Por que gostamos de alimentos crocantes? A resposta é fascinante

A comida não nos cativa apenas pelo cheiro ou sabor. O som também importa, tanto que todos os produtos crocantes são como música para os nossos sentidos, algo que contém significados para o cérebro.
Por que gostamos de alimentos crocantes? A resposta é fascinante

Última atualização: 20 maio, 2022

Batatas fritas. Rolinho primavera. A cobertura de chocolate de um sorvete ou um bolo. Pão recém saído do forno… Quem não gosta de comida crocante? É muito raro encontrar alguém que se sinta desconfortável com o barulho da comida explodindo em sua boca. E a razão para isso está, mais uma vez, no fascinante mundo da neurociência.

Esse fenômeno é chamado de “música de mastigação” e é uma sensação auditiva muito importante para os seres humanos. A razão? Muito simples, pois nos oferece informações sobre o estado desse alimento. Tomemos, por exemplo, a experiência de morder uma maçã macia como algodão. Muito provavelmente, sentiremos repulsa e a jogaremos fora.

Quando um alimento é crocante, o cérebro o interpreta como apetitoso e saudável. A maçã que não faz barulho quando você a morde provavelmente está madura demais e até mesmo podre. Os dados são muito interessantes, mas ainda há mais explicações que nos surpreenderão ainda mais…

Embora o som não traga nenhum benefício nutricional, é um estímulo para estimular a própria alimentação

o pão é um dos alimentos crocantes mais comuns
Se queremos criar receitas memoráveis, não devemos cuidar apenas da aparência e do sabor. O som da comida em nossas bocas tem um efeito muito excitante.

Alimentos crocantes, uma tentação nem sempre saudável

Grandes chefs sabem que o som é importante no mundo da comida. É verdade que um produto “entra” em nós primeiro pela visão, depois pelo olfato e depois pelo paladar. No entanto, o som e especificamente tudo o que é crocante, nos cativa completamente.

No campo do marketing se sabe que a embalagem de alimentos é decisiva. Os amantes de chips gostam de abrir o saquinho desse tipo de snack. Além disso, quando compramos um pão, a primeira coisa que fazemos é apertá-lo com as mãos para sentir sua crocância. É assim que valorizamos que sua elaboração seja recente e que, portanto, seja boa para o consumo.

Charles Spence é um psicólogo experimental da Universidade de Oxford que passou anos pesquisando a neurociência da alimentação. Estudos, como o publicado em 2015, nos apontam para algo relevante sobre esse assunto. Qualquer produto crocante e agradável é processado pelo cérebro como saudável. É verdade que esse critério nem sempre é atendido, mas é um instinto ao qual dificilmente podemos resistir…

“Cozinhar é a arte mais multissensorial. E procuro estimular todos os sentidos.”

-Ferran Adria-

Para o estresse, alimentos crocantes

A Ball State University conduziu uma pesquisa reveladora. Quando as pessoas lidam com o estresse, mostramos necessidades alimentares muito específicas: procuramos produtos crocantes. Também doce e salgado. A origem é que são reconfortantes para o cérebro, aumentam a produção de serotonina e têm um efeito calmante.

Ou seja, não apenas nossos mecanismos neurológicos nos convencem de que tudo o que mastiga em nossa boca é – na aparência – mais saudável. Além disso, a experiência de ter uma batata frita ou um biscoito na boca é catártica, nos relaxa e nos dá uma sensação de bem-estar intensa o suficiente para reduzir o estresse.

Muitos produtos crocantes têm gordura (e o cérebro adora)

De alguma forma, o cérebro assume que tudo que é crocante é saudável, bom e vale a pena comer. É verdade que frutas e legumes (entendidos como produtos saudáveis) quando estão no ponto ideal, explodem na boca de forma crocante.

No entanto, existem alimentos não saudáveis e ricos em gordura que também nos dão aquela irresistível “música de mastigação”. Isso se explica por um fato, que é que o cérebro tem uma predileção especial por alimentos ricos em gordura, sal e açúcar. Ele gosta tanto que até nos recompensa com dopamina, endorfinas, serotonina…

rolos, alimentos crocantes
Quando um alimento não é crocante é percebido como menos agradável.

O sabor fica mais tempo na boca (e é mais agradável)

Há outro aspecto não menos interessante que também explica por que temos predileção por alimentos crocantes. Esse fator reside no fato de que qualquer produto que “faz esse barulhinho de crocância” exige mais mastigação e, portanto, passa mais tempo em nossa boca. O deleite, portanto, é mais intenso.

Por exemplo, não é o mesmo ter uma sopa do que uma pizza bem crocante com queijo. Este último requer mais tempo para consumir e o prazer se estende tanto quanto a própria mussarela.

Da mesma forma, as grandes marcas de batatas fritas utilizam os temperos mais variados em seus produtos para intensificar esse tempo de mastigação. Cada snack tem os sabores mais intensos (churrasco, páprica, queijo, presunto, etc.). A experiência de comer esse tipo de produto se torna mais multissensorial.

Não só adoramos abrir os pacotes e cheirar. Normalmente, nos deleitamos muito mais com seu sabor à medida que sentimos a explosão de cada crunch em nossas bocas. Toda essa sinfonia de sensações é altamente viciante; tanto que raramente abrimos um pacote sem terminá-lo.

Pode interessar a você...
Comida e emoções, uma interação maravilhosa
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Comida e emoções, uma interação maravilhosa

A comida que comemos afeta nosso estado emocional. Mas, o que o que comemos diz sobre nossas emoções? Descubra nesse artigo!



  • Spence, C. Eating with our ears: assessing the importance of the sounds of consumption on our perception and enjoyment of multisensory flavour experiences. Flavour 4, 3 (2015). https://doi.org/10.1186/2044-7248-4-3
  • van Bloemendaal L, Veltman DJ, ten Kulve JS, Drent ML, Barkhof F, Diamant M, IJzerman RG. Emotional eating is associated with increased brain responses to food-cues and reduced sensitivity to GLP-1 receptor activation. Obesity (Silver Spring). 2015 Oct;23(10):2075-82. doi: 10.1002/oby.21200. Epub 2015 Aug 31. PMID: 26331843.
  • Ventriglio, A., Sancassiani, F., Contu, M. P., Latorre, M., Di Slavatore, M., Fornaro, M., & Bhugra, D. (2020). Mediterranean Diet and its Benefits on Health and Mental Health: A Literature Review. Clinical practice and epidemiology in mental health : CP & EMH16(Suppl-1), 156–164. https://doi.org/10.2174/1745017902016010156