Síndrome disexecutiva: quando o lobo frontal falha

setembro 4, 2019
Como uma lesão cerebral pode afetar o desempenho cognitivo geral e o comportamento? Neste artigo explicamos os principais sintomas da síndrome disexecutiva.

A síndrome disexecutiva é o resultado de um esforço para classificar as alterações cognitivo-comportamentais causadas ​​por um dano cerebral.

Essa síndrome é consequência de um dano no lobo frontal, mais especificamente nas regiões pré-frontais. As funções executivas mais complexas são processadas nessa área.

Por essa razão, o dano na área pré-frontal causa a alteração de funções como a memória, a atenção, a linguagem e a percepção, mas principalmente o comportamento.

Portanto, a síndrome disexecutiva ou pré-frontal engloba um conjunto de sintomas que afetam o desempenho intelectual dos indivíduos.

Principais funções afetadas na síndrome disexecutiva

O lobo frontal é, metaforicamente, o maestro da orquestra do cérebro. Embora a função afetada dependa da área específica da lesão, as principais consequências se manifestam a nível:

  • Motor: alterações na capacidade de reagir, com perseveração e desorganização.
  • Atenção: as respostas orientadas são afetadas e o nível de atenção é menor.
  • Linguagem: a linguagem é muito afetada, há erros na denominação e fuga de ideias.
  • Percepção: a interpretação perceptiva e a identificação de objetos são alteradas.
  • Comportamento: a principal área afetada, dependendo da lesão; evidencia apatia, desinibição e intercâmbio social inadequado.
  • Memória: a capacidade de retenção e de recuperação é afetada.
Principais funções afetadas na síndrome disexecutiva

As mudanças motoras

As alterações motoras geralmente se manifestam como reflexos patológicos. Estas são respostas automáticas descoordenadas e desadaptativas, como o reflexo de pressão.

Por outro lado, a perseveração consiste na incapacidade de implementar novas estratégias para executar tarefas. Um exemplo de perseveração é visto quando uma pessoa tenta abrir uma porta, e ao não ser capaz de fazê-lo corretamente, continua tentando da forma incorreta.

Finalmente, no que diz respeito à reação, os indivíduos podem ser hiperativos, com uma atenção dirigida bem diminuída.

Falhas de atenção na síndrome disexecutiva

Como já mencionamos, a atenção é uma função de base frontal. Nos indivíduos com danos nesta área vemos alterações como:

  • Reação aumentada às formas sensoriais.
  • Dificuldades em direcionar a atenção a uma tarefa.

Memória

Essa função é afetada em concomitância com as demais, podendo destacar várias mudanças na memória geral.

Em primeiro lugar, as tarefas de retenção são muito afetadas, assim como a memória anterógrada, que em muitos casos leva à confabulação. Também há uma desorganização sequencial dos eventos temporários, contribuindo para um estado generalizado de confusão.

Comportamento e síndrome disexecutiva

O dano pré-frontal nem sempre está associado à apatia e à falta de respostas emocionais, mas com a pouca elaboração, imediatismo e puerilidade. Geralmente, as mudanças no comportamento dependem do tipo e da localização da lesão, tendo consequências muito diferentes:

  • Lesões esquerdas. Esses pacientes mostram apatia, retraimento e desinteresse pelo intercâmbio social.
  • Lesões direitas. Geralmente apresentam desinibição emocional, comportamento sexual inadequado e imediatismo diante de estímulos.

Linguagem

Como o hemisfério onde a linguagem é processada é o esquerdo, as lesões esquerdas terão um impacto significativo na linguagem. A nível bilateral, as dificuldades de conceituação e análise são claramente afetadas.

Na maioria dos pacientes a linguagem formal é preservada, mas devido à má capacidade de planejamento e memória, esta é muito repetitiva. As mudanças comportamentais também afetam a comunicação.

Percepção

As alterações na percepção não costumam ser as mais visíveis, tornando-se mais evidentes em tarefas de busca visual (atenção seletiva).

Além disso, ocorrem com mais frequência erros no reconhecimento de pessoas e lugares, negligência espacial e dificuldades na direção dos movimentos oculares.

A base orgânica da síndrome disexecutiva

A base orgânica da síndrome disexecutiva

Os sintomas detalhados geralmente aparecem de modo comórbido quando há um dano no lobo frontal e, mais precisamente, no córtex pré-frontal. Mas estudos neuropsicológicos proporcionaram um detalhamento mais específico de acordo com a estrutura lesionada:

  • Circuito pré-frontal dorsolateral. Erosão das funções cognitivas, apontando para uma incapacidade de planejar e resolver problemas complexos. Também se destaca a perda da flexibilidade cognitiva e as dificuldades no início de tarefas motoras.
  • Córtex orbitofrontal. Quando esta área é afetada, destacam-se mudanças comportamentais como desinibição, agressividade, irritabilidade e incapacidade de se adaptar às normas sociais. Esses indivíduos geralmente se comunicam por imitação, tendendo a repetir os movimentos dos outros.
  • Círculo anterior ou córtex medial frontal. Essa área está associada à apatia e falhas na ativação e no comportamento espontâneo. Além disso, destaca-se a incapacidade de reconhecer expressões emocionais. Transtornos depressivos são muito comuns nesses pacientes.

Avaliação e tratamento

O diagnóstico geralmente é feito por um neuropsicólogo, utilizando exames padronizados para a avaliação da síndrome.

É também um processo que envolve a intervenção de um neurologista e outros profissionais da saúde. Isso se deve ao fato de que se faz necessária uma avaliação e um relato da lesão adquirida pelo paciente.

Em relação ao tratamento, a reabilitação baseia-se na recuperação ou manutenção da funcionalidade do indivíduo, dependendo de sua gravidade e das áreas cognitivas afetadas.

A intervenção também costuma ter um componente farmacêutico para controlar os sintomas que afetam a vida social do paciente.

Para concluir, é necessário ressaltar que esta síndrome se apresenta de forma adquirida em decorrência de lesões e derrames. O principal sintoma é uma negligência intelectual global, e a maioria das funções executivas são afetadas.

As síndromes de tipo cerebral adquiridas demonstram a importância de evitar fatores e comportamentos de risco.