O princípio da coerência: harmonia entre o que dizemos e fazemos

fevereiro 28, 2020
Ser consistente, mantendo um alinhamento entre o que pensamos e fazemos, é uma maneira de garantir o nosso bem-estar psicológico. É algo tão importante quanto cuidar de nossos valores e fazê-los guiar cada comportamento e cada palavra.

O princípio da coerência diz que as pessoas se esforçam, quase sempre, para ser coerentes. Uma de nossas principais necessidades é cuidar da harmonia entre o que dizemos e o que fazemos, entre o que a experiência nos ensinou e o que o momento imediato exige. No entanto, é verdade que nem sempre conseguimos fazer isso, e esse conflito gera desconforto.

Carl Rogers, famoso psicólogo humanista, foi um dos primeiros a se aprofundar no princípio da coerência. Em 1950, ele o definiu como uma aliança entre a experiência e a consciência.

Basicamente, seria o resultado de todas as experiências que vivemos e de todo o aprendizado que tivemos, para agirmos de maneira consistente com os nossos próprios valores, sentimentos e desejos.

Rogers se preocupou em mergulhar nesse conceito por uma boa razão. Algo que muitos terapeutas veem em seus consultórios é a incoerência. Em outras palavras, a clara distância entre o que a pessoa precisa e o que faz por si mesma.

Muitas pessoas procuram ajuda porque sentem que se afastaram completamente do seu “eu ideal”. A realidade delas perdeu significado porque elas veem uma clara diferença entre o que querem e o que fazem, assim como entre o que sentem e o que recebem.

Quando quebramos o princípio da coerência, sentimos desconforto e sofrimento. Essa é, infelizmente, uma realidade comum, mas que vale a pena analisar.

“A boa vida é um processo, não um estado. É uma direção, não um destino”.
-Carl Rogers-

Mulher pensativa

O princípio da coerência às vezes pode ser motivo de problemas

O escritor e psicólogo Robert B. Cialdini, da Universidade do Arizona, estudou o princípio da coerência extensivamente. Um de seus livros mais conhecidos é, sem dúvida, Pré-persuasão: um método revolucionário para influenciar e persuadir. Nessa obra, ele aprofunda essa teoria para fornecer aos leitores uma abordagem nova e interessante.

A nuance que o Dr. Cialdini introduz é a seguinte: às vezes, em nossa tentativa de ser coerentes, nos encontramos em situações contraditórias que se tornam problemáticas. Um exemplo pode ser o fato de nos definirmos como ambientalistas e pessoas fortemente comprometidas com o cuidado com o meio ambiente e, no entanto, continuarmos a usar energias poluentes.

De fato, há situações em que experimentamos uma espécie de sanção social por defender certas coisas e não ser completamente consistentes com elas. Tudo isso fica ainda mais complicado quando queremos inspirar os outros, quando o nosso desejo é alcançar outras pessoas através de nossos valores e comportamentos.

O que podemos fazer nessas circunstâncias? Somos mais incoerentes do que pensamos?

O princípio da coerência e as pequenas dissonâncias

Há circunstâncias em que não podemos cumprir 100% com o princípio da coerência. Podemos não gostar de discussões e discrepâncias e ter que lidar com elas com frequência. Podemos defender ideias políticas e ter um parceiro que defenda o contrário. É possível amar crianças, mas decidir não tê-las.

Apesar dessas aparentes inconsistências, há alguns fatos que devemos considerar:

  • Na realidade, uma pessoa pode continuar sendo consistente, apesar das aparentes inconsistências diárias. Afinal, como o próprio Carl Rogers apontou, o princípio da coerência parte da própria consciência de cada um.
  • Ou seja, se não experimentamos dissonância e se nossa percepção continua a ver harmonia entre o que sentimos e fazemos, não há problema. Afinal, nosso ambiente é incrivelmente complexo e isso significa que somos forçados a lidar com cada estímulo, pessoa, circunstância e imprevistos tão bem quanto pudermos.
  • O essencial é que ainda exista um equilíbrio interno a todo momento. Sempre haverá situações que ameaçam completamente os nossos princípios. Existem aquelas em que reagimos com convicção para defender nossa coerência. Outras vezes, somos obrigados a fazer pequenas concessões porque os benefícios nos interessam e queremos manter a homeostase interna apesar de tudo. Por exemplo, ter um parceiro com ideias diferentes, mas com quem nos sentimos felizes.
Tomar decisões acertadas

Apesar da pressão, seja coerente; é uma questão de coragem

Estamos cientes de que, às vezes, nossos pensamentos e comportamentos não estarão alinhados. Essa dissonância pode ocorrer ocasionalmente sem grandes consequências.

No entanto, os efeitos mais prejudiciais ocorrem quando há uma dissonância contínua. Carl Rogers a relaciona com a teoria do eu, uma de suas contribuições mais importantes.

  • Quando violamos consistentemente o princípio da coerência, estabelecemos uma clara distância entre o eu ideal e o eu percebido. Ou seja, entre o que fazemos e percebemos sobre nós mesmos e o que gostaríamos de ser, há um abismo, e esse abismo nos causa sofrimento.
  • Essa falta de harmonia acaba gerando várias estratégias mentais com as quais nos esforçamos (inutilmente) para encontrar um equilíbrio. Por exemplo, construímos dissonâncias cognitivas, que são conflitos internos que surgem quando temos ideias opostas. Isso, mais cedo ou mais tarde, nos leva a justificar algo que contraria nossos valores em uma tentativa vã de reduzir nosso sofrimento psicológico.
  • Também recorremos a mecanismos de defesa complexos para apaziguar essas contradições. Essas são estratégias completamente inúteis, porque se traduzem em um nível mais alto de frustração e ansiedade.

Para concluir, se desejamos garantir o nosso bem-estar psicológico, é essencial cuidar do nosso princípio de coerência. Fazer isso é um ato de coragem diária.

O exercício saudável de ser e agir de acordo com os nossos valores em todos os momentos às vezes pode ser complicado, mas esse esforço garantirá que a autoestima esteja sempre na sua melhor forma.