Síndrome do atraso das fases do sono

dezembro 8, 2019
Você já pensou no que se esconde por trás das pessoas que não conseguem dormir até altas horas da madrugada? Talvez elas sofram da síndrome do atraso das fases do sono.

As pessoas com síndrome do atraso das fases do sono são incapazes de se adaptar aos horários socialmente estabelecidos de sono-vigília. Devido à falta de informação e compreensão deste transtorno, muitas vezes elas são rotuladas como preguiçosas pelas pessoas do seu entorno.

O padrão sono-vigília segue um ritmo circadiano, ou seja, flutua de forma regular a cada 24 horas. Esta oscilação está determinada por um relógio biológico interno que conta com a ajuda de certos sincronizadores externos.

Elementos sociais, como o horário de trabalho e das refeições, servem para ajustar de forma mais precisa os períodos de sono e vigília. No entanto, o sincronizador externo mais poderoso é o ciclo de luz-escuridão.

O problema surge quando existe um desajuste entre o sistema circadiano do próprio corpo e os requerimentos do entorno. No caso da síndrome do atraso das fases do sono, o período de sono noturno habitual da pessoa é atrasado em relação ao horário convencional.

Mulher acordada por insônia

Os indivíduos que sofrem com esta síndrome sentem a necessidade de se deitar e se levantar (de forma crônica) pelo menos duas horas mais tarde do que o restante das pessoas. Isso é mais comum durante a adolescência; no entanto, a prevalência em pessoas adultas é significativa.

Quando as obrigações cotidianas forçam a pessoa a seguir um horário comum, ela sofrerá uma privação crônica do sono, sendo incapaz de dormir na hora desejada. Tudo isso se traduz em sonolência e fadiga durante o dia, afetando o rendimento escolar e profissional de quem sofre com este transtorno.

Em períodos de feriados ou férias, nos quais as pessoas podem escolher livremente seus horários de sono, ele se torna adequado tanto em quantidade quanto em qualidade. A insônia e a dificuldade para se levantar desaparecem e a pessoa consegue um descanso reparador.

Características da síndrome do atraso das fases do sono

Alguns dos traços mais comuns da síndrome do atraso das fases do sono seriam:

  • A pessoa pode manter uma higiene do sono adequada e, ainda assim, não será capaz de dormir na hora desejada.
  • Não existem situações pessoais nem profissionais, sintomas ansiosos nem depressivos, que impeçam a pessoa de conciliar o sono.
  • Uma vez que tenha conseguido dormir, quem sofre desta síndrome não tem dificuldade para manter o sono. Ele é contínuo e não há despertares próprios da insônia de manutenção.
  • Devido à falta de horas de sono, há sonolência e redução do nível de alerta durante a primeira metade do dia. Esta situação vai melhorando à medida que se aproxima o ponto máximo da vigília, que para estas pessoas se situa ao entardecer.
  • Podendo escolher seus horários de preferência, a pessoa concilia o sono sem dificuldade e acorda descansada.

Tratamento da síndrome do atraso das fases do sono

Intervenções comportamentais

O primeiro passo inclui certas intervenções no comportamento habitual do indivíduo. Este deve procurar manter a melhor higiene do sono possível. Cuidar do entorno em que dorme, evitar o consumo de substâncias estimulantes e avaliar as atividades que realiza antes de dormir.

Nesse sentido, é especialmente importante que a pessoa tenha horários fixos para se deitar e acordar. É imprescindível segui-los todos os dias, mesmo em feriados e férias. Além disso, este hábito deve se manter mesmo quando a pessoa alcançou o seu objetivo, para evitar recaídas.

Fototerapia

Diminuir a exposição à luz ao anoitecer e aumentá-la pela manhã pode ajudar a produzir um avanço no relógio biológico. Para fazer isso, é importante usar uma luz tênue durante as últimas horas do dia, bem como evitar o uso de telas.

Por outro lado, é conveniente dormir com as persianas levantadas de forma a favorecer uma maior exposição à luz solar nos minutos após o despertar.

Mulher dormindo tranquilamente

Melatonina

A administração de melatonina (1-5mg) algumas horas antes de ir dormir ajuda a avançar o ciclo vigília-sono. A combinação com a fototerapia aumenta a sua eficácia.

Cronoterapia

Este procedimento consiste em ir atrasando gradativamente a hora de dormir e de acordar. A pessoa se deita um pouco mais cedo cada dia até conseguir se encaixar no horário de sono desejado. A partir daí, o desafio está em mantê-lo.

A principal dificuldade reside no fato de que são necessários vários dias de modificação do horário de sono até alcançar o encaixe, o que pode interferir nas responsabilidade profissionais ou escolares.

Seja como for, a síndrome do atraso das fases do sono é uma alteração diante da qual temos estratégias para não permitir que se transforme em uma limitação incapacitante em nosso dia a dia.

Giménez Badia, S., Albares Tendero, J., Canet Sanz, T., Jurado Luque, M., Madrid Pérez, J. A., Merino Andreu, M., & Sellés Galiana, F. (2016). Trastorno de retraso de la fase del sueño y del despertar. Síndrome de retraso de fase. Pediatría Atención Primaria18(71), e129-e139.

Solari, B. F. (2015). Trastornos del sueño en la adolescencia. Revista Médica Clínica Las Condes26(1), 60-65.