O homem elefante, uma reflexão sobre a dignidade humana

· abril 18, 2018

O homem elefante é um retrato em preto e branco da dignidade e sensibilidade humana escondidos sob um corpo deformado. Neste filme lendário de David Lynch descobrimos a verdadeira história de Joseph Merrick, um jovem que sofre da síndrome de Proteus, e depois de passar grande parte de sua vida no mundo do circo, encontra a calma em seus últimos anos no Hospital de Londres.

A história conta que Merrick tinha a alma de um artista e o coração de um poeta. Ele tinha apenas uma mão útil e, embora fosse tão pequena quanto a de uma criança de 10 anos, sempre demonstrava grande habilidade. Tanto que ele foi capaz de criar construções fascinantes com papel, papelão e palitos de dente. Essas pequenas obras eram presentes que ele costumava dar a todas aquelas pessoas que eram gentis com ele.

“É verdade que minha forma é muito estranha, 
mas me culpar por isso é culpar a Deus;
se eu pudesse me criar de novo,
tentaria não falhar em agradá-los.

Se eu pudesse alcançar de um polo a outro 
ou abraçar o oceano com meus braços,
pediria que fosse medido pela minha alma.
A mente é a medida do homem”.

-J. Merrick-

Quando Mel Brooks confiou a David Lynch o roteiro desta história, sabia exatamente o que estava procurando. A história de Joseph Merrick merecia ser trazida para o cinema de uma maneira especial e diferente. Mais ainda, deveria ser uma homenagem. Sua delicadeza, virtuosismo e inteligência devem transcender a pele habitada por solavancos e deformidades. Sua humanidade devia superar a própria sociedade, em momentos desprezíveis e grotescos, sempre ansiosa para colocar seu olhar sobre o diferente e o estranho.

O resultado superou todas as expectativas. O filme acabou sendo um presente em preto e branco sobre a dignidade humana, uma produção inesquecível onde a bondade emerge sobre a perversão e monstruosidade. O homem elefante recebeu oito indicações ao Oscar em 1981 e, embora não tenha ganho, a história já o transformou em uma obra cult, em uma joia cinematográfica inesquecível.

Pôster do filme 'O Homem Elefante'

homem elefante: eu não sou um animal, eu sou um ser humano

David Lynch foi muito claro ao dizer que a história de The Elephant Man tinha que ser levada para o cinema em preto e branco. Só assim o rastro do submundo vitoriano que acompanhou a vida de Joseph Merrick poderia ser mostrado. Essa era a única maneira de envolver também a visão pública do acúmulo de sensações, angústias e emoções que marcaram a existência desse jovem britânico que sofria de graves deformações desde seu primeiro ano de vida.

Essa fotografia monocromática foi muito útil para iluminar, por exemplo, o submundo do circo onde o homem elefante era expostoO show de aberrações era o único remédio disponível para pessoas com deformidades, e Joseph Merrick ganhou sucesso notável na Europa em 1880. Ele sofreu, a partir do que é considerado até hoje, o caso mais grave da síndrome de Proteus. Ele mesmo se descreveu da seguinte maneira:

Meu crânio tem uma circunferência de 91,44 cm, com uma grande protuberância carnuda nas costas do tamanho de uma xícara de café. A outra parte é, para descrevê-lo de alguma forma, uma coleção de colinas e vales, como se tivessem sido amassados, enquanto meu rosto é uma visão que ninguém poderia imaginar. A mão direita é quase do tamanho e forma da perna da frente de um elefante, medindo mais de 30 cm de circunferência no pulso e 12 em um dos dedos. No outro braço, a mão não é maior do que o de uma menina de dez anos, embora bem proporcional. Minhas pernas e pés, como o meu corpo, são cobertos por uma pele grossa e com aspecto de massinha, muito parecida com a de um elefante e quase da mesma cor. Na verdade, ninguém que não tenha me visto acreditaria que tal coisa poderia existir.

Cena do filme 'O Homem Elefante'

Assim, e no meio da cena brutal e humilhante contida no mundo do circo, de repente somos presenteados com um olhar emocionante e cheio de piedade que muda a vida de Joseph Merrick . É o Dr. Frederick Treves, um papel interpretado por Anthony Hopkins com maestria. Alguém que foi capaz de ver o ser humano sob a pele do monstro, alguém movido pelos gritos de um jovem que exigia ser visto como uma pessoa, não como um animal.

A dupla exposição pública de O Homem Elefante

Embora o Dr. Treves tenha uma grande proximidade com o jovem Merrick, o espectador não deixa de intuir que ele também tem um profundo interesse científico. Ele o exibe para patologistas eminentes, médicos e cirurgiões, o expõe aos colegas e faz todo o possível para que o Homem Elefante passe a vida no Hospital de Londres.

Uma vez acomodado em um quarto, o jovem Merrick finalmente consegue mostrar o que está sob todas aquelas protuberâncias e pele grossa. A princípio, a comunidade científica presume que tal corpo seria, sem dúvida, acompanhado por uma profunda deficiência intelectual. No entanto, logo descobrem algo que hoje está perfeitamente documentado: Joseph Merrick tinha uma elevada inteligência.

Ele lia e escrevia com grande facilidade, compôs poemas, era um grande leitor e tinha uma visão do mundo tão inocente quanto esperançosa. A sombra de sua infância, atormentada pelo ridículo, pelo abuso ou por seus anos sombrios no mundo do entretenimento e do circo, não havia afetado seu coração e nem o endurecido. Como ele explicou, sua esperança e otimismo vieram do amor. O amor que tinha recebido de sua mãe, uma bela jovem que incutiu nele o amor pelos livros e que morreu cedo.

Cena do filme 'O Homem Elefante'

Curiosamente, e apesar do Hospital de Londres ter levantado fundos para fornecer a Merrick uma vida de conforto na instituição e, assim, evitar a exibição pública a que foi submetido, ele acabou cometendo um ato que para muitos foi imperdoável. O homem elefante morreu na manhã de 11 de abril de 1890, aos 27 anos de idade, enquanto dormia.

Sabe-se que o jovem era crente e que um de seus desejos seria ser enterrado perto de sua mãe. No entanto, o interesse científico falou mais alto do que o respeito e a defesa de sua dignidade. O museu patológico da London Medical College exibiu seu esqueleto por décadas. Atualmente, seus restos mortais foram removidos (mas eles ainda estão sendo estudados) e foram substituídos por seus pertences: sua poltrona, suas cartas manuscritas, o chapéu com o tecido costurado que cobria seu rosto e cabeça…

Se este filme conseguiu algo foi nos fornecer e nos dar um retrato fiel da humanidade contida no corpo deformado de Joseph Merrick. A música, fotografia, a direção… Tudo isso formou uma tela perfeita e cheia de humanidade, onde foi descoberta uma mente que permaneceu intacta apesar das humilhações e do abuso.

O homem elefante nunca perdeu sua delicadeza, suas maneiras requintadas, sua confiança nas outras pessoas. Ironicamente, após sua morte, ele foi vítima de outro espetáculo: o do mundo científico.