Ser uma "boa pessoa", uma armadilha dialética

A expressão "ser uma boa pessoa" é muito frequente, mas muito incerta, pois reduz a ideia que podemos ter de uma pessoa a duas palavras. Estamos acostumados a reduzir a realidade para compreendê-la melhor, mas essas e outras simplificações podem causar muita confusão em nossas vidas.
Ser uma "boa pessoa", uma armadilha dialética

Última atualização: 19 abril, 2022

Você é convidado para um aniversário, não conhece ninguém, mas a aniversariante insiste que você vá. A certa altura da conversa, ela diz “Tudo bem se você não conhece ninguém, vou te apresentar Jorge, um bom amigo, que é uma pessoa muito boa, você vai ver como vai conectar com ele “.

Na verdade, não há nada de estranho ou fictício nessa situação. Muitas vezes, quando vamos conhecer outras pessoas, recebemos referências de outras pessoas sobre como elas são. Essas informações nos ajudam a contextualizar o momento do encontro com aquela pessoa e reduzir a incerteza.

No entanto, é muito curioso que a falta de tempo ou a nossa tendência inata de simplificar a realidade nos leve a fornecer este tipo de informação de forma muito polarizada e superficial. Tanto assim, que todos entendem quando alguém é rotulado de “boa pessoa” ou “pessoa má”.

Garota de costas para o nascer do sol pensando em enfrentar seus problemas

O que significa ser uma boa pessoa?

Talvez essa seja uma pergunta mais difícil de responder do que possa parecer. Ser uma “boa pessoa” engloba todo um conjunto de comportamentos, cognições, atitudes e motivações tão extensas que é impossível defini-la.

Além disso, não só é difícil definir esse conceito em si, mas também é extremamente difícil fazer uma definição que transcenda qualquer cultura, sociedade e grupo. Em outras palavras, é provável que o que chamamos de “ser uma boa pessoa” em determinada cultura tenha pouco a ver com a noção desse conceito em outra.

Mesmo dentro de uma mesma cultura, o contexto determina o significado desse conceito. Você acha que o conceito de “boa pessoa” seria o mesmo em uma ditadura e em uma democracia? Seria o mesmo em um contexto de escassez e necessidade e em um contexto de abundância? Provavelmente não.

“Boa pessoa” é uma construção composta de duas palavras. Ser pessoa é uma questão de ordem metafísica.

No entanto, o elemento-chave aqui é a gentileza. Sem dúvida, uma qualidade total e absolutamente subjetiva, suscetível de avaliação por qualquer pessoa. Essa avaliação, se alguém é bom ou ruim, é influenciada por muitas variáveis, como a história de vida de quem avalia, sua personalidade, seu contexto social e familiar etc.

Por exemplo, não é incomum que pessoas que cometem crimes desde a infância simpatizem com os antagonistas de filmes, séries ou novelas, justificando seu comportamento criminoso e atribuindo-lhes nobres intenções.

Autoexigência mal fundamentada

Nossos pais e professores muitas vezes expressam que seu desejo, quando somos pequenos, é que nos tornemos boas pessoas. De fato, esse desejo, que se manifesta de várias maneiras por meio de um estilo educacional específico, está presente desde os primeiros anos de nossa infância.

Como se fosse uma semente, ela cresce e se integra à nossa concepção de ética. Mas, como mencionado acima, a noção de ser uma “boa pessoa” está muito presente em nosso modo de vida e ao mesmo tempo é pouco definida.

O que é preciso para ser uma boa pessoa? A tendência de tentar ser boas pessoas se traduz em realizar ações que não causem danos ou que suponham um benefício direto ou indireto para alguém. O problema surge quando essa tendência se torna algo próximo a uma obsessão.

E é que se concebemos que para ser uma boa pessoa não podemos prejudicar ninguém e temos que ter controle total de nosso comportamento o tempo todo, o panorama não parece muito animador. Na vida, às vezes prejudicamos as pessoas, intencionalmente ou não, e perdemos o controle, fazemos ou dizemos coisas das quais podemos nos arrepender… Em suma, nossa condição nos predispõe a cometer erros que podem afetar os outros e prejudicá-los.

Mulher pensando em como ser uma boa pessoa

Então, não existem pessoas boas e más?

Não é que existam ou não existam pessoas boas ou más. Em vez disso, a maneira como obtemos e fornecemos informações de uma pessoa é disfuncional na maioria das vezes. Como podemos criar uma ideia confiável da bondade de uma pessoa? Uma avaliação do comportamento da pessoa pode ser mais interessante do que uma avaliação da pessoa em si mesma.

Não, não existem pessoas boas ou más. Existem comportamentos que podem ser considerados e reduzidos a “bons” ou “ruins”, mas mesmo assim, é preciso contextualizá-los, pois às vezes um determinado comportamento pode ser socialmente considerado prejudicial, mas ao colocá-lo em um contexto, a imagem deste comportamento pode mudar e até ser considerado positivo.

Pode interessar a você...
6 características das pessoas com uma vida dupla
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
6 características das pessoas com uma vida dupla

Manipuladoras, inseguras e com tendência à evitação. As pessoas com uma vida dupla não existem apenas na ficção. É assim mesmo que elas são.