Persistência, a chave dos verdadeiros gênios

outubro 17, 2019
Muitas vezes pensamos que os gênios já nascem prontos. No entanto, fatores como a persistência mostram que todos nós podemos alcançar a genialidade, basta querer.

Podemos chegar ao mundo com um talento inato. No entanto, é a persistência que o molda e fortalece, é o trabalho diário e o ambiente favorável que tornam uma criança excepcional, o gênio que poderá ser na idade adulta.

Além disso, dimensões como tenacidade, ambição e motivação podem nos destacar se insistirmos nisso.

Muitos de nós acreditam que os gênios já nascem prontos. Ou seja, nascemos com um presente excepcional ou estamos “determinados” a entrar nessa média em que talvez a sorte nos permita brilhar em alguma área.

No entanto, especialistas em inteligência, talento e criatividade, como Malcolm Gladwell, nos trazem ideias muito importantes para refletir.

Para começar, alguém pode ter um QI muito alto, mas se essa detecção não for feita ou se o contexto social e pessoal não for adequado, esse potencial será suprimido.

Por outro lado, nenhum gênio alcançará algo relevante se não fizer uso da persistência. Sem paixão, determinação e resistência à frustração, não alcançará as metas estabelecidas.

Figuras como Steve Jobs, Stephen Hawking e o próprio Leonardo Da Vinci são exemplos conhecidos de um esforço persistente para aprofundar o conhecimento. Ainda mais, se havia algo que os definia, era a vontade de se superar todos os dias.

A persistência é, portanto, a faísca que ilumina o verdadeiro gênio.

O sucesso é uma combinação de talento e preparação”.
–Malcolm Gladwell –

Mulher rodeada de luz

A persistência: um fator chave para o gênio criativo

É a prática que nos torna bons em alguma disciplina. Entender isso nos projeta de uma maneira diferente para o futuro. Muitas vezes nos convencemos, por exemplo, de que Wolfgang Amadeus Mozart foi um gênio musical desde o seu nascimento.

Sabemos que aos 4 anos ele já tocava violino e cravo, que aos 5 compunha pequenas peças e que aos 6 a sociedade europeia o definia como um milagre cheio de talento.

No entanto, apesar desses dons naturais para a música serem óbvios, esquecemos que o pequeno Mozart ensaiava de cinco a seis horas por dia.

Muitas vezes, esquecemos que o seu pai, Leopold Mozart, abandonou grande parte de suas responsabilidades para cuidar exclusivamente da educação musical de seu filho.

Jonathan Plucker, psicólogo educacional da Universidade Johns Hopkins, aponta em vários estudos e artigos que as sinfonias não apareciam da noite para o dia na mente de Mozart.

Os seus diários revelam que o seu trabalho levava meses, longas horas de trabalho refinando as partituras até atingir a genialidade que todos nós admiramos.

A persistência cria o talento

Carol S. Dweck, professora de psicologia de Stanford, ressalta que muitos de nossos gênios mais ilustres, tanto da atualidade quanto da nossa história passada, eram pessoas comuns na infância e até na juventude.

Ou seja, eles não eram necessariamente perfis com talentos extraordinários ou com um QI elevado.

Foi a persistência que marcou a maestria de Monet ou Cézanne. Foi a motivação que levou Darwin e Freud a exporem as suas teorias e abordagens.

A habilidade vem com a prática e o trabalho diário incansável, o que muitas vezes passa despercebido pelos outros, mas que, no entanto, molda o talento, a habilidade e a capacidade de se destacar em alguma área.

A verdadeira genialidade

Talento e caráter

Os textos de Confúcio já apontavam, na sua época, que as pessoas podem alcançar a perfeição através da prática e do esforço. Agora, alcançá-lo também depende do nosso caráter, da nossa personalidade.

Em livros como The Hypomanic Edge, o psiquiatra John Gartner destaca que, em geral, aqueles gênios que se destacam em um talento excepcional através da persistência têm características muito específicas:

  • Eles assumem desafios.
  • São perseverantes e não têm medo do fracasso. Eles aprendem com os seus erros.
  • Apresentam audácia psicológica.
  • Usam a motivação intrínseca. São capazes de alimentar a sua persistência, embora o ambiente às vezes não seja tão favorável.
A persistência, a chave da genialidade

Para concluir, há um aspecto que também queremos considerar. Para alcançar o sucesso ou se destacar em alguma disciplina, o talento natural ajuda. A persistência determina e é a chave do sucesso. ]

No entanto, considerando todos os fatores de personalidade, também devemos ter ousadia e coragem para superar as dificuldades.

A ousadia depende da autoestima e nos ajuda a avançar em uma sociedade que é muitas vezes imprevisível, contraditória e acostumada a não apreciar o talento verdadeiro.

Algo assim não é fácil, não é alcançado da noite para o dia. Por isso, precisamos treinar esse músculo excepcional que é a coragem, em um compromisso honesto com nós mesmos.

  • Malcolm Gladwell (2018). Fuera de serie. Por qué unas personas tienen éxito y otras no. Debolsillo