O mito de Deméter, a deusa loira

fevereiro 27, 2020
O mito de Deméter fala de uma deusa mãe para quem o mais importante eram seus filhos. Ela protege os ciclos da vida e dos alimentos, representados pela agricultura e a fertilidade da terra.

O mito de Deméter era um dos mais importantes para os gregos. Esta deusa era venerada em muitos lugares, já que se identificava como a “grande mãe” da humanidade, acima de outras deusas que, a princípio, tinham mais importância do que ela, como Gaia e Reia.

Deméter era a deusa protetora dos grãos, das colheitas e da fertilidade dos campos. Também era a guardiã do matrimônio, da lei sagrada e dos ciclos da vida e da morte. Era filha de Cronos, pai do tempo, e de Reia, mãe universal. Seus avós eram Urano e Gaia. Ela fazia parte do grupo principal de deuses do Olimpo.

No mito de Deméter, a deusa era representada como uma bela mulher de cabelo loiro. A versão mais difundida diz que ela teve uma filha com seu irmão Zeus. Outra versão diz que esta filha foi fruto da sua união com Iásio, seu sobrinho, filho de Zeus e Electra. Seja como for, a deusa deu à luz uma bela menina que fascinava todos que a observavam.

“Se os touros e os leões soubessem pintar, pintariam os deuses como touros e leões”.
-Jenófanes de Colofón-

Estátua da deusa Deméter

O mito de Deméter e Perséfone

O mito de Deméter e Perséfone conta que a deusa amava muito a sua filha, a quem deu o nome de Perséfone. A menina corria pelos campos fertilizando tudo que encontrava em seu caminho e fazendo com que a vida brotasse por onde ela passasse.

Hades, o deus do submundo, a observou e ficou apaixonado pela sua beleza. Em segredo, Zeus a deu como esposa a Hades sem dizer nada à mãe da menina.

Um dia, Perséfone estava passeando pelos campos, como de costume. Ela caminhava pelas terras da Sicília colhendo flores com as filhas de Oceano, suas amigas. De repente, a terra tremeu e, das profundezas do solo, surgiu Hades com seu carro. Perséfone gritou, chamando sua mãe, mas foi inútil. Hades a raptou e a levou com ele para o seu reino.

O mito de Deméter conta que, quando a deusa percebeu que sua filha havia desaparecido, ficou revoltada e transformou as filhas de Oceano em sereias. Queria castigá-las por não terem protegido Perséfone. Em seguida, vagou durante nove dias em busca da filha, sem comer, nem beber, emitindo terríveis lamentos pelo que havia acontecido.

Uma nova aventura

Após os nove dias de busca, Hécate, deusa da magia e da bruxaria, ouviu seus lamentos e soube da sua intensa tristeza. O mito de Deméter conta que ela levou a deusa loira até Hélio, o sol, que tudo via e tudo sabia. A divindade contou que a filha de Deméter estava no mundo dos mortos.

Desesperada, pois não sabia como chegar ao submundo, Deméter decidiu não voltar ao Olimpo e, em vez disso, passou a vagar pela Terra sem rumo. Ela se disfarçou de idosa e chegou a Eleusis, onde se sentou ao lado de um poço.

As filhas do rei Céleo e da rainha Metanira chegaram ao local para pegar água e a deusa, com seu disfarce, decidiu contar-lhes uma mentira.

Ela disse que vinha de Creta e que alguns piratas a haviam raptado e, depois, soltado. Disse que poderia fazer qualquer trabalho doméstico, e assim foi acolhida pelo rei Céleo como babá do seu filho mais novo, Demofonte. Deméter sentia muito carinho pelo menino e decidiu torná-lo imortal; para fazer isso, tinha que fazer uma série de rituais, que incluíam queimar a pele do menino em uma fogueira.

A mãe da criança a encontrou realizando este ritual e entrou em pânico. Diz o mito que a deusa foi obrigada a revelar quem era. Não conseguiu dar a imortalidade ao menino, mas ensinou a ele os segredos da agricultura, e ele transmitiu seus conhecimentos aos homens.

Estátua da deusa Deméter

Um reencontro feliz

Enquanto Deméter procurava sua filha, esqueceu suas tarefas como protetora das colheitas, de forma que a terra começou a se tornar estéril. Tudo que era plantado murchava, e os homens estavam começando a passar fome. Preocupado com a situação, Zeus decidiu fazer um acordo com Hades.

Eles chegaram à conclusão de que Perséfone passaria seis meses do ano no submundo com Hades e outros seis meses no Olimpo com sua mãe. Enquanto Perséfone está com os mortos, a terra não produz nada; quando ela se reúne com sua mãe, os campos se tornam férteis. Foi assim que nasceram as estações do ano.

Deméter pediu que fosse realizado um culto em Eleusis, onde ela havia sido acolhida com cordialidade. Este culto era secreto e nenhum dos que o praticasse no futuro poderia revelar os seus detalhes. Uma das sacerdotisas foi torturada até a morte para que contasse os segredos, mas resistiu.

Ao saber disso, a deusa loira mandou uma praga para esta região e do corpo da sacerdotisa, que se chamava Melissa, fez com que saíssem as abelhas, grandes amigas da fertilidade nos campos.

Diestre, J. A. P. (2004). Deméter y Ceres: Las diosas de la fertilidad. Graffylia: revista de la facultad de filosofía y letras, 4, 53-57.