A necessidade de sinergia entre terapia psicológica e medicamentos

maio 29, 2020
A dúvida eterna. Medicamentos ou consulta com psicólogo? A verdade é que a terapia psicológica demonstrou ter resultados mais duradouros do que os medicamentos. A razão é que, na terapia, são ensinadas habilidades de enfrentamento ao paciente.

O uso de terapia psicológica e de medicamentos para tratar transtornos psicológicos sempre gerou debate. A terapia psicológica demonstrou ter resultados mais duradouros do que os medicamentos. A razão é que, na terapia, são ensinadas habilidades de enfrentamento ao paciente. Ela ajuda a identificar pensamentos imprecisos ou negativos e fornece as ferramentas necessárias para desafiar e substituir essas crenças.

Além disso, esses métodos ensinam habilidades que duram por toda a vida. Isso não apenas permite que a pessoa se sinta melhor, mas também dá a ela algo a que recorrer caso seus fatores de estresse retornem em algum momento no futuro.

Ao contrário do potencial de alguns medicamentos, a terapia psicológica não é viciante. Além disso, alguns estudos mostraram que a terapia cognitivo-comportamental pode ser mais eficaz no alívio da ansiedade e da depressão do que os medicamentos.

No entanto, existem casos que, devido à gravidade ou particularidade, exigem uma boa sinergia entre terapia psicológica e medicamentos. Foi demonstrado que os medicamentos, a psicoterapia, e também a sua combinação ajudam pessoas com problemas emocionais ou comportamentais. A escolha do tratamento deve se basear nas evidências científicas disponíveis, bem como na própria disposição do paciente de iniciar esses tratamentos e mantê-los.

Terapia psicológica e medicamentos

Terapia psicológica e medicamentos: evidências do seu “bom relacionamento”

Atualmente, há um esforço para sistematizar a associação entre a TCC e a psicofarmacologia e seus benefícios no tratamento global:

  • As sinergias positivas entre as duas opções foram desbloqueadas graças à velocidade dos medicamentos, habilidades de comunicação, motivação, concentração e memória. O paciente se instala em uma posição comportamental e cognitiva que lhe permite assumir as tarefas propostas pela TCC.
  • A TCC pode aumentar a complacência farmacológica, tanto em doenças somáticas quanto mentais. A TCC pode “fixar” a adesão e até neutralizar os “sinais de segurança” farmacológica que interferem nos efeitos positivos da TCC.
  • De Pablo propõe uma “prescrição comportamental do medicamento” com implicações em dois níveis: a) quando a farmacologia é considerada um ato terapêutico na estrutura mais ampla do tratamento global (evite considerar a psicofarmacologia como fundamental e a TCC como secundária), b) Quando a psicofarmacologia for usada como um procedimento a serviço da mudança, eventualmente irá exigir outras medidas, como variações cognitivas e comportamentais, que facilitarão a compreensão do significado abrangente do tratamento.
  • A TCC permite que o fármaco seja “retirado” sob condições mais adequadas do que a pura diminuição sem uma rede protetora, reduzindo as recaídas (recaídas após a retirada ou diminuição inadequada dos medicamentos psicotrópicos foram menos frequentes em pacientes submetidos à TCC como tratamento sequencial ou associado).
  • Nos casos em que há um Transtorno da Personalidade, todas essas suposições podem ser complicadas, uma vez que os paranoicos rejeitam a medicação, os evitadores e os dependentes aderem excessivamente aos dois tipos de tratamento, e a sugestibilidade dos histriônicos e a onipotência dos narcisistas complicam as duas propostas.

Evidências de bons resultados da combinação de terapia psicológica e medicamentos

  • Para a depressão, dois tipos de psicoterapia, chamados terapia cognitivo-comportamental e psicoterapia interpessoal, bem como alguns medicamentos, demonstraram ser úteis. Existem evidências de que a combinação de psicoterapia e medicamentos pode ser mais eficaz do que qualquer tratamento isolado, embora, a longo prazo, pareça que a terapia psicológica dê a melhor garantia de sucesso. Pessoas suicidas podem precisar de tratamento em um hospital.
  • Para os transtorno de ansiedade, foi demonstrado que a terapia cognitivo-comportamental, medicamentos antidepressivos e medicamentos ansiolíticos são úteis. A maior parte da pesquisa coleta dados que apoiam a hipótese de que a psicoterapia é mais eficaz que os medicamentos e que a introdução de medicamentos não melhora significativamente os resultados da psicoterapia.
  • Para os transtornos por consumo de álcool e drogas, foi demonstrado que a terapia cognitivo-comportamental e as terapias baseadas no ambiente, bem como os programas de apoio, são úteis. Pessoas com problemas graves de uso de substâncias também podem se beneficiar da introdução de certos medicamentos que reduzem os desejos ou os efeitos de intoxicação.
  • Para os transtornos alimentares, pode ser necessário um tratamento médico para manter a segurança física. Foi demonstrado que a terapia cognitivo-comportamental, a psicoterapia interpessoal e os medicamentos antidepressivos são úteis, e algumas evidências sugerem que a combinação de psicoterapia e medicamentos pode ser mais eficaz do que qualquer tratamento isolado.
  • Para a esquizofrenia ou o transtorno bipolar, a maioria das pessoas irá precisar de tratamento com medicamentos antipsicóticos ou estabilizadores de humor. Pesquisas sugerem que agregar a psicoterapia cognitivo-comportamental ou familiar ao tratamento pode melhorar os resultados funcionais.
  • Para problemas relacionados à parentalidade, casamento ou adaptação, a psicoterapia costuma ser a primeira recomendação. Este tratamento pode ajudar a desenvolver habilidades e responder mais adequadamente aos fatores de estresse.
Remédio liberando substâncias no cérebro

Tratamento personalizado de terapia psicológica e medicamentos

  • Diferentes pessoas respondem aos tratamentos de maneira diferente. Portanto, se um tratamento não ajudar, tente adicionar o outro. A pesquisa mostra que a psicoterapia pode ser útil até mesmo para pessoas que não respondem bem a medicamentos.
  • Tanto a psicoterapia quanto os medicamentos requerem aplicação e monitoramento rigorosos. Os resultados geralmente não ocorrem da noite para o dia. Portanto, você só deve iniciar um tratamento se estiver disposto a continuar por tempo suficiente.
  • É mais provável que os pacientes se envolvam com um tratamento que faça sentido para eles. Portanto, é importante discutir profundamente o tratamento e explicá-lo de uma maneira de fácil compreensão.

Conclusão

Segundo vários autores, o tratamento combinado seria superior a qualquer uma das terapias isoladas… aumentaria a magnitude da resposta favorável do paciente, aumentaria a probabilidade e a amplitude da resposta com base nas sinergias das duas modalidades.

Assim, o tratamento combinado poderia ser mais aceitável, tanto por promover a adesão (TCC) quanto por acelerar a resposta (psicofarmacologia).