O caso de Elizabeth Smart, um exemplo de resiliência

Elizabeth Smart é uma ativista americana que, com base em sua própria experiência, trabalha incansavelmente contra o tráfico de pessoas e pelos desaparecidos. Ele soube fazer de sua tragédia um veículo de sabedoria e uma mensagem valiosa para o mundo.
O caso de Elizabeth Smart, um exemplo de resiliência

Última atualização: 16 fevereiro, 2022

O caso Elizabeth Smart foi amplamente divulgado na mídia na época. As características escuras  do que aconteceu com ela chamaram a atenção, primeiro do público nos Estados Unidos, onde o caso aconteceu, e depois de todo o mundo. Infelizmente, os esforços dessa jovem e sua resiliência diante do ocorrido não foram igualmente divulgados.

A imprensa e o público são muito sensíveis ao aparecimento de sujeitos considerados “psicopatas” e suas ações. Esses indivíduos despertam uma forte indignação, mas também pode-se dizer que uma espécie de fascínio.

Há muitos que querem saber os detalhes de seu comportamento. Também, infelizmente, essa gestão informativa às vezes se torna um incentivo para indivíduos semelhantes.

É muito comum que esse tipo de sujeito sinta uma enorme satisfação em “se safar”. Gostam de chamar a atenção da comunidade inteira e que ninguém é capaz de pegá-los.

Elizabeth Smart lançou uma campanha de um ano contra esses indivíduos. Sua mensagem é que a educação e a prevenção são as armas para derrotá-los.

“A vida não é uma questão de ter boas cartas, mas de jogar bem com uma mão ruim”.

Robert Louis Stevenson

sombra de uma mulher

A história de Elizabeth Smart

Elizabeth Smart nasceu em 3 de novembro de 1987, em Salt Lake City, Utah (Estados Unidos). Ela vem de uma família rica, que professa a religião mórmon. Ela tem quatro irmãos e uma irmã. Ela normalmente morava em um subúrbio exclusivo até 5 de junho de 2002.

Eram aproximadamente 2 da manhã quando um homem, aparentando ser um sem-teto, se infiltrou em sua casa por uma janela da cozinha. O sujeito subiu as escadas e chegou ao quarto onde Elizabeth, de 14 anos, dormia com sua irmã de 9 anos. O que a acordou foi uma faca que o homem colocou em sua garganta. Ele lhe disse que se ela se movia ou falava, ele mataria toda a sua família.

Sua irmã, Katherine, acordou e presenciou tudo o que aconteceu. O homem forçou Elizabeth Smart para fora da sala e depois para fora da casa com ele. Assim que o sujeito saiu da sala, Katherine foi cuidadosamente até o quarto dos pais e contou a eles o que havia acontecido. No entanto, era tarde. Elizabeth havia sido sequestrada.

Um pesadelo e uma busca angustiante

Começou então uma busca infrutífera, por parte da família e das autoridades. Exsitia um suspeito que estava na prisão. Katherine alegou ter identificado o agressor: ela disse que era Emmanuel, um sem-teto cuja família havia lhe permitido consertar o jardim alguns meses antes em troca de alguns dólares.

Ninguém deu ouvidos à menina, que já tinha completado 10 anos. Dada a falta de resultados, e porque o único suspeito havia morrido na prisão, eles decidiram escutar a menina. O caso Elizabeth Smart foi então discutido em um programa de televisão e um retrato falado do suposto agressor foi feito.

Muito rápido, um casal reconheceu ele na rua na companhia de duas mulheres que cobriam seus rostos. Eles alertaram as autoridades e assim o capturaram.

Catarina estava certa. Nove meses se passaram e Elizabeth Smart estava de volta. Ela viveu um inferno: foi estuprada diariamente por seu sequestrador, com o consentimento e motivação da própria esposa do homem. Ambos foram capturados.

Sombra de um homem no chão

Uma história de resiliência

O sequestrador era um homem chamado Brian David Mitchell, que também era mórmon e disse ter sido escolhido por Deus. Ele disse que deveria ter sete esposas e a segunda tinha que ser Elizabeth. Apesar de suas histórias, o júri descobriu que ele estava ciente de suas ações e acabou sendo condenado a duas penas de prisão perpétua sem liberdade condicional.

Enquanto isso, Elizabeth Smart se refugiou em suas convicções religiosas. Ela partiu para a França para realizar uma missão com sua congregação e esse trabalho para outros valeu a pena. Na França ela conheceu outro missionário com quem mais tarde se casaria. Mais tarde, tornou-se ativista contra o tráfico de pessoas e pela busca de pessoas desaparecidas.

Sua mensagem principal é que as crianças podem aprender a não serem vítimas desse tipo de assunto. Da mesma forma, ela ressaltou que não é bom dar tanto valor à sexualidade. Alguém que foi abusado sexualmente não está “danificado” ou “defeituoso”. Nem tem que viver a partir de então como uma vítima. A vida de Elizabeth Smart foi transformada em filmes e vários livros. É, sem dúvida, um exemplo de resiliência.

Pode interessar a você...
O transtorno de estresse pós-traumático: desenvolvimento e tratamentos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O transtorno de estresse pós-traumático: desenvolvimento e tratamentos

O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) ocorre em algumas pessoas que foram expostas a eventos muito estressantes e catastróficos.



  • Marqués, L. B. (2014). Hiedra, cerezos y tulipanes: La iluminación holística del objeto natural en Maria-Mercè Marçal, Elizabeth Smart y Sylvia Plath. Revista de lenguas y literaturas catalana, gallega y vasca, 19.