O Kalama Sutta do Buda, uma lição de psicologia

A psicologia e o budismo compartilham muitos elementos. O Kalama Sutta é uma lição sobre como evitar preconceitos cognitivos e até mesmo falácias que muitas vezes alimentam o sofrimento.
O Kalama Sutta do Buda, uma lição de psicologia

Última atualização: 25 março, 2022

O Kalama Sutta é um dos textos tradicionais mais importantes do budismo, embora talvez não seja tão conhecido quanto os ensinamentos das Quatro Verdades ou O Nobre Caminho Óctuplo. No entanto, para a psicologia é de interesse indiscutível.

Essas verdades encorajam a pessoa a fazer seu próprio julgamento; seu senso crítico. E isso acontece, inevitavelmente, pela desativação de muitos de nossos vieses cognitivos e esquemas de pensamento errôneos. Poderíamos dizer que aquelas lições que o próprio Buda nos legou na forma de sutras (conjunto de discursos) são um crisol para a psicologia.

É interessante refletir sobre todos esses pontos de união existentes entre as duas esferas. Porque se falarmos das contribuições do budismo para a psicologia, podemos dizer que elas vão muito além da atenção plena. Afinal, ambas as correntes têm quase os mesmos propósitos: aliviar o sofrimento e promover o bem-estar.

No entanto, entre todas as contribuições que Buda nos deixou, o Kalama Sutta é a mais inovadora e interessante por vários motivos.

“Não acredite em nada, não importa quem disse, mesmo que eu tenha dito, se não se encaixa com sua própria razão e bom senso.”

-Buda-

Buda e o Kalama Sutta
No Kalama Sutta estão os princípios a serem seguidos para ser um buscador da verdade.

O que é o Kalama Sutta do Buda?

O Kalama Sutta tem sua origem em um momento muito específico. Buda passa pela vila de Kesaputta e é recebido por seus habitantes, um clã chamado Kalamas. Essas pessoas pedem sua ajuda. Dizem-lhe que muitos supostos líderes espirituais como ele costumam passar por essas terras. Todos eles pregam suas verdades e ensinamentos dos mais variados.

Em quem acreditar então? os kalamas perguntam a ele. Quem tem a verdade quando há tantos que procuram convencer com seus conselhos, suas proclamações e perspectivas religiosas? Buda passa, então, a dar aquele discurso que mais tarde seria coletado e integrado ao Cânone Pali, ou seja, naquele corpo doutrinário do Budismo Theravada.

A importância de saber discernir, segundo Buda Gautama

O que o Buda fez a seguir é muito básico e inspirador. Ele lista, um por um, os critérios para discernir quais ensinamentos são falsos e quais são verdadeiros. O mais importante, enfatiza, é não acreditar como uma verdade cega a tudo o que se ouve. Algo que o ser humano deve evitar é uma aceitação passiva e não filtrada.

Para diferenciar os charlatães daqueles que contribuem com ideias sábias, a própria experiência é um bom guia. Ele aconselha aplicar toda essa atenção para analisar cada palavra ouvida e encontrar nelas bom senso e lógica. No entanto, e aqui vem talvez o mais importante, também é essencial ter em mente que nem sempre podemos confiar em nossa própria razão. Porque também reforçamos perspectivas errôneas e filtros mentais ilógicos, às vezes.

Em essência, o Kalama Sutta estabelece os princípios que um buscador da verdade deve seguir, e aqueles pilares que devemos usar para julgar toda fala, toda realidade que nos cerca. Essa abordagem, como podemos deduzir, ainda é de grande interesse para a psicologia.

homem praticando o Kalama Sutta
O Kalama Sutta evoca uma forma de teste de realidade, que William James certa vez definiu como empirismo radical.

Ensinamentos Kalama que são uma lição de psicologia

O Kalama Sutta exorta as pessoas a uma estratégia muito específica: aplicar o filtro da realidade. É um recurso amplamente utilizado na terapia cognitivo-comportamental (TCC) e nos incita a analisar a veracidade de muitos de nossos pensamentos e esquemas mentais. Aliás, esse “teste de realidade” também foi um recurso que Sigmund Freud aplicou em sua época.

Vejamos quais foram esses ensinamentos que Buda deu em seu discurso ao clã dos kalamas:

  • Não acredite cegamente em tudo que você ouve. Não pense que algo é verdade só porque já foi repetido muitas vezes.
  • Evite seguir cegamente uma tradição só porque ela existe há gerações. Reflita primeiro se esses estágios atendem aos seus interesses e necessidades.
  • Não acredite em rumores ou faça suposições ingênuas.
  • Tente não tirar conclusões precipitadas do que você vê e ouve.
  • As aparências não são tudo; não se deixe levar pelo que os outros mostram. Eles podem estar mentindo.
  • Tome cuidado para não acreditar numa idéia só porque ela lhe traz conforto ou se ajusta a suas opiniões. Às vezes, grandes revelações têm que nos desafiar.
  • Não se convença de certas coisas só porque seu mestre espiritual lhe diz. Sempre raciocine e reflita sobre o que eles transmitem para você.

Se analisarmos bem essas lições, elas se destacam como recursos autênticos para desativar muitas falácias lógicas e distorções cognitivas. Trata-se, portanto, de uma perspectiva interessante e esclarecedora, que mais tarde incluiria a própria psicologia em seus fundamentos. Além disso, não devemos deixar de lado outro fato.

O Kalama Sutta é conhecido por estimular a pesquisa livre para nos libertar de todas as formas de fanatismo, dogmatismo e intolerância. E isso agora é decisivo.

Pode interessar a você...
9 sutras ou ensinamentos budistas para viver melhor
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
9 sutras ou ensinamentos budistas para viver melhor

Sutras são pequenos fragmentos de sabedoria ensinados por Buda ou um de seus discípulos. São frases que nos ajudarão a despertar da letargia.



  • Soma Translator Thera  (1959) Kalama Sutta the Buddha’s Charter of Free Inquiry. ‎ Buddhist Publication Society 
  • Uddiyan, Saber (2010) Kalama Sutta: The Rediscovery of Conscience.  Vajra Publications