O Poder das Palavras

· abril 7, 2015

Sempre que estamos diante de crianças falamos com cuidado, pois não queremos que eles aprendam palavras incorretas ou porque não queremos que as pronunciem sem controle e possam nos fazer passar vergonha a qualquer momento. Claro! As crianças falam muitas coisas sem se preocupar sobre qual efeito poderá causar aos que pronunciam em um determinado contexto. 

Assim são as palavras para a nossa vida. Nossa vida toma a atitude das palavras que dizemos, e é por isso que pensar antes de falar tem muito sentido e nos evita muitas situações complicadas.

As palavras têm o poder de criar e destruir

Nossas palavras têm o poder de criar e o poder de destruir. O melhor exemplo disso é uma amizade ou uma relação, que começa com conversas e, por qualquer palavra que possamos dizer fora do lugar, pode acabar.

Voltando a nossas vidas, entendo que o ideal seria reeducar, alimentar e restaurar nosso vocabulário. Conforme vamos crescendo e amadurecendo, vamos perdendo a nossa inocência. Isso pode fazer com que nossa capacidade para crescer diminua. Assim, começamos a duvidar, a duvidar de nós mesmos, a ver o negativo e o feio, em vez do positivo e lindo, a desconfiar antes de conhecer.

Não tem comida? Tem comida? A pergunta é praticamente a mesma, mas, na primeira, já estamos condicionando que NÃO TEM.

Sou pobre.

Não posso.

Não tenho.

Não sei.

Nem vou tentar.

Se eu falo NÃO POSSO, realmente NÃO POSSO! Mas, se digo EU POSSO! também vale porque eu também disse. As palavras NÃO SÃO LEVADAS PELO VENTO, ficam enganchadas na nossa mente e no nosso coração e assim vão dirigindo a nossa vida, pelo caminho que condiz com o que falamos.

Se o nosso vocabulário é pobre e pessimista, assim será a nossa vida. Queremos abundância, queremos paz, queremos ser felizes, etc. Mas, com a nossa boca, declaramos todo o contrário.

Nosso futuro depende das nossas palavras. Então vamos começar a mudar nossa vida, cuidando das palavras que dizemos e da nossa forma de falar, assim como se estivéssemos rodeados de crianças e como se nossa vida fosse dirigida por esse caminho no qual queremos estar.