A racionalidade após um conflito

· agosto 5, 2018

Pode haver racionalidade após um conflito? A princípio, o mais normal é pensar que não. Depois de um conflito, pensar racionalmente em cooperar, mesmo que seja para o nosso próprio benefício, parece estranho. Isso é ainda mais raro quando acontece a nível grupal. Quando nosso grupo entra em conflito com outro grupo, os membros desse outro grupo irão despertar emoções negativas em nós e, portanto, o nosso comportamento em relação a eles será negativo, mesmo que isso também nos prejudique.

No entanto, nem sempre é assim. Às vezes, tendemos à racionalidade após o conflito. Quando as decisões são tomadas em grupo, as discussões podem levar à deliberação de maneira mais descontraída. Como resultado, decisões mais racionais serão tomadas, incluindo a decisão de cooperar com o grupo de oposição.

Casal brigado após discussão

O conflito

A história da evolução está cheia de conflitos, alguns dos quais resultaram em uso de violência com outros grupos. A concepção de uma vida harmoniosa sem qualquer conflito está cada vez mais questionada. Além disso, a violência entre grupos parece ter proporcionado algumas vantagens, por exemplo, em termos reprodutivos. Por outro lado, a história também nos ensina que nem sempre entramos em conflito com outros grupos, nós também estabelecemos laços de confiança e de cooperação para o benefício de ambos.

“A posição em um conflito muitas vezes não se limita à decisão que é tomada, mas às suas consequências”.
-Luis Gabriel Carrillo Navas-

Consequentemente, nos encontramos diante de um paradoxo em que comportamentos contraditórios coexistem. Temos de um lado a cooperação, e de outro a agressão. A importância de entender quando há uns ou outros comportamentos está no gerenciamento do pós-conflito.

Nesse sentido, após um conflito ainda pode haver feridas emocionais que não permitem a resolução do mesmo. As partes consideram a cooperação impossível, de modo que se privam dos benefícios que poderiam ter, tanto em termos econômicos quanto a nível de vidas humanas.

A tomada de decisões

Para saber se usamos a racionalidade depois de um conflito, precisamos recorrer à psicologia. Em particular, às teorias que nos falam sobre a tomada de decisões. Nesse sentido, a teoria dual propõe que existem duas formas de tomar decisões:

  • Decisões tomadas após o processamento da informação racional, pausado e deliberativo.
  • Decisões automáticas baseadas em experiências e emoções passadas.

No caso de conflito, o outro grupo pode se tornar um estímulo que gera, automaticamente, emoções negativas. Essa associação é o que nos leva a usar a segunda maneira de tomar decisões. Nós escolheremos confiar em nossas emoções e experiências passadas. No entanto, este modo de tomar decisões tem inconvenientes: a experiência pode não ser a nossa melhor aliada quando se trata de avaliar as consequências das nossas decisões.

“O homem não será sábio até que resolva todos os tipos de conflitos com as armas da mente, e não com as armas físicas”.
-Werner Braun-

No entanto, a racionalidade, a primeira maneira de tomar decisões, é mais provável quando os envolvidos no conflito deliberam em grupo. Ou seja, quando os membros de um grupo discutem qual é a melhor decisão a tomar, geralmente fazem isso de forma racional. Portanto, são capazes de ignorar sua experiência e suas emoções, optando por decisões mais racionais, como a cooperação.

Casal conversando

Racionalidade após um conflito

A conclusão que podemos tirar sobre a racionalidade após um conflito é que o grupo, como regra e nesse sentido, tem um papel civilizador. Embora os grupos possam funcionar de maneira irracional e exercer pressão sobre os membros ao tomar decisões, eles também proporcionam um contexto em que a discussão é incentivada, que permite corrigir erros na hora de tomar decisões.

Isso é aplicável aos conflitos atuais se o que buscamos é encontrar uma solução. Convidar os envolvidos para avaliar diferentes opções tornará mais provável que eles optem pela cooperação. Assim, o pensamento racional, como uma faculdade humana, nos permitirá avançar em direção a uma sociedade melhor.