A síndrome de Hulk, o pesadelo de Bruce Banner

· outubro 1, 2018

A síndrome de Hulk é uma síndrome pouco conhecida pelo público não especializado. Ela é caracterizada por explosões súbitas de raiva. Essas explosões frequentemente se transformam em comportamentos violentos. No contexto médico, o nome correto seria síndrome de Amok. Em geral, no entanto, é conhecida pelo nome do popular monstro verde dos cinemas: Hulk.

Hulk foi um personagem primeiramente dos quadrinhos da Marvel. Foi só mais recentemente que ele apareceu em vários filmes que foram adaptados para o cinema pelo Universo Cinematográfico Marvel. Entre esses filmes está o último grande lançamento da saga ‘Thor’, assim como ‘Os Vingadores’. Hulk é o alterego do gentil Dr. Bruce Banner, que se contaminou enquanto fazia alguns experimentos com lixo tóxico.

A partir desse momento, surge em Dr. Banner uma segunda personalidade: Hulk. Esse grande monstro aparece repentinamente, é violento e gosta de destruir tudo que está ao seu redor. O Dr. Banner não consegue controlar o Hulk, e o mesmo pode ser dito em relação a Hulk controlar o Dr. Banner. Pouco a pouco, o Dr. Banner aprender a conviver com seu monstro verde.

A síndrome de Hulk e a síndrome de Amok

A partir da sua caracterização nos quadrinhos, podemos encaixar Hulk nesse perfil no qual ocorrem comportamentos muito intensos e descontrolados derivados da emoção da raiva ou da ira. Podemos entender melhor se pensarmos que quando nosso corpo passa pela emoção da raiva, mas nossa mente tenta reprimi-la ou negá-la de maneira sistemática, pode ser que em um dado momento nós acabemos explodindo de maneira muito violenta.

De acordo com especialistas, a síndrome de Hulk está ligada a fatores culturais. Ainda que a síndrome já tenha sido documentada em muitas culturas, existem pequenas particularidades concretas e específicas em cada cultura que não podem ser observadas em pessoas de outras culturas com a mesma patologia.

No ocidente, antes da aparição do Hulk como personagem, a síndrome de Hulk já estava documentada. Ela era conhecida pelo seu outro nome que mencionamos acima: a síndrome de Amok. A palavra Amok foi emprestada do termo malaio “meng-amok”. Essa palavra significa, em uma tradução ampla do termo para o português que não possui uma palavra direta, “atacar e matar com uma raiva cega”.

Acredita-se que a síndrome de Hulk seja a causa de muitos danos e a origem de muitos conflitos. Os estudos, no entanto, apontam que a frequência do diagnóstico é muito menor que sua incidência real na sociedade.

Por exemplo, muitas pessoas que sofrem da síndrome de Amok e, na manifestação da sua raiva, acabam cometendo crimes, podem chegar a se suicidar ao fim do episódio e nunca são diagnosticadas.

Converter a raiva em energia

Nem toda raiva é negativa. Não há sentido em negar as nossas emoções, nenhuma delas. Uma pessoa saudável espiritualmente é aquela que se permite sentir toda a gama de emoções que seu corpo gera.

Isso inclui as emoções de valência negativa como a raiva ou a tristeza. Desse modo, a raiva cumpre sua função quando ela nos avisa: olha, pode ser que estejam violando os seus direitos. Também está sendo útil quando nos dá energia e diz: reaja, você não pode permitir que abusem de você ou de alguém que você ama. O problema aparece quando é a emoção, com sua mensagem e energia, que passa a dominar o nosso comportamento completamente.

Desse modo, o manejo da raiva demanda a intervenção da nossa inteligência emocional. Com trabalho e dedicação, a explosões de raiva que a síndrome de Hulk provoca podem se converter em um elemento que, na verdade, funcione a nosso favor.

Como lidar com a raiva?

É importante entender que o controle da raiva é um processo que demanda um esforço consciente. Atingir o sucesso nessa jornada, no entanto, valerá o esforço e será muito gratificante. Uma pessoa pode conseguir canalizar a energia que antes gerava violência para, por exemplo, um plano de trabalho organizado.

Lembre-se de que a síndrome de Hulk não é uma característica definitiva do caráter de uma pessoa. Esse modo de agir diante de certas emoções pode ser trabalhado e convertido em uma característica de força.

Como canalizar uma emoção

A seguir, oferecemos algumas estratégias que você pode testar para conseguir manejar sua raiva com mais facilidade. Desse modo, a probabilidade de acabar desenvolvendo a síndrome de Hulk se reduzirá enormemente.

  • Exercite-se e respire ar fresco. Fazer exercícios faz com que nosso corpo drene a energia acumulada. Além disso, exercitar-se libera alguns hormônios associados à felicidade.
  • Exteriorize os seus pensamentos. Muitas vezes é difícil conseguir articular nossos sentimentos de maneira clara. É muito importante, no entanto, que nossa comunicação emocional seja efetiva. Depende dela, pelo menos em grande parte, a quantidade e qualidade dos contatos que vamos estabelecer.
  • Medite. Aprender a acalmar a nossa mente é uma habilidade com grande potencial de ajuda para lidar com emoções e situações emocionais muito intensas. Por exemplo, através da meditação é possível desenvolver um maior autoconhecimento.

Lembre-se de que a raiva e a frustração são parte da nossa paleta de emoções. Tente lidar com elas de maneira inteligente. A melhor forma de lidar com esses sentimentos é canalizando-os para comportamentos que sejam benéficos para você.