Personalidade e espiritualidade: como se relacionam

fevereiro 28, 2020
Ao longo da história, a espiritualidade e a religião tiveram um papel fundamental em nossas vidas. A psicologia tem tentado determinar a sua relação com a personalidade e como elas são mutuamente influenciadas. Falaremos sobre as descobertas mais importantes sobre o tema neste artigo.

A psicologia da personalidade é uma das maiores áreas de estudo da psicologia. Por isso, sempre tentou observar como a nossa personalidade se forma, como ela afeta o nosso comportamento e como condiciona a nossa forma de ver o mundo. Assim, a relação entre personalidade e espiritualidade tem sido cada vez mais estudada.

Embora o estudo da espiritualidade e da religiosidade não seja algo novo, surgiu um novo ramo nos últimos 20 anos: a Psicologia da Religiosidade e da Espiritualidade.

Entre seus objetivos estaria o de esclarecer a relação existente entre os traços de personalidade e as crenças espirituais, como estas evoluem ao longo do ciclo da vida e a importância adaptativa que têm para determinadas personalidades.

No entanto, o principal inconveniente que existe é chegar a um consenso sobre o que é a espiritualidade e o que é a religiosidade.

Uma das definições mais utilizadas diz que a espiritualidade é uma motivação inata que orienta e guia o comportamento para a construção de um significado pessoal mais amplo. Ou seja, a crença de que existe uma ordem no universo que transcende o nosso pensamento. Neste sentido, alguns autores propõem que esta poderia, inclusive, formar um fator de personalidade por si só.

Por outro lado, a religiosidade é o conjunto de crenças, valores e práticas explicitamente pautadas por uma tradição social ou institucional, que depende da educação e da cultura. Assim, a religiosidade é influenciada por, e modula, a espiritualidade da pessoa.

Liberdade

Personalidade

Mesmo que existam diversos modelos que classificam a personalidade de forma diferente, geralmente os estudos se baseiam no Modelo dos 5 fatores de personalidade. Segundo esse modelo, a personalidade pode ser definida em função do grau que apresenta em cada uma das seguintes dimensões:

  • Neuroticismo: relacionado com a instabilidade emocional e a tendência a experimentar emoções negativas;
  • Extroversão: tendência a ser comunicativo e se relacionar com os outros;
  • Abertura mental: tendência a mostrar curiosidade intelectual, imaginação e sensibilidade estética;
  • Amabilidade: relacionado com o estabelecimento de vínculos sociais, atitude altruísta e interesse pelos outros;
  • Responsabilidade: tendência a ter propósitos e metas claras, capacidade de controlar impulsos e realizar tarefas de forma organizada.

Personalidade e espiritualidade

Conforme mencionamos anteriormente, a espiritualidade consiste em uma motivação inata e uma crença de que existe uma ordem universal que determina o nosso comportamento.

Algumas pesquisas têm relacionado a espiritualidade com os 5 fatores da personalidade, como a extroversão, abertura e amabilidade.

No entanto, existem autores que defendem que a espiritualidade, por si só, inclui matizes que não deveriam incluir os outros (simplicidade, desapego ou solidão). Por isso, consideram que a espiritualidade deveria ser um sexto fator da personalidade.

Dependendo do grau de espiritualidade que apresenta, a pessoa mostraria certas tendências comportamentais e formas de perceber o mundo que a cerca.

Religiosidade e personalidade

A religiosidade contextualiza o grau de espiritualidade de uma pessoa. Já que a espiritualidade é considerada mais um fator de personalidade, a maioria dos estudos tem associado diferentes traços de personalidade com a religiosidade.

Neste sentido, mesmo que aproximadamente 60% não encontrem nenhuma relação, há indícios de que uma maior espiritualidade religiosa esteja relacionada com uma maior presença de neuroticismo.

Por outro lado, 40% dos estudos indicam que as pessoas mais religiosas mostram mais traços de responsabilidade. Ou seja, uma presença maior de objetivos e capacidades de alcançá-los de forma planejada e organizada.

Além disso, 87% das pesquisas têm observado que as pessoas com maior grau de religiosidade são mais amáveis.  Com relação à abertura ou à capacidade de ter mais imaginação ou curiosidade, 42% dos estudos encontraram uma relação positiva.

No entanto, alguns autores acreditam que, se forem eliminados os efeitos da espiritualidade, ou seja, se todos apresentarem o mesmo grau, uma maior religiosidade estaria associada a uma menor abertura.

Homem preocupado

Relação entre personalidade, espiritualidade e religiosidade

Um estudo analisou a relação entre a espiritualidade, a religiosidade e a personalidade. Ele descobriu que todos os fatores de personalidade, com exceção da abertura, relacionam-se com o grau de espiritualidade. Esse resultado foi mais expressivo nos âmbitos da amabilidade e responsabilidade. No entanto, a religiosidade só foi associada com estes dois últimos fatores.

De forma mais específica, estes estudos observaram que quando a aproximação com a religião acontece devido a uma busca por respostas para questões existenciais, mas o sentimento de fé e o significado espiritual são baixos, a religião se relaciona com um alto neuroticismo e abertura. Por outro lado, a religiosidade foi associada com uma baixa extroversão, amabilidade e consciência.

Outra descoberta foi a de que, quando as pessoas se aproximam de uma religião de modo mais instrumental, seja porque isso lhes dá segurança ou se torna uma fonte de socialização, mas a busca intelectual e de fé é baixa, há uma relação com baixos níveis de neuroticismo, agradabilidade e abertura.

  • Simkin, H, & Azzollini, S. (2015). Personalidad, autoestima, espiritualidad y religiosidad desde el modelo y la teoría de los cinco factores. PSIENCIA. Revista Latinoamericana de Ciencia Psicológica, 7, 339-361.