Saber esperar não é fraqueza, mas coragem

· junho 13, 2019
Saber esperar é praticar a arte da paciência. A calma e a reflexão são necessárias para aprendermos no dia a dia.

Saber esperar… Esperar o tempo necessário para as sementes germinarem, para que os sentimentos apareçam e os fatos forneçam sinais. Tudo tem o seu tempo, os seus próprios ritmos, mesmo que nos recusemos a aceitar.

Se fizermos uma pausa e olharmos ao nosso redor, perceberemos que tudo está em movimento de uma forma ou de outra. É o fluxo da vida, o impulso criativo da mudança, aquilo que se alimenta de tudo o que acontece para cultivar resultados.

A espera é a hora do tédio, da preguiça, da impaciência; mas é também a sala de espera que nos abriga, a arte da paciência e o caminho do aprendizado. Muitas vezes voluntário e às vezes quase impensável.

Podemos até dizer que a espera é o tempo de duração daquele desejo que esperamos que germine, dê frutos, mas com a força da calma em vez da aceleração.

“Um homem que é um mestre da paciência é o mestre de todo o resto”.
– George Savile –

O caos de ‘viver acelerado’

Byung-Chul Hal, filosófico especialista em estudos culturais e professor na Universidade das Artes em Berlim, diz em seu livro ‘A Sociedade da Fadiga’ que a sociedade do século 21 não é mais uma sociedade de disciplina, mas sim de rendimento, na qual se destaca o poder fazer sem limites.

Atualmente, todos nós queremos fazer mais em menos tempo. Vivemos acelerados e pressionados em um mundo de excesso de estímulos, mais preocupados com os resultados do que com o caminho.

O problema é que ignorar os passos que damos e a forma como caminhamos nos leva ao esgotamento físico, mental e ocupacional.

Além disso, a nossa percepção está fragmentada por tanto estímulo. Agora somos multitarefa, fazemos tudo e nada ao mesmo tempo.

De acordo com Byung-Chul Hal, a multitarefa não é progresso, mas sim uma regressão, porque impede a contemplação e a atenção profunda. Vivemos acima, na ponta dos pés, sem nos submergirmos nas experiências e com um ritmo de vida desenfreado.

Dar tempo ao tempo

Não gostamos mais de esperar, é difícil ter paciência porque queremos tudo instantaneamente, de forma imediata e impulsiva, sem estarmos atentos às consequências…

Estresse, ansiedade, depressão, tédio ou até mesmo viver incomodado no tempo de descanso. Estamos desconfortáveis por não termos nada para fazer, porque nos enfrentamos e não estamos preparados para isso.

O tédio é um inimigo e imediatamente procuramos uma tarefa, algo que ocupe o nosso tempo. E em meio a esse tumulto, esquecemos que a agitação pura não gera nada de novo e, por sua vez, perdemos o ‘dom de ouvir’, como afirma o filósofo Walter Benjamin.

Em suma, nos perdemos em uma espiral de hiperatividade, estresse e inquietação.

O prazer da espera

O que aconteceria se parássemos? Descobriríamos algo se desacelerássemos a nossa marcha? Como nos sentiríamos? Parar e interromper a nossa agitação, a princípio, nos assusta. Nós não podemos negar isso. Pode até doer, já que estamos acostumados ao imediatismo.

A paciência é uma arte que deve ser aprendida com base no treinamento e na tolerância em relação à ignorância e à incerteza. Entramos em pânico, achamos insuportável não saber o que acontecerá e pensamos que as coisas vão escapar do nosso controle.

Mas é claro que, em certos momentos, é impossível evitar isso. Não nos esqueçamos de que a paciência tem a ver com o ser, e o seu oposto, a impaciência, com o ter.

Pense por um momento em como você se sente quando está em uma situação que não está sob a sua responsabilidade, mas que o incomoda. Reflita sobre os momentos em que você discutiu com alguém que ama. É desconfortável, não? Como você se sente quando alguém te faz esperar no trabalho, na vida amorosa ou familiar?

Esperar é um desafio… E mais ainda se tivermos em mente que ser paciente é visto como uma fraqueza, já que na maioria das vezes é confundido com resignação ou ser apático.

No entanto, a paciência com consciência não tem nada a ver com isso, é mais coragem e valentia, esperança e visão de longo prazo. É rebelar-se contra a dificuldade, mas de uma forma com a qual não estamos acostumados.

A arte de saber esperar

Saber esperar

Saber esperar é se proteger da eventualidade do imediato e ser capaz de passar por situações adversas sem desmoronar. Quem tem a paciência como amiga conhece bem as armadilhas da impulsividade e as suas consequências. Dessa forma, domará as suas paixões, a sua tendência para a busca incessante de prazer e a necessidade imediata.

A espera nos ensina que ter tudo sob controle é impossível e perigoso. Refletir para entender e priorizar são atitudes importantes, assim como dedicar um tempo a nós mesmos, indagar o que queremos e para onde vamos, observar o caminho em perspectiva.

Isso só é possível através da prática da paciência, essa capacidade de avaliar com cuidado, estar calmo e não ser obscurecido pelo barulho da necessidade e do prazeroso.

Ser paciente não é se deixar levar pelas circunstâncias, mas saber agir no momento certo, escolher e renunciar com calma, e aprender através do ritmo da vida.

“A velocidade é a forma de êxtase que a revolução técnica deu ao homem […] Por que o prazer da morosidade desapareceu?”
– Kundera –

  • Byung-Chul Han. (2012) La sociedad del cansancio. Barcelona: Herder.
  • Kundera, Milan (2001). La lentitud. Barcelona: Tustquets.
  • Schweizer, Harold (2010). La espera. Melodías de la duración. Madrid: Sequitur.