Conselhos para proteger nossos filhos da desesperança

Educar nossos filhos na esperança, na capacidade de sonhar e de ter significados na vida em tempos de adversidade favorecerá significativamente a sua saúde mental.
Conselhos para proteger nossos filhos da desesperança

Última atualização: 07 Outubro, 2021

Proteger nossos filhos da desesperança envolve ensinar-lhes estratégias para cuidar da sua saúde mental. Significa educá-los desde cedo na força psicológica, na capacidade de enfrentar as frustrações, adversidades e decepções da vida. Algo tão básico – e negligenciado – pode causar uma grande mudança nas novas gerações.

Como pais e educadores, nos concentramos em dar aos nossos filhos o melhor. Nós os iniciamos, por exemplo, o mais rápido possível na aprendizagem de idiomas. Oferecemos a eles as melhores escolas, computadores e celulares. Nós os ensinamos a atravessar semáforos verdes, instigamos neles a paixão pela leitura e a identificar a Estrela do Norte nas noites de verão.

No entanto, esquecemos outros aspectos prioritários no quadro educacional. Muitas vezes, não negligenciamos apenas a compreensão e o gerenciamento emocional. Também esquecemos a importância de encorajar neles a capacidade de ficarem entusiasmados e de seguir em frente quando chegarem dias de desânimo e ansiedade.

A proteção contra a desesperança em crianças e adolescentes passa pela educação, e também por ser o melhor exemplo para eles. Dar a eles ferramentas para lidar com o desconforto diário afetará diretamente a sua saúde mental.

Pai conversando com sua filha pré-adolescente

Como proteger nossos filhos da desesperança?

Normalizamos a convivência com uma tristeza funcional. Aquela que não pesa o suficiente para nos impedir de levantar da cama todos os dias para sair de casa, socializar e cumprir o que está marcado em nossa agenda. A desesperança é uma companheira comum em nossos adolescentes, permitindo um grau de funcionalidade suficiente para que não seja percebida por quem olha de fora.

Entendemos essa dimensão como um estilo atribucional em que qualquer evento é inferido negativamente. Não há fé de que o que está errado hoje irá melhorar amanhã. É interpretar que certas coisas são inevitáveis, que não se pode fazer nada para melhorar a situação. A desesperança também é perder todo o significado da vida e não ter propósito.

Não é difícil deduzir que esse foco mental é um fator direto de vulnerabilidade psicológica, o mesmo que constrói transtornos depressivos e ideação suicida.

Por outro lado, há outro fato importante. Somente na década de 1990 essa variável passou a ser estudada em crianças e adolescentes. Antes disso, a falta de esperança era considerada algo adulto, de acordo com um estudo.

Agora temos a balança desenhada por Beck e Kazdin para avaliá-la e descobrir que, atualmente, a desesperança aumentou nas crianças e nos jovens.

O que podemos fazer a respeito? A chave é simples e ambiciosa ao mesmo tempo: proteger nossos filhos. Vamos ver como fazer isso.

Ser pais emocionalmente disponíveis

A maternidade e a paternidade não são apenas estar fisicamente presentes na vida dos filhos. Significa saber como estar disponíveis em todos os sentidos, principalmente emocionalmente. Ser aquela presença sempre próxima ao lidar com decepções, frustrações, medos e ansiedades é essencial.

Ensiná-los a lidar com o que sentem, a normalizar as emoções de valência negativa sem bloqueá-las é algo essencial que favorece o bem-estar das crianças.

Empurre-os para que tenham metas e propósitos

Sempre que falamos sobre objetivos e propósitos, relacionamos isso com a vida dos adultos. No entanto, nada é tão decisivo no cotidiano de crianças e adolescentes como ter sonhos. A infância deve ser alimentada pelos sonhos do cotidiano, pela capacidade de se maravilhar, de descobrir coisas novas com as quais desenhar novos objetivos no horizonte.

A adolescência também não faz sentido se não estiver atrelada a desejos, metas e propósitos de curto e longo prazo. É importante que possamos motivá-los e encorajá-los a definir seus próprios objetivos.

Ensine-os a resolver problemas por conta própria

Quando se trata de proteger nossos filhos da desesperança, nada melhor do que dar-lhes ferramentas. O decisivo é orientá-los para que aprendam a resolver seus problemas do dia a dia. É importante que eles ganhem autonomia e entendam que podem atingir muitos objetivos. A satisfação que obtêm por alcançá-los favorece a sua autoestima.

A desesperança se alimenta de negatividade, falta de propósito e baixa autoestima. Uma maneira de protegê-los desses filtros mentais adversos é estar perto deles. É orientá-los a aprender a resolver problemas e, assim, ganhar autoeficácia e autoestima.

Menos tempo de tela e mais experiências de vida

Nossos filhos se tornam nativos digitais entre as idades de 3 e 9. A partir daí, e durante a pré-adolescência e adolescência, eles não entendem mais o mundo sem telas.

Reduzir seu uso e, acima de tudo, facilitar a vivência fora desse mundo digital permitirá que ganhem em saúde mental. Inscrever-se em esportes ou outras práticas é sempre benéfico.

Mãe e filho conversando

Incentive-os a ter relacionamentos com seus colegas

As crianças precisam socializar, construir laços com seus colegas. Na medida do possível, devemos criar oportunidades para os nossos filhos conhecerem outras crianças da sua idade, facilitar mecanismos para que tenham sempre aliados para rir, brincar, conversar, fazer excursões, etc.

Promova a resiliência neles

Trabalhos de pesquisa, como os realizados na Universidade de Minnesota, destacam a importância de promover nas crianças o que eles definem como resiliência de “linha de frente”. É decisivo que pais, educadores e profissionais de saúde assentem nos seus alunos as bases dessas competências para o enfrentamento das adversidades.

Desse modo, se queremos proteger nossos filhos da desesperança, é fundamental ensiná-los a tolerar a incerteza, a frustração e a ter valores claros. Os adolescentes ganham quando conseguem implementar um pensamento que lhes permite ser mais decisivos e flexíveis.

Para concluir, em um presente em que nossos jovens têm cada vez mais problemas de saúde mental, vamos fazer mudanças. Vamos educar na esperança.

Pode interessar a você...
Como enfrentar a desesperança?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Como enfrentar a desesperança?

Como poderíamos definir a desesperança? Como podemos combater a perda das forças para seguir em frente? Como enfrentar a desesperança?



  • Kashani JH, Reid JC, Rosenberg TK. Levels of hopelessness in children and adolescents: a developmental perspective. J Consult Clin Psychol. 1989 Aug;57(4):496-9. doi: 10.1037//0022-006x.57.4.496. PMID: 2768609.
  • Kashani JH, Dandoy AC, Reid JC. Hopelessness in children and adolescents. An overview. Acta Paedopsychiatr. 1992;55(1):33-9. PMID: 1310368.
  • Lester D. Hopelessness in adolescents. J Affect Disord. 2015 Mar 1;173:221-5. doi: 10.1016/j.jad.2014.10.048. Epub 2014 Nov 15. PMID: 25462420.
  • Lester D. Hopelessness in undergraduate students around the world: a review. J Affect Disord. 2013 Sep 25;150(3):1204-8. doi: 10.1016/j.jad.2013.04.055. Epub 2013 Jun 10. PMID: 23764384.
  • Masten, A. S., & Barnes, A. J. (2018). Resilience in Children: Developmental Perspectives. Children (Basel, Switzerland)5(7), 98. https://doi.org/10.3390/children5070098