Perda do emprego e desejo sexual: como se relacionam?

A incerteza associada à busca de emprego e a ansiedade muitas vezes afetam a vida sexual. A libido é reduzida e o relacionamento com um parceiro também pode ser afetado.
Perda do emprego e desejo sexual: como se relacionam?

Última atualização: 30 Dezembro, 2021

A perda do trabalho e o desejo sexual têm uma relação direta. Em qualquer situação de ansiedade e incerteza, a libido tende a sofrer alterações que afetam as relações íntimas. O sexo deixa de ser satisfatório, surgem disfunções e, o que é mais problemático para o casal, diminui o desejo, a paixão e o desejo de proximidade física.

Muitas pessoas se surpreendem ao ver como a vida profissional pode afetar a sexualidade. Fatores como o trabalho estressante, a incerteza sobre se vamos ser demitidos e a falta de trabalho levam o ser humano a uma série de alterações psicofisiológicas muito marcantes e cansativas.

Por exemplo, sabemos que em situações de grande ansiedade ocorre uma diminuição dos níveis de andrógenos e estrógenos. No momento em que a sexualidade deixa de ser satisfatória, esse problema se combina com todos os outros. Falta de autoconfiança, baixa autoestima, atritos na relação com o parceiro, família, amigos…

Mesmo que a perda do emprego signifique ficar mais tempo em casa, isso não significa que o relacionamento do casal será melhor. O sexo, nesses casos, pode ser afetado.

Casal sofrendo o efeito da perda do emprego e desejo sexual

Perda de libido

Quando falamos em alterações sexuais, deve-se notar que existe uma grande variabilidade. Assim, e no que diz respeito à perda de emprego, pode haver uma porcentagem muito pequena de pessoas que apresentem comportamentos sexuais compulsivos. Ou seja, sempre há exceções, mas em geral a incerteza no trabalho reduz a libido, tanto em homens quanto em mulheres.

Trabalhos de pesquisa, como os realizados na Universidade de Lugano (Suíça), destacam algo interessante. Não apenas a perda do emprego e o desejo sexual estão ligados. O medo de perder o emprego também está relacionado à falta de desejo.

Assim, embora a ideia de que fazer sexo alivia o estresse muitas vezes prevaleça, em face de acontecimentos da vida de grande intensidade emocional, essa fórmula não funciona. Diante de situações que o cérebro processa como ameaçadoras e incapacitantes, a neuroquímica muda. Uma resposta adaptativa é orquestrada para nos permitir enfrentar essa situação, esse perigo. E o sexo não é mais importante.

O sexo é um instinto e uma necessidade poderosa. No entanto, depende de mecanismos frágeis. Se você fica estressado e seus níveis de cortisol aumentam os problemas começarão a surgir.

Características associadas

A perda do trabalho e o desejo sexual se manifestam de várias maneiras. O mais óbvio é a ausência da necessidade de relação sexual. As desculpas são usadas no início, mas aos poucos as semanas sem sexo se transformam em meses.

Diante da ansiedade crescente de não encontrar trabalho, acrescentam-se os problemas com o parceiro, a percepção negativa de si mesmo…

Estas seriam, em média, as características associadas a esta situação:

Sintomas associados à sexualidade

  • A excitação sexual deixa de aparecer e, se isso acontecer, é breve. A mente não pode se concentrar nesse momento de intimidade.
  • A pessoa não é totalmente honesto com seu parceiro; pretextos são usados.
  • Nas mulheres, a anorgasmia ou dor genital ou pélvica surge na penetração.
  • Problemas de ereção ou ejaculação precoce aparecem nos homens.

Sintomas psicofisiológicos

  • Problemas de concentração.
  • Angústia e preocupação constantes.
  • Mudanças de humor frequentes.
  • Baixa autoestima.
  • Sensação de não ter controle sobre a própria vida e seu curso.
  • Tensão muscular excessiva e exaustão. O bruxismo pode aparecer.
  • Existem mudanças na dieta: ou você perde o apetite ou come em excesso.
  • Alterações no descanso noturno.
  • Problemas digestivos: azia, digestão pesada, etc.
casal trabalhando no problema da falta de trabalho e desejo sexual

O que pode ser feito nessas situações?

Trabalhos de pesquisa, como os realizados na Universidade de Friburgo (Suíça), destacam uma ideia interessante. O estresse diário e qualquer experiência crítica da vida afetam os relacionamentos emocionais e a sexualidade. Nessas circunstâncias, existem apenas duas estratégias: enfrentar os problemas de relacionamento e adquirir boas habilidades de gerenciamento do estresse.

Como lidar com o desemprego

Perder o emprego pode ser devastador, especialmente quando você cruza a barreira dos 18 meses sem encontrar um emprego. Portanto, é melhor levar em consideração os seguintes aspectos:

  • Estruture o tempo e siga as mesmas rotinas.
  • Combine sua busca por emprego com outras atividades gratificantes, como esportes.
  • Mude a percepção e tente assumir esse tempo como algo transitório.
  • Evite o isolamento, tente encontrar amigos para compartilhar pensamentos e necessidades e participe de cursos para assumir outras perspectivas, aprender, etc.

Perda do emprego e desejo sexual: A necessidade de melhorar a comunicação com o parceiro

O parceiro deve ser nosso aliado e essa figura é com quem compartilhamos pensamentos, medos e angústias. A compreensão, nesses contextos, onde surge a falta de desejo de disfunções sexuais é fundamental. Isso implica que, em momentos de dificuldade, devemos ser capazes de fortalecer o vínculo de confiança.

Também não podemos descartar a busca de ajuda especializada. Atualmente, a incerteza no emprego é uma das causas mais comuns de problemas de saúde mental nas pessoas. É importante levar isto em consideração.

Pode interessar a você...
O desemprego eterno: implicações psicológicas
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O desemprego eterno: implicações psicológicas

Você conhece as implicações psicológicas que o desemprego eterno pode ter a longo prazo? Neste artigo, vamos falar sobre elas em profundidade.



  • Bodenmann G, Ledermann T, Blattner D, Galluzzo C. Associations among everyday stress, critical life events, and sexual problems. J Nerv Ment Dis. 2006 Jul;194(7):494-501. doi: 10.1097/01.nmd.0000228504.15569.b6. PMID: 16840845.
  • Domenighetti G, Tomada A, Marazzi A, Abazi O, Quaglia J. Impact of job insecurity on sexual desire: an exploratory analysis. Swiss Med Wkly. 2009 Aug 22;139(33-34):486-92. PMID: 19705309.