Os 6 tipos de arte urbana e suas características

A arte de rua que enche as cidades de vida e personalidade muda de acordo com o gosto do artista e as condições sociais. Mas você sabe o que esses artistas procuram quando colocam as mãos à obra?
Os 6 tipos de arte urbana e suas características

Última atualização: 25 Dezembro, 2021

A vanguarda foi o movimento do século XX que abriu as portas para uma grande variedade de expressões artísticas, que mesmo atualmente continuam a crescer. Se você tem interesse em conhecer os tipos de arte urbana existentes e as características de cada um, te convidamos a continuar lendo este artigo.

Como qualquer tipo de movimento a arte urbana admira o cotidiano, apostando na arte urbana e na liberdade de expressão. Por isso ela tem o apoio de grande parte do público, mas também conta com a desaprovação de outras pessoas.

De qualquer forma, para que você estabeleça uma opinião própria em relação a gostar ou não deste tipo de arte é necessário aprender primeiro sobre ela. Com isso isso você terá argumentos para embasar a sua opinião.

Arte urbana ou de rua

O termo “arte urbana” ou “arte de rua” se refere a toda arte de rua. Expressões deste tipo são feitas com uma intenção clara, conforme endossado pelo seguinte estudo publicado em 2018 pela Universidade Complutense de Madrid: abrir um canal de comunicação entre as pessoas nas cidades para enviar uma mensagem que rompa com o “politicamente correto”.

Deste modo, pode-se dizer que a arte urbana (desde a pós-modernidade) cumpriu o propósito das vanguardas: fazer uma arte feita por e para as pessoas além de enviar uma mensagem livre, efêmera e voltada para o cotidiano.

Arte de rua é o mesmo que grafite?

É importante destacar que grafite não é a mesma coisa que arte urbana. De fato, o primeiro é classificado como parte do movimento, mas ambos têm algumas diferenças:

  • O grafite não inclui necessariamente uma mensagem de protesto, podendo ter um objetivo puramente artístico.
  • É também a partir dos anos 90 que a street art começa a se desenvolver, e o grafite continua evoluindo por conta própria a partir dos anos 70.

Desta forma, a arte urbana recebe diferentes influências: o grafite por seu meio de expressão (a rua), os movimentos de vanguarda, a pós-modernidade, a ilustração ou o design gráfico.

Tipos de arte urbana e suas características

Vejamos a seguir quais são os diferentes tipos de arte urbana.

1. Tradicional

O seu nome se deve ao fato de terem sido estas as primeiras técnicas utilizadas pelos pioneiros da arte urbana. Dentre elas destacam-se:

  • Grafite: o desenho ou “grafite tradicional”, que não necessariamente faz algum tipo de protesto.
  • Stencil: este método ganha especial relevância em Paris, e consiste em aplicar um stencil com desenho para pintar por cima e deixar a silhueta na superfície.
  • Sticker art: ele se popularizou graças às bandas de skate e punk rock dos anos 80. Oferece a possibilidade de enviar uma mensagem de forma econômica e em um curto espaço de tempo.
  • Outdoor de papel: Utiliza uma cola especial deve ser manuseada com luvas e proteção para estender cartazes grandes nas paredes.
Garoto fazendo grafite.

2. Abstrata

Essas técnicas se afastam do grafite tradicional, sendo guiadas pelo muralismo. De acordo com um artigo publicado pela Revista de las Artes, esse movimento artístico foi iniciado no México no início do século 20 por um grupo de pintores intelectuais após a Revolução Mexicana, a Grande Depressão e a Primeira Guerra Mundial.

Essa representação artística consiste em misturar uma série de formas para representar uma criação que tem um efeito sobre o observador (geralmente uma ilusão de ótica). Além disso os materiais utilizados ​​são mais diversos: óleo, acrílico, têmpera, etc.

3. Fotográfica

As imagens são vitais para que uma mensagem fique gravada no observador. Nesse sentido, por meio da visão as informações são transmitidas ao cérebro, permanecendo ainda mais vívidas nas pessoas que têm uma boa memória visual ou fotográfica.

