O que é a síndrome de hiperêmese canabinóide?

A hiperêmese canabinoide é um problema de saúde que pode afetar usuários crônicos de cannabis. Neste artigo, explicamos o que é e como tratá-la.
O que é a síndrome de hiperêmese canabinóide?

Última atualização: 20 Outubro, 2021

A hiperêmese canabinoide é uma síndrome rara que ocorre entre usuários regulares de cannabis. Foi descrita pela primeira vez em 2004 por Allen et al. e é caracterizada por episódios recorrentes de náuseas, vômitos e dor abdominal.

O vômito geralmente dura entre 2 e 4 dias e não responde ao tratamento usual com antieméticos. Por outro lado, os banhos quentes aliviam os sintomas da maioria dos pacientes. No entanto, eles só desaparecem completamente com a cessação do uso de cannabis.

Como a síndrome da hiperêmese canabinoide é uma condição muito rara, muitas vezes leva tempo para que as pessoas sejam diagnosticadas corretamente. De fato, estima-se que, em média 6,1 anos se passem desde o início dos sintomas até o diagnóstico correto.

O que causa a síndrome de hiperêmese canabinoide?

A cannabis contém diferentes substâncias em sua composição química. Um dos mais conhecidos é o tetrahidrocanabinol, também conhecido como THC, o maior responsável pelos efeitos psicoativos da droga. O THC atua modificando os receptores neurais no cérebro. Além disso, também afeta outros sistemas corporais, como circulatório ou respiratório, embora não sejam os únicos.

Em curto prazo, o consumo de THC atua no sistema digestivo e pode causar boca seca ou aumento do apetite. Seu consumo também ajuda a prevenir náuseas e vômitos que ocorrem, por exemplo, em muitos pacientes em tratamento quimioterápico.

No entanto, o uso continuado de cannabis pode fazer com que certos receptores no cérebro parem de responder à droga da mesma maneira. Assim, pode ser que o excesso de consumo cause justamente o efeito contrário, embora seja apenas uma hipótese.

Por ser uma síndrome tão rara e pouco estudada, a etiologia e fisiopatologia exatas são desconhecidas dos pesquisadores. Portanto, ainda não há uma resposta específica sobre por que a hiperêmese canabinoide ocorre em alguns usuários e não em outros.

Homem deitado na cama com síndrome de hiperêmese canabinoide

Principais sintomas da hiperêmese canabinoide

A hiperêmese canabinoide se manifesta de forma diferente dependendo da fase em que se encontra. Assim, poderíamos descrever uma primeira fase denominada prodrômica, na qual os sujeitos sentem enjôos matinais e dores abdominais. Esse período pode durar meses ou anos.

A segunda fase, a mais aguda e que muitas vezes requer hospitalização, é a fase hiperemética. É caracterizada pelos seguintes sintomas:

  • Náusea constante
  • Vômito repetido
  • Transtorno e dor abdominal.
  • Redução da ingestão de alimentos.
  • Perda de peso.
  • Desidratação

No terceiro estágio, denominado fase de recuperação, os sintomas agudos desaparecem e a pessoa volta ao peso gradativamente. No entanto, se ela voltar a usar cannabis, os sintomas da fase hiperemética provavelmente retornarão.

Quais são os principais tratamentos?

O tratamento mais eficaz para reduzir os sintomas da hiperêmese canabinoide é parar de usar cannabis. Mesmo assim, é possível que a pessoa também precise ser hospitalizada devido à severidade da clínica, principalmente na fase hiperemética. Os tratamentos mais comumente administrados são os seguintes:

  • Duchas ou banhos quentes repetidos ao longo do dia.
  • Antieméticos para reduzir o vômito.
  • Analgésicos para reduzir a dor.
  • Hidratação intravenosa.
  • Inibidores da bomba de prótons para diminuir a inflamação do estômago.
  • Administração de benzodiazepínicos.
  • O haloperidol mostrou bons resultados.
  • Pomada tópica à base de capsaicina no tronco.
  • Início de um programa de reabilitação do uso de cannabis.
Comprimidos

O que pode ser feito para prevenir a hiperêmese canabinoide?

A melhor prevenção para essa síndrome é, como comentamos, não consumir nenhum tipo de substância que contenha cannabis. Somente evitando completamente o consumo uma prevenção ou recuperação ideal dos sintomas será possível na maioria dos casos.

O problema é que o uso contínuo de cannabis prejudica a tomada de decisão, e os sujeitos continuam a consumi-la devido ao vício. Isso implica que, em muitas ocasiões, a clínica se torne crônica.

Os efeitos nocivos do uso de cannabis foram amplamente estudados por décadas. A dificuldade de tomada de decisão é apenas um exemplo. Declínio cognitivo, diminuição do desempenho, impulsividade ou predisposição para manifestar um transtorno psicótico são outros dos muitos efeitos colaterais do uso de cannabis.

Portanto, para evitar complicações, a melhor opção é evitar o consumo. Dessa forma, não apenas a maioria dos sintomas será remediada, mas a pessoa irá melhorar em outros aspectos cruciais da sua saúde. Em caso de dificuldades para parar de usar cannabis, uma boa opção será consultar um especialista em dependência para obter orientações sobre o melhor programa de reabilitação.

Pode interessar a você...
A síndrome amotivacional, consequência do consumo de cannabis
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
A síndrome amotivacional, consequência do consumo de cannabis

A síndrome amotivacional converte a pessoa em alguém totalmente incapaz de fazer qualquer coisa, de modo que somente realizará atividades obrigatór...



  • Alameda, J.R., Salguero, M.P., Merchán, A. y Paíno, S. (2014). Mecanismos cognitivos en la toma de decisiones arriesgadas en consumidores de cannabis. Adicciones, Vol.26 (2), 146-158. [fecha de consulta 18 de octubre de 2021]. Recuperado de https://www.adicciones.es/index.php/adicciones/article/view/16/17
  • Allen, J.H., De Moore, G.M. y Heddle, R. (2004). Cannabinoid hyperemesis: cyclical hyperemesis in association with chronic cannabis abuse. Gut Vol. 53, 1566-1570. [fecha de consulta 18 de octubre de 2021]. doi: 10.1136/gut.2003.036350
  • Contreras, C., Mola, M., Batlle de Santiago, E., et al. (2016). Síndrome de hiperemesis cannabinoide. Reporte de seis nuevos casos clínicos y resumen de casos previos publicados. Adicciones, Vol. 28, (2)90-98. [fecha de consulta 18 de octubre de 2021]. Recuperado de https://www.adicciones.es/index.php/adicciones/article/view/776/731
  • Murillo G. y Llorens, P. (2017). Perspectivas en el tratamiento en el síndrome de hiperemesis por cannabis. Adicciones, Vol.29 (2), 134-135. [fecha de consulta 18 de octubre de 2021]. Recuperado de https://adicciones.es/index.php/adicciones/article/view/875/850