A sinceridade na infância reforça a inteligência emocional

A sinceridade é um daqueles valores que todos os pais gostariam de transmitir aos filhos. Agora, como fazer isso? Quais são os momentos mais críticos do seu desenvolvimento para que as crianças a incorporem?
A sinceridade na infância reforça a inteligência emocional

Última atualização: 19 Dezembro, 2020

Imagine que uma criança quebra um prato e, rapidamente, seu pai ou mãe corre para repreendê-la. Depois disso, a criança decide mentir para evitar a repreensão. O clima que se cria pode acabar sendo insustentável, e a sinceridade na infância vai se perdendo aos poucos, porque as crianças, assim como os mais velhos, não gostam de receber punições e repreensões por cada erro que cometem.

O que podemos fazer? Em primeiro lugar, saiba que promover valores, como a sinceridade na infância, é muito positivo para as crianças. Tanto que melhora até a inteligência emocional dos pequenos. Assim, para evitar que a criança minta quando cometer um erro ou quando não quiser fazer alguma coisa, é necessário criar um clima positivo, no qual os problemas possam ser expostos e discutidos, e cada situação indesejada não se transforme em um drama.

Aqui mencionamos o exemplo clássico do prato quebrado. No entanto, são muitas as situações em que uma criança pode pensar que está ganhando mais ao mentir do que ao falar a verdade. Quando não ela quer comer alguma coisa, quando não está com vontade de fazer o dever de casa, quando não quer ir dormir…

Pai brigando com o filho

Como a sinceridade na infância ajuda a reforçar a inteligência emocional

Através da sinceridade, a criança também fortalece a sua autoestima. Por isso é importante que, como pais, adultos ou tutores, não usemos mentiras para direcionar o seu comportamento.

Conforme a criança fica mais velha, ela aprende a diferença entre a mentira e a verdade. Nesse ponto, ela pode perceber que muitas das lições que recebeu dos seus pais não eram verdadeiras. Assim, entendem que eles, e por extensão o mundo adulto do qual seus pais são uma referência, aprovam a mentira como meio para atingir objetivos.

A partir dos cinco anos, a criança já é capaz de ser cética em relação a certas afirmações que podemos fazer. Portanto, estamos em um momento crítico em que elas vão nos ter como modelos. E isso será ainda mais importante depois dos oito anos, quando ela separa corretamente o erro intencional de um engano.

Uma vez que elas começam a distinguir as possibilidades de mentir sem ao mesmo tempo compreender os danos que isso pode causar, pode ser difícil voltar atrás: os seres humanos têm mecanismos mentais muito poderosos para evitar ver o que não desejam ver. Por isso, é importante conhecer alguns elementos que podemos implementar para que as crianças sigam o caminho da sinceridade, aceitando seus erros e limitações.

“Seja sincero, mesmo que a verdade seja inconveniente. Ela é ainda mais inconveniente quando você tenta escondê-la."
-Bertrand Russell-

Chaves para ensinar o valor da sinceridade na infância

Incluir a assertividade na educação dos filhos é um dos melhores métodos para eles aprenderem o valor da sinceridade. Podemos ensinar que eles têm o direito de reivindicar a verdade, que ninguém pode mentir para eles ou tentar manipulá-los.

Além disso, em sua evolução natural, a criança aprende a diferenciar entre o bem e o mal, assume seus fracassos, encontra alternativas para superar obstáculos e atingir objetivos e, acima de tudo, aprende com o amor e a compreensão sensível. Para isso, recomenda-se:

Não julgar

As crianças, principalmente quando são muito pequenas, não fazem nada com más intenções. Se julgarmos continuamente, bloquearemos a possibilidade de raciocinar, refletir e analisar se há motivos ocultos que talvez não percebamos. O que está por trás da mentira? Antes de julgar, vamos estudar a situação e conversar com a criança.

Escuta ativa

É interessante ouvir a criança com atenção, sem impulsividade. Assim, a entenderemos melhor e poderemos analisar se ela está mentindo, imaginando histórias ou se tem uma intenção diferente.

Correções assertivas

Em muitas ocasiões, precisaremos corrigir a criança. É normal, faz parte da educação delas. Mas temos que ser assertivos, para que o pequeno internalize melhor e pense antes de agir em futuras ocasiões.

Reforço positivo

É sempre importante usar o reforço positivo. Quando a criança agir de forma correta e com sinceridade, devemos recompensá-la, mostrando o quanto nos agrada vê-la fazendo o que é certo. Desta forma, aumentamos a probabilidade de ela repetir este comportamento ou outros que vão na mesma direção, ao mesmo tempo em que reduzimos a probabilidade de comportamentos incompatíveis.

Pai parabenizando o filho

Para o bem ou para o mal, você é o modelo dos seus filhos

Lembre-se de que, como adultos, pais e tutores, somos modelos a serem seguidos pelas crianças. Será inútil dizer uma coisa se não agirmos de acordo com essa lição. Portanto, na hora de ensinar, a melhor opção é fazê-lo dando o exemplo de que a criança precisa.

Você não pode esquecer que as crianças tendem a imitar as figuras de autoridade, ou seja, seus pais, professores e irmãos mais velhos, principalmente. Devemos ter sempre essa responsabilidade em mente ao agirmos na frente de uma criança.

Lembre-se de que a sinceridade na infância reforça a inteligência emocional. Se você quer que os seus filhos sejam autossuficientes, responsáveis ​​e autoconfiantes, é muito necessário que eles conheçam bem as suas próprias emoções.

Pode interessar a você...
Se os pais não ensinam, a sociedade se encarrega de educar
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Se os pais não ensinam, a sociedade se encarrega de educar

Educar um filho não é tarefa fácil, não é uma tarefa mediana, que poderia identificar-se de forma a evidenciar os pontos positivos ou negativos dos pais.



  • Giráldez Hayes, A., Prince, E.M. (2017). Habilidades para la vida: Cómo aprender a ser y aprender a convivir en la escuela. Madrid: Ediciones SM – Biblioteca Innovación Educativa.