A perfeição no relacionamento

Muitas pessoas buscam a perfeição em um relacionamento. É uma posição idealista, que implica um grau significativo de intolerância e falta de recursos emocionais para lidar com a diferença, a contradição e o conflito.
A perfeição no relacionamento

Última atualização: 22 Junho, 2021

Um ideal compartilhado por muitas pessoas é alcançar a perfeição no relacionamento. No entanto, também é verdade que esta é a fonte de muitas frustrações no plano emocional. É óbvio: um ideal é isso, apenas um ideal. Ou seja, algo que só se consegue no mundo das ideias e não na vida real.

Falar sobre perfeição em um relacionamento ou em qualquer outra área da vida implica ignorar a natureza humana dos relacionamentos e dos próprios humanos.  O ser humano é contradição, dificuldade, conflito. Não poderia ser de outra forma, pois não estamos programados para agir como máquinas. Na verdade, nem as máquinas são perfeitas.

Infelizmente, o amor romântico passa por uma fase cultural em que é idealizado ou despojado de todo sentido.  Em um extremo estão aqueles que anseiam pela perfeição em um relacionamento. No outro, quem pensa que o amor é uma invenção ridícula e se comporta de acordo com essa perspectiva cínica.

“A perfeição é entediante e triste. Cansa muito rápido”.
-Joaquín Blanco-

Casal unido no campo

O ideal da perfeição no relacionamento

O desejo de perfeição nasce de uma angústia que não é aceita. É a angústia que nasce quando se quer ter as coisas sob controle. Ou também aquela que surge quando não podemos reduzir os outros aos nossos próprios termos ou quando pensamos que “o outro” é uma dificuldade, um empecilho inútil.

Em última análise, esse perfeccionismo nasce da intolerância em relação à incerteza e à contradição. A questão é que os seres humanos são exatamente isso: infinitamente erráticos e contraditórios. Nunca nos ajustamos totalmente ou agimos de uma forma absolutamente coerente.

O ideal de perfeição no relacionamento deu forma a uma fantasia reveladora: a criação do(a) parceiro(a) ideal.  Parece bobagem, mas, de fato, esse desejo tem um lugar em nossa cultura. E já existem esforços para torná-lo realidade. Em um futuro não muito distante, qualquer pessoa poderá “encomendar” o par dos seus sonhos em um escritório de informática.

Eternas crianças?

Geralmente, são pessoas profundamente egocêntricas que buscam a perfeição no amor e, portanto, muito frágeis quando se trata de administrar conflitos. No final das contas, são como crianças grandes que desejam que a realidade se curve aos seus desejos.  É por isso que chamam de “perfeito” aquilo que corresponde às suas expectativas e de “imperfeito” aquilo que não corresponde.

A criança, devido à sua pouca maturidade, não consegue entender totalmente que existe um mundo inteiro além dela mesma. Que existe a alteridade, ou seja, “o outro”, “o diferente” e que este é tão respeitável quanto o próprio. Jean Piaget, em seus estudos sobre o desenvolvimento moral, argumentou que o amadurecimento intelectual e emocional se completava exatamente quando isso era compreendido.

Essa descoberta de que não somos perfeitos e de que nem os outros devem ser implica a renúncia ao ideal de plenitude ou felicidade eterna, comum no final dos contos de fadas. Nunca se vive feliz para sempre, e isso é saudável, na verdade. É por meio das dificuldades e das contradições que evoluímos e crescemos.

A perfeição no relacionamento existe?

A perfeição e a frustração

A perfeição no relacionamento significaria encontrar alguém que tivesse todos os atributos necessários para que não fossem geradas contradições ou frustrações e, basicamente, não fizesse nada além de nos trazer felicidade. A esse respeito, há uma história que descreve bem essa situação.

Conta-se que, uma vez, um homem fez uma longa jornada em busca do par perfeito e depois de alguns anos voltou sozinho. Seus amigos perguntaram o que havia acontecido.  O homem respondeu que, em um país distante, ele havia encontrado uma mulher quase perfeita: ela era linda e espiritual, mas não se movia muito bem no mundo terreno, então ele a descartou.

Em outro lugar ele encontrou uma mulher espiritual que também era muito hábil nas coisas mundanas, mas ela não era bonita, então ele a descartou. Finalmente, ele encontrou uma mulher que parecia ter todos os atributos juntos, a mulher perfeita. “E por que você não se casou?”, perguntaram a ele.” “Ela também estava obcecada em encontrar o homem perfeito”, ele disse.

Empenhar-se no mundo dos ideais só nos conduz à frustração. O amor em um relacionamento, como qualquer outra forma de amor, torna-se uma realidade maravilhosa exatamente quando amamos e somos amados apesar das imperfeições. É nisso que reside a magia.

Pode interessar a você...
As quatro grandes crises em um relacionamento estável
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
As quatro grandes crises em um relacionamento estável

As grandes crises em um relacionamento estável têm a ver com o fim de vários estágios e o início de novos. Elas são oportunidades de crescimento.



  • Carter, S., & Sokol, J. (2000). Del amor al compromiso. Urano.