A pessoa sensível é de poucas palavras, mas seu interior diz muito

A pessoa sensível é de poucas palavras, mas seu interior fala a cada momento

13, setembro 2017 em Psicologia 1392 Compartilhados
A pessoa sensível é de poucas palavras, mas seu interior fala a cada momento

A pessoa sensível fala uma linguagem própria, a das emoções. É uma linguagem perceptiva muito íntima, aquela em que o coração está sempre à flor da pele e, em um momento, pode se sentir vulnerável. No entanto, algo que essas pessoas entendem muito bem é que a vulnerabilidade pode ser um presente excepcional, uma veia psíquica cheia de pontos fortes. Além disso, é um terreno, claro, cheio de riscos, mas para minimizá-los existe uma arma poderosa: a inteligência emocional.

A pessoa sensível sempre esteve aí, camuflada e às vezes diluída entre a paisagem humana. Ao mesmo tempo, todos sabemos que não é fácil viver em um mundo que nos obriga a ser iguais, a reagir da mesma maneira, a ver a realidade através de um único prisma … como se tivéssemos todos as mesmas características e falássemos a mesma linguagem emocional.

O dia a dia de uma pessoa altamente sensível muitas vezes tem a forma das costas de um ouriço ou a textura da haste espinhosa de uma rosa. Tudo dói mais e, por sua vez, tudo também emociona mais. Algo assim é estranho aos olhos de um espectador imune e não familiarizado com essa sensibilidade, alguém que, sem respeito ou consciência, não hesita em dizer-lhe que “é que você leva tudo para o extremo, você tem que ser mais forte e aprender a lidar”.

No entanto, como fazer isso? Como o Dr. Ted Zeff explica em seu livro “Guia de sobrevivência para a pessoa altamente sensível”, elas têm um sistema nervoso hipersensível e áreas do cérebro que funcionam com maior intensidade, como a ínsula e as regiões relacionadas à empatia e à reatividade emocional.

Não é possível “ser mais forte” quando você tem um cérebro que sintoniza o mundo através de outra frequência. Ninguém pode se tornar algo que não é, ninguém pode diminuir o volume de suas próprias emoções quando elas transbordam, quando a alma fala e a realidade, de repente, é iluminada por nuances incríveis que só ela mesma pode ver…

Sensível à natureza

A pessoa sensível e o volume excessivamente alto do seu entorno

É possível que muitos de nós tenhamos um amigo ou o parente clássico que chamamos carinhosamente de “melindroso” – ” não me toque“. Nos chama a atenção o seu refinado sentido do olfato e, acima de tudo, seu tato. Existem certos tecidos que estas pessoas não podem usar porque se sentem incomodadas, porque eles coçam, produzem reações alérgicas.

Às vezes, um simples beliscão ou um som mais alto que o normal faz com que eles sintam dor. Eles também são aqueles que, no meio de uma reunião ou de uma festa, acabam afastados em um canto e querem ir para casa.

Seu limiar de percepção sensorial é diferente, de fato, como Judith Orloff, psiquiatra e autora de “Liberdade Emocional” nos explica, cada estímulo se multiplica neles por 50. Agora, nem tudo deve ser doloroso, esse delicado limiar perceptivo e emocional também tem a capacidade de sintonizar a beleza da vida de forma muito intensa, coisa que à grande maioria nos escapa.

Dizer, portanto, que uma grande sensibilidade é um presente não é um erro, porém a pessoa deve ser capaz de gerenciar e de filtrar adequadamente todos os estímulos que recebe. Quando eles o fazem, quando conseguem aplicar um escudo protetor que cuida de sua autoestima e integridade emocional, alcançam um nível excepcional de maturidade sensorial.

São eles aqueles que capturam a singularidade dos detalhes, os que alcançam a plenitude em silêncio nos momentos de preciosa solidão, onde qualquer atividade, especialmente artística, se torna vibrante, como uma explosão sinestésica de sensações, prazeres, de emoções sutis difíceis de explicar para aqueles que não pertencem a esses 20% da população nos quais as pessoas altamente sensíveis (PAS) estão incluídas.

Sensível à luz

O homem altamente sensível e seu mundo de silêncio

Alex combinou com sua irmã para tomar um café depois do trabalho. Ele lhe conta que passou o dia inteiro com um nó no estômago e que se sente profundamente exausto. Seu chefe lhe fez alguns comentários sobre seu trabalho como chefe de vendas, pequenas críticas que Alex não recebeu muito bem. Na verdade, elas o afetaram tanto que seus outros colegas ironizaram o assunto o dia todo. E, pior, ele sabe que no escritório já tem um apelido: o “dramático”.

Este exemplo simples dá lugar a uma realidade complexa experimentada por muitos homens PAS, porque na realidade a alta sensibilidade não é exclusiva do gênero feminino. A metade da população altamente sensível é do sexo masculino, e são eles os que são mais coagidos por uma sociedade que ainda não parece favorável ao “homem sensível”, aquela pessoa que vive suas emoções à flor da pele, a quem machucam mais as críticas, esse homem de lágrima fácil, que prefere os esportes solitários e que empatiza profundamente com seu entorno.

Pessoa sensível

Embora uma alta sensibilidade seja um assunto já conhecido pelo público em geral, são muitas as pessoas que continuam a viver naquela esquina silenciosa a partir de onde podem observar e calar, sem serem notadas, mantendo distâncias regulamentares que as protejam. Cada um sobrevive como pode em um mundo de espinhos, nós sabemos; no entanto, o respeito e o princípio fundamental que diz “ser e deixar ser” devem ser enfatizados em todas as nossas configurações, para que todos possamos alcançar uma verdadeira realização pessoal.

Recomendados para você