As novas tecnologias são um obstáculo para as crianças aprenderem a gerenciar suas emoções?

27 Maio, 2020
As novas tecnologias são um obstáculo para as crianças aprenderem a gerenciar as suas emoções? Hoje, queremos dar uma resposta para essa pergunta, nos concentrando nas variáveis associadas às TICs que podem atrasar o desenvolvimento.
 

Quando mal utilizadas e gerenciadas, as novas tecnologias são um obstáculo para as crianças aprenderem a gerenciar as suas emoções. Elas são um risco para o seu desenvolvimento evolutivo quando se tornam a sua única maneira de se divertir, se relacionar ou aprender.

Imersos nas novas tecnologias da informação e comunicação (TICs), parece que, se não usarmos nenhum recurso tecnológico, estaremos desconectados do nosso ambiente. Uma sensação desagradável que, em muitos casos, atua como um motivador para “se manter atualizado” em termos de tecnologia.

Podemos destacar que, embora as novas tecnologias tenham muitas vantagens, nas mãos das crianças – e de alguns pais – o seu uso descontrolado é um problema sério, com consequências indesejáveis como a má gestão das emoções.

Por exemplo, vamos pensar naquele garoto que está irritado no mercado porque não conseguiu adicionar os cereais que chamaram a sua atenção no carrinho de compras. Imaginemos os seus pais pegando o telefone do bolso e colocando um vídeo para distrair a criança.

As crianças precisam aprender a gerenciar as suas emoções. Se as “calarmos” com telas quando elas choram ou ficam com raiva para evitar o seu desconforto, elas não aprenderão a gerenciá-las como resultado da sua pouca exposição a elas.

Menino chorando porque quer ver desenho
 

Consequências do abuso de TICs em crianças

Todos os dias surgem mais estudos que falam de uma linha muito tênue que separa o uso do abuso quando se trata das novas tecnologias.

O seu uso indiscriminado pode levar a um déficit de atenção, problemas de memória, diminuição do rendimento escolar, distúrbios do sono, dificuldades de linguagem…

Como afirma Jaime García Aguado, pediatra e membro do grupo de Prevenção na Infância e Adolescência (Previnfad) da Associação Espanhola de Pediatria da Atenção Básica (AEPap): “A interação de adultos com crianças é crucial durante o seu uso, pois ainda existem evidências dos riscos do uso excessivo da mídia digital, como aumento do estilo de vida sedentário e do Índice de Massa Corporal (IMC), diminuição das horas de sono e comprometimento do desenvolvimento cognitivo, social e emocional, entre outros ”.

Além disso, o uso indevido das novas tecnologias pode levar a um vício em videogames. A Organização Mundial da Saúde (OMS) inclui em sua Classificação Internacional de Doenças (CID-11) a dependência de videogames como uma doença caracterizada por um comportamento de jogo contínuo e recorrente, consequência do uso indevido de jogos digitais ou jogos de vídeo com ou sem conexão com a Internet.

As novas tecnologias: fatores de proteção

A AEPap preparou um decálogo para os pais conseguirem manter uma boa saúde digital:

  • Defina regras com seus filhos sobre o uso das TICs e supervisione os lugares que eles visitam quando conectados à rede.
 
  • Limite o tempo de uso das TICs: há tempo para tudo. O uso limitado das novas tecnologias pode ser uma ferramenta muito útil e prática. Lembre-se: seja consistente dando o exemplo.
  • Ensine a criança a navegar com responsabilidade, explique como navegar na Internet.
  • Coloque os dispositivos eletrônicos em um local comum compartilhado por todos, criando uma área de TICs em casa.
  • Promova a empatia, igualdade e respeito pelos direitos dos outros.
  • Proteja a privacidade e a segurança usando senhas complexas e cobrindo a câmera (Webcam). É importante que eles aprendam que o que é carregado na rede permanece na rede. Portanto, é essencial não enviar informações pessoais sobre você e sobre outras pessoas sem a sua permissão. Vamos proteger a nossa privacidade e a das pessoas ao nosso redor.
  • Não faça contato com pessoas desconhecidas. Não sabemos quem pode estar por trás da tela.
  • Promova hábitos de vida saudáveis: sono de qualidade, atividades de lazer e tempo livre, atividades familiares…
  • Converse com as crianças sobre as consequências do uso indevido das novas tecnologias e ofereça o seu apoio se algo acontecer. Por exemplo, “se você tiver problemas, estaremos aqui para ajudá-lo”. Às vezes, as crianças podem sentir vergonha, culpa, raiva…, que as impedem de contar o que está acontecendo. Se oferecermos nossa ajuda e apoio incondicionais, poderemos criar um clima de confiança no qual elas possam se expressar.
Menina com tablet na cama
 

As novas tecnologias são um obstáculo para as crianças gerenciarem suas emoções?

A maioria dos videogames e aplicativos projetados para crianças são tão divertidos e envolventes que assumem todo o controle da atenção do pequeno. Além disso, a baixa exigência das novas tecnologias em relação à atenção e concentração produz uma baixa estimulação. Lembre-se de que, sem estímulo e dedicação adequados, a criança pode se atrasar em seu desenvolvimento em áreas importantes para o desenvolvimento.

Também vale destacar que as novas tecnologias não estimulam a capacidade de tolerar a frustração nas crianças. Assim como acontece com as habilidades cognitivas, a recompensa imediata dos jogos e aplicativos oferece um menor nível de estímulo.

Em determinados momentos e lugares, os pais oferecem telas quando as crianças ficam com raiva ou choram, e autorizam o seu uso para evitar o seu desconforto ou para não ouvir as suas reclamações e gritos. Dar um dispositivo eletrônico para uma criança para que ela deixe de experimentar emoções negativas pode acabar com o problema a curto prazo, mas ensina pouco no que diz respeito à autonomia do gerenciamento emocional.

A tolerância às emoções é desenvolvida através da sua experimentação, sentindo-as e aprendendo a gerenciá-las.