Sistema nervoso somático: características e funções

agosto 7, 2019
No córtex somatossensorial há uma representação proporcional à sensibilidade das diferentes partes do corpo. Nessa representação, nem todas as áreas ocupam o mesmo tamanho ou são irrigadas pelo mesmo número de conexões.

A função essencial do sistema nervoso é a comunicação. Isso ocorre tanto com o ambiente que nos rodeia quanto com o interior do nosso organismo. De acordo com as suas funções, o sistema nervoso é dividido em Sistema Nervoso Somático (SNS) e Sistema Nervoso Autônomo (SNA).

O sistema nervoso somático é um sistema complexo. É a parte do sistema nervoso responsável por transportar informações sensoriais para o sistema nervoso central. Isto é: o sistema nervoso somático é responsável pela comunicação do corpo com o ambiente externo.

Enquanto isso, o SNA é responsável pela comunicação dos órgãos entre si, o que faz com que a homeostase seja mantida.

O SNS age através dos músculos esqueléticos, regulando ações voluntárias e reflexas. Através de seus receptores, este sistema captura as mudanças que ocorrem.

Assim, as fibras motoras localizadas no sistema nervoso somático apresentam algumas características que as diferenciam das autônomas:

  • Em primeiro lugar, não há gânglios em seu trajeto.
  • Os corpos neurais estão localizados dentro do SNC. Além disso, eles correm sem interrupção até atingir o efetor (músculo esquelético).
  • A sua velocidade de condução é muito maior.
  • O SNS pode ou não estimular o efetor, mas não o inibe.
As ramificações do sistema nervoso

Vias sensoriais do sistema nervoso somático (SNS)

Para percebermos uma sensação, a informação deve chegar ao córtex cerebral. Assim, a via é o caminho que a informação faz por meio de um conjunto de neurônios que ligam o sistema nervoso periférico ao sistema nervoso central.

No entanto, para um estímulo sensorial atingir seu destino, o sistema nervoso central precisa ir dos receptores até o SNC, através da conexão com três neurônios.

No córtex somatossensorial há uma representação proporcional à sensibilidade das diferentes partes do corpo (1). Nesta representação, nem todas as áreas ocupam o mesmo tamanho. Áreas como pontas dos dedos ou lábios são as que ocupam o maior lugar nessa representação.

Existem diferentes tipos de vias sensoriais. De acordo com a modalidade sensorial que conduzem, elas são divididas em:

  • Via para o tato fino: sensibilidade discriminativa ou epicrítica.
  • Via para o toque difuso: sensibilidade grossa ou protopática.
  • Via para a dor e temperatura: termoalgésica.
  • Via proprioceptiva: posição do corpo
Por dentro do corpo humano

Outra maneira de nomeá-las é de acordo com a fonte do estímulo

  • Vias exteroceptivas: aquelas que transportam as informações da pele.
  • Vias interoceptivas: conduzem as informações dos órgãos internos.
  • Vias proprioceptivas: são aquelas que carregam informações do sistema musculoesquelético.

Para transmitir a sensação, os impulsos nervosos viajam através de um relé de três neurônios:

  • Neurônios de primeira ordem: são os que conduzem a informação da periferia do corpo.
  • Neurônios de segunda ordem: eles estão localizados na haste posterior da medula espinhal ou no tronco. Eles transmitem o impulso nervoso do tronco para o tálamo. É aí que ocorre uma sinapse com o neurônio de terceira ordem.
  • Neurônios de terceira ordem: eles estão no núcleo de relevo do tálamo. A sua função é conduzir o impulso nervoso em direção às áreas somestésicas na região atrás do sulco central no lobo parietal.

Antes de chegar ao córtex, onde a sensação é interpretada, toda a informação sensorial é processada no tálamo (exceto aferentes olfativos). Então, eles são integrados ao córtex parietal, onde a sensibilidade normalmente se integra.

Vias motoras

Quando esticamos a mão para pegar algo, esse processamento mental requer a contração e o relaxamento dos músculos do braço e da mão.

Isto é o que as vias motoras fazem: elas conduzem impulsos nervosos do sistema nervoso central até os músculos esqueléticos (efetores somáticos). Assim, os neurônios envolvidos nesse processo são os neurônios motores, localizados na haste anterior da medula espinhal.

Sistema nervoso somático

O sistema de vias motoras é dividido em três fascículos, dependendo da origem e da finalização dos nervos:

  • Corticogênico ou corticonuclear: o seu destino é o núcleo motor dos nervos cranianos. Ou seja, é o caminho que controla os músculos faciais.
  • Justapiramidal: origina-se na área 4 do giro frontal. O seu destino são os neurônios da formação reticular no nível bulbar.
  • Córtex espinal ou piramidal: liga o córtex com os neurônios da haste anterior da medula espinhal. Assim, controla os músculos do tronco, pescoço e extremidades.

Portanto, podemos concluir que o sistema nervoso somático é um sistema complexo. Para produzir o movimento, a partir do sistema nervoso central são produzidas várias conexões que permitem a ação final.

O mesmo acontece quando alguém nos toca ou roça com algum objeto: para que o nosso cérebro perceba o movimento, muitos neurônios e áreas estão envolvidos no processo.

  1. Leira, M. S. (2012). Generalidades del sistema nervioso somático y de las vías de conducción. Manual de bases biológicas del comportamiento humano.
  2. Tassinary, L. G., Cacioppo, J. T., & Vanman, E. J. (2017). The somatic system.
  3. Boggia, J. (2007), Fisiopatología, Compendio Udelar, Facultad de Medicina, Oficina del libro.