Entre as técnicas utilizadas neste tipo estão:

  • Gigantografias: a foto é impressa como um collage que cobre toda a rua. Isso pode ser feito por jato de tinta, laser ou impressão de revelação química.
  • Miniaturas fotográficas: ao contrário da técnica anterior, elas são menores e servem para criar mini mundos em todo o seu esplendor. Por meio de uma câmera, uma animação é criada.

4. Morfing

Esta técnica expressa o desejo de transformar os elementos urbanos da rua em outras coisas. Nesse sentido predominam a transformação e a atribuição de vida a coisas inertes. Por exemplo, uma porta de garagem é  usada para criar uma boca ou uma torneira para criar o corpo de uma criança.

Essa categoria também pode incluir intervenções feitas a partir de imperfeições nas paredes ou manchas, que parecem ou se assemelham a algum objeto.

5. Instalações

Aproveita-se a união de elementos já existentes com outros novos, para que juntos eles adquiram um novo significado.

Um exemplo disso é o caso de Raúl Zurita em “El mar del dolor”, quando ele inundou um navio com água e pintou as paredes com seus versos para que as pessoas andassem descalças enquanto os liam; com isso a jornada empática de se colocar no lugar dos refugiados que perderam a vida no mar era mais fácil.

Esta foi a forma que ele encontrou de denunciar o acontecido e tentar despertar a nossa sensibilidade, às vezes tão anestesiada pelo cotidiano e pelo que está ultrapassado atualmente:

“O mar del dolor do poeta chileno Raúl Zurita questiona o tratamento dispensado aos migrantes na mídia, em particular com a fotografia da criança síria morta na margem da praia, captada pelo repórter turco Nilüfer Demir o ano de 2015. Zurita responde a essa fotografia criando um “enredo de humanidade”.

-Magda Sepúlveda Eriz (2020) –

6. Exclusivo

Por fim, essa seria a mistura na qual se incluem as demais expressões artísticas que, até hoje, ainda não possuem uma catalogação específica. Em todo caso, é preciso dizer que esta arte também se trata disso: ela não precisa ser catalogada porque ela já é livre em si mesma.

Neste tipo estão presentes as técnicas utilizadas com diversos materiais e que costumam ser diferentes umas das outras: desde papel film, esculturas, resíduos ou lixo.

Coração de pedra com grafite na parede.

Os tipos de arte urbana vão além da pintura e do papel

Esperamos que esses 6 tipos de arte urbana e suas características tenham oferecido um olhar diferente para te ajudar a deixar os preconceitos para trás. No entanto, é normal que você goste mais ou menos dela porque, simplesmente, essa é uma forma diferente de expressão.

Até o dia de hoje a arte continua se fortalecendo com cada vez mais novos materiais, elementos e designs. Desta forma ela cria uma proposta que vai além do papel ou da pintura, fazendo denúncias e defendendo um pensamento próprio.

Pode interessar a você...
Biografia de Adolf Wölfli, o mais conhecido artista de arte bruta
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Biografia de Adolf Wölfli, o mais conhecido artista de arte bruta

Conheça a biografia de Adolf Wölfli, um artista que nos fascina e nos surpreende com suas pinturas, seus desenhos e sua própria vida.



  • Adams Fernández C. Instalaciones y nuevas formas expresivas en el arte chileno. Arte Rev Hist Arte. 2002;14:5-152.
  • Equipo editorial, Etecé. Arte Callejero – Concepto, historia, tipos y características [Internet]. Concepto.de. 2018 [citado 15 de septiembre de 2021]. Disponible en: https://concepto.de/arte-callejero/
  • Mandel C. Muralismo mexicano: arte público/identidad/memoria colectiva. ESCENA Revista de las artes. 2007;61(2):37-54.29.
  • Reyes Sánchez F. Origen, evolución y auge del arte urbano. El fenómeno Banksy y otros artistas urbanos. Universidad Complutense de Madrid; 2017.
  • Rubio NM. Los 6 tipos de arte urbano (y sus características) [Internet]. Psicologiaymente.com. 2021 [citado 15 de septiembre de 2021]. Disponible en: https://psicologiaymente.com/cultura/tipos-arte-urbano
  • Sepúlveda Eriz M. Poesía y migración. Zurita en «El mar Del dolor». Univers (Talca, Impresa). 2020;35(1):368-86.