As 97 áreas do cérebro que não conhecemos

julho 26, 2019
As 97 áreas do cérebro que não conhecemos e que foram identificadas pelo Projeto Conectoma Humano mostram que ainda há muita coisa que ignoramos, talvez até mais do que já sabemos sobre esse fascinante órgão.

Os estudos sobre o cérebro são fascinantes. Quanto mais os cientistas investigam, mais perguntas e surpresas aparecem. Uma prova disso é o recente mapa cerebral que alguns cientistas da Universidade de Washington fizeram. Esse mapa mostra que ainda há 97 áreas do cérebro que nós não conhecemos.

O mapa cerebral ou mapeamento cerebral é uma representação gráfica do cérebro. Ele é obtido a partir de diferentes técnicas de neuroimagem e mostra as diferentes áreas do cérebro e sua atividade.

Quando fazemos uso dessa ferramenta para fins de diagnóstico, é possível saber se um cérebro está dentro da normalidade ou se apresenta anomalias.

Os pesquisadores da Universidade de Washington, em colaboração com cientistas de Sant Louis, Missouri, Oxford, Londres, Minneapolis e Nijmegen, elaboraram um mapa cerebral de outro tipo.

Seu propósito era determinar todas as áreas que compõem o córtex cerebral empregando, para tanto, métodos de alta tecnologia. Foi assim que eles identificaram áreas do cérebro que não conhecemos.

“As pessoas costumam me perguntar como eu me interessei pelo cérebro. Minha resposta retórica é: como alguém pode não estar interessado nele? Tudo que você chama de natureza humana e consciência surge dali”.
-Vilayanur S. Ramachandran-

Cérebro flutuando

O método de pesquisa utilizado

Para identificar as áreas do cérebro que não conhecemos, os cientistas fizeram uso da colaboração de 210 voluntários. Todos eles eram pessoas jovens e todos também apresentavam um estado de saúde perfeito.

O objetivo era estudar cérebros que não tivesse sofrido nenhum comprometimento nem passado por nenhum problema.

Os pesquisadores utilizaram instrumentos da mais alta tecnologia. Em particular, empregaram um software capaz de detectar especificidade e contrastes nas diferentes regiões do cérebro. Detectaram, por assim dizer, a impressão digital de cada uma dessas zonas.

Essa amostra foi complementada com dados coletados de estudos post mortem. Algumas partes dos cérebros de pessoas falecidas foram examinados sob poderosos microscópios para ampliar, verificar ou precisar as descobertas.

O estudo completo foi publicado na revista científica Nature e mostrou que existem 97 novas áreas do cérebro que nós não conhecemos, ou pelo menos não conhecíamos até então.

A neurologia e as áreas do cérebro que não conhecemos

A neurologia é uma ciência jovem, que soma apenas pouco mais de um século de existência. Desde o seu início, essa disciplina postulou que o córtex cerebral estava dividido em zonas ou módulos.

Cada uma dessas áreas é especializada em determinadas funções. Mapeá-las, no entanto, era uma tarefa muito difícil e de resultados bastante imprecisos.

O primeiro a fazer um mapa cerebral foi o alemão Korbinian Brodmann, em 1909. Seu trabalho permitiu identificar que existiam 51 áreas diferentes no cérebro. Esse mapa se manteve vigente e permanece sem grandes mudanças até os dias de hoje.

Os neurologistas complementaram os estudos de Brodmann com dados extraídos de casos em que foi identificado um dano cerebral. A existência de lesões ou tumores permitiu verificar que o problema influenciava determinadas funções, fossem elas motoras, visuais, cognitivas ou de outra categoria. Dessa forma, foi possível chegar ao conhecimento que temos hoje.

Os pesquisadores Matthew Glasser e David Van Essen lideraram esse novo desenho do mapa cerebral. Na nova planificação do cérebro foram levados em consideração três critérios: função, microarquitetura local e conectividade.

Esses critérios determinariam a diferença entre as várias áreas do órgão. Foi assim que descobriram as 97 áreas do cérebro que não conhecemos.

Cérebro iluminado

Descobertas interessantes

Os cientistas conseguiram estabelecer que em cada hemisfério do córtex cerebral existem 180 áreas corticais. Dentre elas, há 97 áreas que não conhecemos. O novo mapa permitiu observar essas regiões com enorme clareza. Quase como se fossem um mapa com fronteiras políticas.

O estudo se chama Projeto Conectoma Humano e é financiado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos. Ainda falta muito trabalho para que ele seja concluído, pois todas as descobertas ainda não estão completamente claras.

Podemos dizer que temos apenas hipóteses de quais funções essas áreas do cérebro que não conhecemos cumprem.

Uma das zonas, chamada de 55n, despertou um interesse especial nos pesquisadores. Essa área se ilumina quando uma pessoa escuta uma história.

Outra zona que está criando uma grande expectativa é a chamada POS2. Os cientistas acreditam que se trata de uma área que controla funções complexas e altamente especializadas. Seu padrão é muito diferente do padrão de todas as demais áreas.

Na realidade, esse trabalho está apenas no começo. Todo o córtex pré-frontal, que é responsável pelas mais altas funções intelectuais do ser humano, quase não foi explorado. Espera-se que esse primeiro passo abra as portas para várias anos de pesquisas.

O futuro, com certeza, guarda grandes surpresas.

  • Casino, G. (2012). Conectoma Humano, el gran proyecto de la neurociencia. Alfa, (17), 16-19.