O mito de Medeia, a feiticeira apaixonada

maio 17, 2020
O mito de Medeia é um dos mais belos da Antiguidade. Ele fala de uma feiticeira que, em vários momentos da sua vida, arrisca completamente o seu destino por amor ou por despeito. É o protótipo da mulher independente e sem escrúpulos.

O mito de Medeia fala sobre o arquétipo da bruxa, uma mulher independente, invadida por grandes paixões e com uma grande capacidade de decisão. No momento em que essa personagem foi criada, ela representava o completo oposto do que uma “mulher modelo” deveria ser. Talvez por esse motivo tenha despertado um grande interesse e tenha tido um enorme impacto entre os autores trágicos.

Segundo o mito de Medeia, essa feiticeira era neta de Helios, o deus Sol, e filha de Eates, rei da Cólquida, o mesmo lugar onde o mítico velo de ouro permanecia. Era um carneiro alado, cuja lã era de fios de ouro. A mãe de Medeia era a ninfa Idía, filha do oceano, cujo nome significa “ver”.

A história conta que essa feiticeira aprendeu as artes da bruxaria com sua tia Circe. Além disso, ela tinha grandes poderes e conhecia poções mágicas que lhe permitiam transformar os seus inimigos em animais e curar doenças graças ao seu conhecimento de ervas e remédios.

“Eu entendo o quanto é grave o crime que vou cometer, mas em minhas decisões prevalece a paixão, a maior culpada pelos males humanos”.
– Medeia, de Euripides de Salamina –

Poções

O mito de Medeia, a mulher apaixonada

O momento em que o mito de Medeia ganha vida é quando Jasão e os Argonautas chegam a Cólquida, o reino do pai da feiticeira, em busca do velo de ouro. As deusas Hera e Athena protegiam esses expedicionários e pediram à deusa Afrodite que as ajudasse em sua tarefa. Especificamente, solicitaram que Medeia, a filha do rei, se apaixonasse por Jasão e o apoiasse em seus propósitos.

Afrodite teve que convencer seu filho Eros a fazer essa tarefa . Ele estava relutante, mas a sua mãe lhe prometeu um presente e então ele concordou em lançar uma de suas flechas diretamente no coração da feiticeira. Ela, é claro, se apaixonou completamente por Jasão e não teve escrúpulos em ajudá-lo a cumprir a sua missão.

O rei de Cólquida prometeu dar a Jasão o velo de ouro, desde que ele cumprisse algumas provas. A primeira foi arar um campo com bois que exalavam chamas através de suas narinas. Logo depois, com a ajuda das deusas protetoras, Jasão e Medeia se encontraram no santuário de Hécate, nas profundezas da floresta. Lá, o herói pediu a sua ajuda e prometeu se casar com ela e levá-la para a Grécia, sua terra natal.

A ajuda de Medeia

O mito de Medeia conta que a feiticeira deu a Jasão uma poção que o tornou invulnerável às chamas dos bois. Além disso, também o ajudou a derrotar alguns soldados que surgiram do nada e a fazer o dragão que cuidava do velo de ouro adormecer. Assim, o herói foi capaz de cumprir todas as tarefas que lhe foram impostas.

Mais tarde, o casal fugiu no famoso navio Argo, onde, para impedir o seu pai de persegui-los, ela matou o seu irmão mais novo, Apsirto, que estava na embarcação. Ela o esquartejou e jogou os pedaços de seu corpo no mar, de modo que seu pai perdeu tempo procurando o corpo do filho e, assim, abandonou a perseguição.

Dessa forma, eles conseguiram chegar à terra natal de Jasão, Yolco, e foram recebidos com grandes celebrações. O mito de Medeia conta que o casal se casou e que a feiticeira decidiu rejuvenescer o pai de Jasão, como agradecimento por ele ter cumprido as suas promessas. As filhas de Pelias, irmão do pai de Jasão, que haviam sido tiradas do trono por ele, queriam que a feiticeira também rejuvenescesse seu pai.

Estátua de Medeia

Um fim trágico

Medeia enganou as jovens e, em vez de conceder-lhes o rejuvenescimento de Pelias, ela o matou. Por esse fato, o casal foi exilado em Corinto, onde foram cordialmente recebidos pelo rei Creonte. Medeia e Jasão viveram felizes ali por muitos anos e tiveram dois filhos. No entanto, Jasão se apaixonou pela filha do rei, Glauce, e começou a pensar em maneiras de se livrar da sua esposa.

Fingindo aceitar o noivado de Jasão e Glauce, a feiticeira deu um vestido à princesa. Segundo o mito de Medeia, quando a jovem o vestiu, ele se incendiou e o fogo se espalhou para o rei e todo o palácio. Mais tarde, a bruxa matou seus filhos e fugiu para Atenas, onde foi recebida pelo rei Egeu, com quem se casou e teve um filho chamado Medo.

Anos depois, tramou para que Teseu, filho de Egeu, não pudesse subir ao trono e, em vez disso, o seu filho Medo foi coroado. No entanto, o rei percebeu tudo e ela precisou fugir em uma nuvem mágica. Assim, ela voltou para Cólquida, onde foi perdoada. O mito de Medeia diz que a feiticeira é imortal e vive para sempre nos Champs-Elysées.

García Gual, C. (1971). El argonauta Jasón y Medea. Análisis de un mito y su tradición literaria. Habis, 2, 85-107.