O amor trava batalhas, mas não é uma guerra - A Mente é Maravilhosa

O amor, embora trave batalhas, não é uma guerra

Março 26, 2018 em Emoções 151 Compartilhados
O amor trava batalhas, mas não é uma guerra

O amor trava batalhas, mas não é uma guerra. Embora existam confrontos, o outro nunca é o inimigo. Esse outro pode ser você, quando você se repreende por ter machucado alguém. Esse outro, ou outra, pode ser a pessoa que dorme com você. Rouba os lençóis e tira pouco a pouco e sem disfarçar o espaço que lhe corresponde sob todas as camadas de roupa com as quais você tenta se proteger do frio.

Uma luta tão gelada quanto cúmplice, que se alimenta de compartilhar sonhos e esperanças. Também pesadelos, desesperos e falhas. Porque do compartilhamento nasce a cumplicidade. Uma cumplicidade que permite batalhas, mas não guerras.

O caminho para a empatia perfeita

Há batalhas nas quais nem tudo vale. As cócegas sempre, as carícias também. O ressentimento é uma pistola que trava. É preciso perdoar e esquecer, apagar e fazer novas contas. E se os dois não se encaixam, um, como o último gesto, dá a razão, sabendo que essa mão, por mais poderosa que seja, não é a melhor. O objetivo é realmente que o outro não acabe ferido. Assim, antes da última jogada, a lógica se ajoelha e agradece.

Um é grato por ter o outro. Contar com ele. Por mais que às vezes tenhamos a sensação de que o outro não nos entende e que formamos com ele uma perfeita torre de Babel. Isso acontece com nossos parceiros, mas também com nossos pais, amigos ou filhos. Por mais empáticos que sejamos, o exercício perfeito é impossível.

Anjos de pedra

Eles não podem fazê-lo, mas nós também não. Sim, não o fazemos, embora tenhamos a sensação de que, às vezes, o tocamos com as pontas dos dedos. O fato de que nosso esforço seja grande neste sentido não nos garante alcançá-lo. Muitas vezes o que conseguimos é uma miragem tão sincera quanto a água que flui das areias do deserto.

Pelo menos, quando não conseguimos com uma quantidade de erro aceitável (ou o outro não consegue com uma quantidade de erro aceitável) não somos culpáveis. O esforço influencia o resultado, abre mais e melhores possibilidades, nos aproxima da honestidade, mas raramente garante um resultado.

Quantas batalhas que ameaçam a guerra nascem do sentimento de que o outro não faz um esforço? Quão frágil é a nossa memória para lembrar os momentos em que a outra pessoa foi atenta? A mesma caneta vermelha – que às vezes usamos para escrever as falhas – é a que então assina nossa sentença. Aquele que se constrói tijolo a tijolo, aquele obstáculo que acabará sendo definitivo. É então que a comunicação se rompe e o amor se dissolve na rotina como o açúcar no café. De forma lenta, mas difícil de parar.

As feridas de guerra são profundas, muitas vezes mortais

Porque recuperar o amor quando a guerra foi declarada é uma tarefa muito complicada. O outro passa a ser o inimigo, alguém para derrotar e dominar. Muitos neste ponto pensam que tudo terminará quando levantarem os braços, mas provavelmente não haverá mais nada. O território anteriormente fértil será agora árido e desprotegido. Tudo será válido e ninguém vai querer continuar brincando com quem trapaceia, ninguém quer quem lembra o pior de si. De um lado ou de outro, perdedor ou perdedor, essa ruptura terá sido provocada ao disparar com os olhos fechados, por ameaçar com a pistola carregada.

Por esquecer que um amor sólido não deixa de ser delicado e frágil ao mesmo tempo.

Forte, mas sensível.

Casal brigado

Porque quando um amor se transforma em uma guerra, esse amor se rompe, se rasga e se torna uma faca afiada, capaz de se fragmentar em pedaços muito pequenos. É por isso que é tão importante não disparar primeiro, nem molhar o papel da declaração que o outro nos entrega. Então, podemos decidir seguir e construir, ou romper o relacionamento, mas melhor não escolher destruir a nós mesmos, porque, em última instância e de maneira egoísta, seremos nós que acabaremos nos afogando em nossa própria dor.

Recomendados para você