Perguntas e respostas sobre a autoestima – A mente é maravilhosa

Perguntas e respostas sobre a autoestima

16, abril 2015 em Emoções 9 Compartilhados
autoestima

O que é a autoestima?

Certamente você já ouviu alguma vez a palavra autoestima. Podemos, então, dizer que a autoestima é a avaliação que nós fazemos sobre nós mesmos e sobre nossos sentimentos, experiências e pensamentos.  A autoestima não é estática e não é algo que podemos dizer que nascemos com, ou sem ela.

A autoestima pode variar com o tempo?

De fato, a autoestima varia ao longo da nossa vida, em função da nossa situação pessoal, sentimental, etc. Podemos dizer que quando existe uma concordância entre o que pensamos, o que sentimos e o que fazemos, além de estarmos satisfeitos com isso, nosso nível de autoestima fica mais elevado.

Que importância a autoestima tem?

É muito importante ter um bom nível de autoestima. A baixa autoestima é um fator que, em muitos casos, provoca outros problemas, como a insegurança, ansiedade, depressão, problemas da alimentação, alcoolismo, obsessões, etc.

É ruim ter muita autoestima?

Ter um bom nível de autoestima não é ser egoísta. Há pessoas que confundem a autoestima com o egoísmo, mas essas são duas coisas bem diferentes. O egoísmo é pensar primeiramente em nós e depois em nós também, muitas vezes sem levar em conta o que os outros pensam, sentem ou esperam de nós. Um bom nível de autoestima, ao contrário do egoísmo, é pensar em nós mesmos como um ser a mais na humanidade, com virtudes e defeitos, não pensar que somos melhores nem piores que ninguém,  apenas únicos e diferentes.

As pessoas com autoestima assumem riscos, cometem erros e aprendem com eles; Claramente levam em conta a opinião de outras pessoas, mas sempre defendem seus direitos, ideias e opiniões sem ofender os demais. Confiam em si mesmas e, caso algo não lhes agrade ou não esteja certo, tentam corrigi-lo.

Como sei se tenho baixa autoestima?

Um baixo nível de autoestima é detectado quando passamos a ver os demais como pessoas melhores que nós mesmos; vemos apenas defeitos em nós (com sorte, vemos também alguma virtude, mas tiramos o mérito de nós mesmos); deixamos de dar nossa opinião por medo da rejeição; buscamos aprovação dos demais; evitamos responsabilidades; nos sentimos inseguros; não acreditamos sermos capazes de fazer as coisas corretamente; temos muito medo do fracasso, etc. Definitivamente, nossa imagem está distorcida.

Como posso avaliar meu nível de autoestima?

Você pode fazer uma lista com suas qualidades e seus defeitos, por exemplo. É importante que você se esforce até que consiga equilibrar as duas listas. Ninguém é perfeito. Todos nós temos qualidades positivas e outras para melhorar. Se ao fazer sua lista você só enxergar defeitos, pense no que pode estar falhando na maneira como você vê a si mesmo.

É importante que tenhamos em conta que nos desenvolvemos em diferentes contextos em nossas vidas (com amigos, no trabalho, na família, com conhecidos, com desconhecidos, etc) e é possível que não tenhamos o mesmo comportamento em cada contexto. Analise a si mesmo cuidadosamente e procure essas qualidades. Lembre-se de que uma qualidade pode ser positiva para você, enquanto para os outros pode ser neutra ou até mesmo negativa. O importante é como você vê a si mesmo. Você também pode realizar testes de autoestima profissionais, como este de Rosenberg.

E a pergunta que vale um milhão é:  Como posso melhorar a minha autoestima?

1 – Não se compare a ninguém, pois todas as pessoas são diferentes. Não leve tão a sério aqueles comentários negativos vindos de pessoas que não te conhecem e mal sabem o que acontece com você, ou quem você é.

2 – Não confunda autoestima com arrogância ou egoísmo. Ter uma boa autoestima te situa num ponto em que aceita e compreende que cada pessoas é única no mundo. Outra coisa muito diferente é pensar que você é inferior ou superior aos demais; Isso não é autoestima, muito menos é saudável.

3 – Identifique seus medos, seus erros e os enfrente. É comum: todos nós já cometemos erros. O importante é encontrar um modo de solucionar os erros e aprender com eles.

4 – Aprenda a dizer NÃO, a expressar suas opiniões e seus desejos sem medo, partindo sempre de uma linguagem clara e sem ofender a pessoa com quem está falando.

Assim como diz um provérbio hindú: “Há tanto de bom no pior e tanto de mau no melhor que é absurdo condenar ninguém”

E você, acha que tem um bom nível de autoestima?

Créditos da imagem: Salah Ghrissi

Recomendados para você