Os 7 tipos de sonhos

Você já se perguntou quais são os tipos de sonhos? Hoje mostraremos 7 dos mais importantes e explicamos sua natureza.
Os 7 tipos de sonhos

Última atualização: 11 julho, 2022

Os sonhos são uma experiência que acompanha todos os nossos ciclos de descanso noturno. Estima-se que todas as pessoas tenham entre quatro e seis sonhos por noite, embora a quantidade varie de acordo com a idade, personalidade, nível de cansaço, experiências do dia e, claro, padrões de atividade cerebral.

As fases do sono são divididas em dois tipos: a fase de movimento rápido dos olhos (REM) e a fase de movimento não rápido dos olhos (NREM). Alternamos várias vezes entre essas fases e podemos manifestar experiências oníricas em qualquer uma delas. Explicamos os principais tipos de sonhos de acordo com os cientistas.

Principais tipos de sonhos

Foi Revonsuo (2000) quem primeiro sugeriu um papel evolutivo. Segundo o autor, sonhamos simular eventos ameaçadores que potencialmente podemos vivenciar em nossa realidade.

Isso explicaria por que muitos tipos de sonhos são organizados, seletivos e até repetitivos. Coletamos 7 tipos de sonhos que você deve conhecer.

homem dormindo

1. Sonhos recorrentes

São aqueles tipos de sonhos em que a experiência onírica se manifesta sob uma história ou enredo repetitivo. Especialistas apoiam a tese de Revonsuo de que esses sonhos são uma simulação de ameaças que nos preparam para quando tivermos que enfrentá-las no nosso dia a dia.

É por isso que a maioria das experiências desse tipo gira em torno de ser perseguido, conflitos amorosos, estar em perigo e outros. Você pode ter esses sonhos várias vezes por mês, e eles podem durar anos. O conteúdo pode ter tons desagradáveis a ponto de se tornar um pesadelo.

2. Sonhos lúcidos

Sonhos lúcidos são aquelas experiências nas quais você está ciente de que está sonhando. As evidências indicam que é uma habilidade que pode ser aprendida, embora, claro, possa ser desenvolvida isoladamente.

Especialistas classificam esses sonhos como um estado híbrido entre vigília e sonhos convencionais, que também produz mudanças na eletrofisiologia.

3. Sonhos precognitivos

Essas experiências em que a pessoa é capaz de ver uma situação no futuro são conhecidas como sonhos premonitórios. Também são conhecidos como sonhos proféticos e têm despertado interesse em quase todas as civilizações. Segundo os pesquisadores, esses sonhos são mais vívidos, claros e emocionalmente intensos em contraste com o sono convencional.

A natureza desses sonhos está longe de ser uma manifestação paranormal. Leve em consideração o que já explicamos sobre por que sonhamos, além de considerar que há um espectro limitado de tramas que podemos sonhar.

Por exemplo, e com base em pesquisadores, os sonhos de morte são as experiências precognitivas mais comuns. Morte, doença, infidelidade, sucesso ou fracasso são comuns nesses tipos de sonhos. Eles não se relacionam com o paranormal ou qualquer tipo de habilidade paranormal.

4. Falsos despertares

Os falsos despertares são aqueles tipos de sonhos em que a pessoa acredita que acordou, mas na realidade ainda está sonhando. Eles fazem parte dos sonhos lúcidos, a ponto de evidências sugerirem que até 79% dos sonhadores lúcidos os desenvolvem com frequência (mensal ou anualmente).

A maioria dessas experiências gira em torno dos hábitos que o sujeito realiza após acordar. Por exemplo, ir ao banheiro, arrumar a cama, vestir-se e comer. Em algum ponto do sonho há uma lacuna ou uma alteração da realidade do sonho que sugere que o sonho ainda não terminou.

5. Sonhos vívidos

Sonhos vívidos são aqueles que você lembra logo após acordar. Como já discutimos, a maioria das pessoas tem entre quatro e seis sonhos por noite. Você só se lembra da última experiência, que é conhecida como sonho vívido.

Você geralmente se lembra dessas experiências porque acorda durante o sono REM. Se você acordar no meio da noite, poderá lembrar do conteúdo da história e fazê-lo novamente de uma maneira completamente diferente quando acordar algumas horas depois.

Sonhos vívidos também são considerados aqueles que se desenvolvem com maior intensidade que o normal.

6. Pesadelos

Os pesadelos são um dos tipos mais conhecidos de sonhos. São sobre experiências desagradáveis, desconfortáveis ou perturbadoras. Os especialistas distinguem os pesadelos com base em sua natureza, intensidade e grau de perturbação.

Seguindo a tese de Revonsuo, os pesadelos são outra manifestação de uma simulação potencialmente perigosa, só que desta vez levada ao extremo. Pessoas com transtornos de ansiedade, fobias específicas, transtorno de estresse pós-traumático e problemas em sua vida diária são propensas a desenvolver essas experiências.

mulher tendo pesadelos

7. Terror noturno

Os terrores noturnos são considerados um tipo de distúrbio do sono em que a pessoa acorda apavorada, ansiosa e estressada, lembrando ou não da experiência do sonho que a despertou. É mais comum em crianças do que em adultos e muitas vezes requer tratamento.

Claro, existem outros tipos de sonhos, como sonhos de cura, sonhos simbólicos, sonhos criativos, sonhos compartilhados e sonhos de visitação. Os detalhados são os mais frequentes, a ponto de a maioria das pessoas experimentá-los pelo menos uma vez na vida.

Por fim, lembre-se de que o uso de certos medicamentos, distúrbios psicológicos e distúrbios do ritmo circadiano podem condicionar os sonhos que você desenvolve enquanto dorme.

Se você acha que o conteúdo destes ou sua natureza está incomodando mais do que o necessário, não hesite em procurar ajuda profissional.

Pode interessar a você...
Os benefícios dos sonhos lúcidos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os benefícios dos sonhos lúcidos

Você conhece os sonhos lúcidos? Esses tipos de sonhos permitirão que você obtenha benefícios que você possivelmente não conhecia, descubra-os hoje!



  • Barrett, D. Dreams of death. OMEGA-Journal of Death and Dying. 1989; 19(2): 95-101.
  • Buzzi, G. False awakenings in light of the dream protoconsciousness theory: a study in lucid dreamers. International Journal of Dream Research. 2011; 4(2): 110-116.
  • La Berge, S. P. Lucid dreaming as a learnable skill: A case study. Perceptual and Motor Skills. 1980; 51(3): 1039-1042.
  • Parra, A. A phenomenological examination of premonition experiences in dreams and waking states: A survey study. Australian Journal of Parapsychology. 2013; 13(2): 187-212.
  • Revonsuo, A. The reinterpretation of dreams: An evolutionary hypothesis of the function of dreaming. Behavioral and Brain Sciences. 2000; 23(6): 877-901.
  • Valli, K., & Revonsuo, A. Recurrent dreams: Recurring threat simulations?. Consciousness and Cognition. 2006; 15(2): 464-469.
  • Voss, U., Holzmann, R., Tuin, I., & Hobson, A. J. Lucid dreaming: a state of consciousness with features of both waking and non-lucid dreaming. Sleep. 20009; 32(9): 1191-1200.
  • Zadra, A., & Donderi, D. C. Nightmares and bad dreams: their prevalence and relationship to well-being. Journal of abnormal psychology. 2000; 109(2): 273.