As raízes da ansiedade já aparecem em crianças de 14 meses

Você seria capaz de identificar se o seu bebê tem um risco maior ou menor de desenvolver transtornos de ansiedade no futuro? De acordo com um estudo, há uma série de características que podem antecipar isso.
As raízes da ansiedade já aparecem em crianças de 14 meses

Última atualização: 03 Abril, 2021

As raízes da ansiedade já aparecem em crianças de 14 meses. É o que nos revela um estudo realizado por mais de três décadas. Os resultados não poderiam ser mais reveladores e chocantes. De alguma forma, o caráter e o temperamento humanos já são visíveis desde muito cedo e esses traços mostram, anos depois, uma tendência maior ou menor ao estresse ou à ansiedade.

Isso significa que o bebê mais exigente, por exemplo, sofrerá de um transtorno de ansiedade amanhã? Obviamente não. Não podemos fazer correlações conclusivas. Existe uma ligação entre certos padrões temperamentais e o risco de sofrer de um estilo de pensamento marcado por preocupações, angústia ou ataques de pânico, etc.

Os cientistas chamam isso de “superativação emocional”, característica que podemos observar nas crianças já no primeiro ano de vida e que determina, em muitos casos, o comportamento da criança ao longo do tempo. Vamos analisar.

O que é o temperamento infantil?

O que é o temperamento infantil?

Há alguns meses, cientistas da Universidade de Maryland publicaram um estudo para entender quando aparecem os primeiros sintomas de ansiedade. Este trabalho foi dirigido pela Dra. Alva Tang e concluiu que bebês com pouco mais de um ano já apresentam um estilo temperamental específico que pode revelar dados interessantes.

É a partir desses estilos que se pode antecipar uma maior ou menor probabilidade de sofrer de certas psicopatologias, como ansiedade, estresse, depressão… Agora, antes de nos aprofundarmos nesses dados, é conveniente ter clareza sobre o que é o temperamento infantil. Vamos analisar.

A diferença entre o temperamento e a personalidade

O temperamento está relacionado ao biológico e especificamente à predisposição emocional congênita de cada um. Basicamente, refere-se à maneira como reagimos ao ambiente ao nosso redor. Estamos, portanto, diante de uma dimensão inata que nos acompanha desde o nascimento e que pode ser observada em cada bebê. Basta ver como ele age e reage ao que o cerca.

Por outro lado, a personalidade se afasta desse componente genético e herdado e se vincula ao aprendizado sociocultural e à própria experiência. Agora, o interessante é que esta última característica é mais relevante. Afinal, a personalidade pode controlar o temperamento, é quem o domina, quem pode modificá-lo para se adaptar melhor ao ambiente.

Este último tem um grande significado. Assim, embora, como aponta o estudo da Universidade de Maryland, as raízes da ansiedade apareçam em crianças de 14 meses devido ao seu temperamento, nós podemos sempre educá-las e lhes dar estratégias para desenvolver uma personalidade com boas habilidades emocionais.

Bebê chorando em janela

As raízes da ansiedade já aparecem em crianças de 14 meses

Nesta pesquisa, os cientistas queriam entender em que momento uma pessoa evidencia os primeiros sintomas de “reatividade emocional excessiva”. Agora, o que queremos dizer quando falamos sobre esta dimensão?

A verdade é que ela se refere a uma série de dimensões que podem ser bem conhecidas por nós, como a preocupação constante, ataques de pânico, insegurança, medo de ser julgado, antecipar coisas que ainda não aconteceram, negatividade e fatalidade…

Os transtornos de ansiedade são uma realidade cada vez mais comum, uma condição que também tende a preceder ou aparecer em conjunto com a depressão. Dado o seu impacto, foi decisivo conhecer um pouco melhor o seu gatilho e as suas origens. Assim, algo que se pôde constatar em uma pesquisa que já dura 30 anos é que as raízes da ansiedade aparecem em crianças de 14 meses.

O temperamento inibido e a criança ansiosa

Até hoje havia pouca documentação científica sobre o temperamento infantil e a sua relação com a personalidade adulta. Sabemos que um temperamento definido por “inibição comportamental” prediz o aparecimento de problemas de ansiedade e depressão na vida adulta.

É interessante entender um pouco mais em que consiste esse estilo temperamental e, especificamente, a inibição comportamental.

  • São crianças com muito medo de novidades, mesmo que sejam brinquedos ou objetos do cotidiano.
  • Além disso, esses bebês lidam muito mal com as mudanças, mesmo que sutis.
  • Não toleram estar com outras figuras que não sejam seus pais
  • Por outro lado, embora as raízes da ansiedade apareçam em crianças de 14 meses, depois de dois ou três anos os sintomas podem ficar mais intensos. Algo comum é a somatização: dor de cabeça, desconforto no estômago, diarreia, etc.
  • À medida que envelhecem e começam a se comunicar, seu raciocínio se enche de dúvidas e medos. “Se eu for para a escola, eles vão rir de mim”, “O que vai acontecer se a mamãe e o papai morrerem?”
  • Comportamentos evitativos também são comuns, como medo de ir à escola, medo de aprender a andar de bicicleta, a nadar… Também são crianças que precisam dormir com os pais com frequência.

Se as raízes da ansiedade aparecem em crianças de 14 meses, como educar um bebê ansioso?

Sabemos que as raízes da ansiedade aparecem desde os 14 meses. O que fazer se percebermos que o bebê apresenta um temperamento de inibição comportamental?

  • As rotinas, por exemplo, são essenciais para passar segurança aos bebês.
  • O desenvolvimento de um apego saudável em que a criança se sinta validada e cuidada em todos os momentos é algo fundamental.
  • Comportamentos evitativos e medos devem ser tratados assim que surgirem. Para isso, a educação emocional é garantia de sucesso.

A criança deve racionalizar seus medos, compreender suas emoções e administrá-las para aplacar ansiedades e ideias irracionais. Algo assim exige tempo e paciência, pois moldar o caráter do adulto de amanhã exige plantar na criança de hoje valiosas sementes de autoconfiança, autoestima e segurança pessoal.

Pode interessar a você...
Por que carregar os bebês do lado esquerdo os acalma?
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Por que carregar os bebês do lado esquerdo os acalma?

Carregar os bebês do lado esquerdo realmente os acalma, e por isso 80% das mães o fazem instintivamente. Saiba mais detalhes neste artigo.



  • Alva TangHaley CrawfordSantiago MoralesKathryn A. DegnanDaniel S. PineNathan A. Fox. (2020) Infant behavioral inhibition predicts personality and social outcomes three decades later.
  • Murray, L., Creswell, C., & Cooper, P. (2009). The development of anxiety disorders in childhood: An integrative review. Psychological Medicine, 39(9), 1413-1423. doi:10.1017/S0033291709005157
  • C.R. Cloninger, T.R. Przybeck, D.M. Svrakic, R.D. Wetzel. The temperament and character inventory (TCI): a guide to its development and use. Washington University Center for Psychobiology of Personality, (1994),