Soft skills: o que são e como são aprendidas

· setembro 5, 2018

No âmbito das soft skills encontramos uma combinação de habilidades sociais, de comunicação, do modo de ser e de aproximação dos outros, entre outras. Nesse sentido, as soft skills fazem com que uma pessoa em particular possa se relacionar e se comunicar de uma maneira mais ou menos inteligente. É, portanto, um componente muito apreciado atualmente, já que possibilita o bom funcionamento das instituições e das equipes de trabalho.

Seguindo essa ideia, existem muitas empresas no mundo que colocam seus olhos em profissionais capazes de desenvolver suas soft skills paralelamente aos seus estudos. Isso os torna candidatos muito mais interessantes para qualquer equipe de trabalho: pressupõe-se que eles, graças a essas habilidades, tenham uma boa aptidão para a comunicação e a empatia.

A importância das soft skills no ambiente profissional

Atualmente, a maioria das empresas tem passado a considerar outras características nos trabalhadores que buscam, além de sua formação ou experiência. Falamos de habilidades sociais, comunicação e de trabalho em equipe. Esses fatores podem ser determinantes em um processo de seleção, determinando a escolha de um ou outro candidato.

É aí que entram as soft skills, que nos permitirão nos apresentarmos como candidatos muito interessantes para uma determinada posição em uma entrevista de empregoSe você as trabalhar e as desenvolver, terá muita vantagem em relação aos outros candidatos.

Definição de soft skills

Soft skills mais valorizadas no ambiente de trabalho

Além da preparação acadêmica, estas são algumas das soft skills mais valorizadas nos processos de seleção para uma oportunidade de trabalho:

  • Autonomia
  • Liderança
  • Coerência
  • Integridade
  • Capacidade de atenção e de escuta
  • Autorregulação
  • Interesse
  • Curiosidade
  • Autenticidade
  • Responsabilidade pessoal e social
  • Capacidade de reflexão
  • Proatividade
  • Paixão
  • Motivação intrínseca
  • Lógica divergente
  • Humildade
  • Aprendizagem contínua
  • Empatia
  • Capacidade de síntese e de argumentação
  • Gerenciamento de tempo
  • Confiança

Como desenvolver as soft skills?

O processo de aprendizagem das soft skills, ou seu desenvolvimento, passa por quatro fases:

Fase de incompetência inconsciente

Em primeiro lugar, o processo de desenvolvimento das soft skills começa por uma fase em que não sabemos que essas competências existem. Elas fazem parte de muitos dos resultados que obtemos, mas não nos preocupamos com elas por não as identificamos como importantes.

Fase de incompetência consciente

O segundo passo começa quando percebemos que não possuímos nenhuma habilidade. Nesta fase, tomamos a decisão de avançar com a aprendizagem e os primeiros problemas começam a surgir. Portanto, esta fase exigirá toda a nossa atenção consciente.

Fase de competência consciente

Esta terceira fase do desenvolvimento de nossas soft skills será onde começaremos a estar conscientes de que estamos aprendendo. À medida que adquirimos uma competência, podemos ganhar confiança em nós mesmos e fortalecer essa habilidade cada vez mais.

Soft skills no ambiente de trabalho

Fase de competência inconsciente

Por último, chegamos à fase da competência inconsciente. Este momento é alcançado quando a habilidade em questão se integra tanto em nós que se tornou parte da nossa característica pessoal, impregnando nossas manifestações e tornando-as melhores em termos de adaptação ao ambiente.

Quando a competência é incorporada no inconsciente, sua aplicação surge de maneira praticamente instintiva, quase sem pensar. De fato, os outros podem pensar que se trata de uma habilidade inata.

Em suma, como muitas outras habilidades, nosso desempenho com elas melhora com a prática. No dia a dia, o conhecimento teórico e acadêmico não é suficiente; precisamos colocar em prática o que sabemos, especialmente quando se trata de habilidades sociais.

Finalmente, não podemos esquecer que as melhorias que alcançamos não são mais – nem menos – do que o resultado de um processo de aprendizagem. Talvez a genética, nesse sentido, tenha nos dado algumas características melhores ou piores, mas somos nós que temos a missão de desenvolvê-las e criar nossa própria cesta de habilidades sociais.