das orelhas, em particular o lóbulo, e a circunferência do pescoço e do pulso.

A neurociência também diz que durante uma determinada fase da paixão, hormônios e amor sofrem um estado de exaltação muito elevado. Basicamente, há uma maior produção de monoaminas no cérebro. Em particular de norepinefrina, dopamina e serotonina. Cada uma delas gera diversas reações e induz determinados comportamentos. Vejamos.

  • A norepinefrina é o que nos faz sentir as borboletas no estômago. Trata-se de uma emoção forte, na qual se mesclam um pouco de nervosismo e um pouco de felicidade. É similar ao que sentimos quando pulamos de paraquedas.
  • A dopamina gera uma sensação de bem-estar e poder. É o hormônio responsável pelo início do desenvolvimento do apego. Também tem a ver com o fato do amor se tornar algo viciante para quem o sente.
  • A serotonina nos faz sentir entusiasmo e nos torna exultantes. Meio loucos da cabeça. Gera sensações muito agradáveis.

Como podemos ver, hormônios e amor estão sempre juntos. Isso não quer dizer que tudo possa ser explicado pela fisiologia. As emoções e o imaginário também fazem com que a fisiologia mude. Esses somos nós: materialidade biológica e abstração psicossocial ao mesmo tempo.