Superman: Red Son, o herói dos trabalhadores

Alguns dos melhores quadrinhos do Superman são aqueles que são autoconclusivos, que não requerem nenhum conhecimento prévio ou leitura. Red Son talvez seja o melhor de todos.
Superman: Red Son, o herói dos trabalhadores

Última atualização: 20 Maio, 2021

Em 2003, um dos mais reconhecidos escritores de histórias em quadrinhos dos últimos anos, Mark Millar, apresentou “Superman: Red Son”. Embora a obra não goze do mesmo reconhecimento de outras de suas criações, as suas virtudes são inegáveis.

A premissa é bastante simples: o super-homem cryptoniano pousou na Ucrânia em uma colcoz, um tipo de propriedade rural coletiva típica da antiga União Soviética, em vez de pousar no Kansas em 1938. Com uma educação soviética, a gentileza incutida nele por seus pais adotivos permaneceria, mas a sua manifestação seria bastante diferente.

Muitos dos personagens clássicos de seus desenhos animados desfilam pelas páginas de Red Son com uma nova abordagem. Não só os conhecedores do mundo do Superman encontrarão referências curiosas, mas o autor reinterpreta os acontecimentos centrais do século 20 sob essas regras.

A própria iconografia é uma reminiscência de cartazes comunistas e nos transporta ao ambiente que ela relata. Como toda história do gênero, não busca um realismo que seria absurdo, mas se aproxima dele a partir de um prisma sugestivo.

Histórias em quadrinhos

Camarada Superman

Dentre todas as questões sugestivas que essa premissa pode levantar, a mais interessante é, sem dúvida, como um fazendeiro ucraniano onipotente agiria no mundo comunista?

Obviamente, como ressalta um dos protagonistas dos quadrinhos, a existência do Superman é a negação direta da teoria marxista, a prova de que todos os homens não são iguais. Este paradoxo confronta o sistema soviético com as suas contradições, expondo por outro lado o seu real funcionamento orwelliano; alguns soviéticos eram “mais iguais do que outros”.

Mas Millar foge do reducionismo. A história é narrada pelo próprio Superman, não caindo no retrato diabólico da URSS. Ao contrário da sua contraparte clássica, este super-herói entende que a melhor maneira de usar os seus poderes não é de forma individual, privada e mais liberal, mas colocá-los ao serviço do Estado. Superman, assim como o restante do povo soviético, trabalha politicamente para o bem da nação e dos trabalhadores.

Camarada secretário geral

Ao contrário da história do século 20, uma União Soviética com o maior ícone pop americano em suas fileiras só poderia vencer as corridas armamentistas e espaciais. Como nos pesadelos ocidentais da década de 1960, o mundo capitalista está se aproximando dos Estados Unidos e do Chile, em um flerte à história desses países americanos. Aqui, o heroico Nixon é assassinado e Kennedy vive o suficiente para arruinar o seu legado.

Mas o poder abrangente do Superman parece mais uma distopia do que uma utopia. Diante das limitações que qualquer falcão soviético poderia ter, onde termina o poder do Estado quando um homem todo-poderoso sobe ao seu topo?

Millar apresenta uma questão básica, não importa quão boas sejam as intenções de quem o possui, o poder ilimitado se transforma em tirania. Além disso, o camarada Superman usará os métodos disponíveis na ficção científica para reprimir a liberdade caótica em busca da ordem perfeita, incluindo o controle da mente.

Rivais sob medida para Superman: Red Son

Se o Homem de Aço é o herói da URSS, Lex Luthor deve liderar a esperança americana, não sem crueldade. Diante da ordem tirânica, surge a dissidência libertária de Batman. A Mulher Maravilha mostrará a decepção de ver como o poder político corrompe as pessoas.

“Eu poderia cuidar dos problemas de todos se liderasse este país… E não há razão para não o fazer”.
– Superman in Superman Red Son –

Superman: Red Son, o herói dos trabalhadores

Superman: Red Son, muito mais do que uma paródia

Em suma, a obra tem mais virtudes do que o seu excelente desenho ou narração ágil. As constantes citações históricas vão além dos personagens e das visões dinâmicas que oferece deles. Talvez a sua maior conquista seja a maneira como captura a histeria da Guerra Fria.

Um homem com um super ouvido, uma super visão e com o poder de um míssil nuclear é a essência do Grande Irmão. A obsessão vivida em certos setores da política e da sociedade americana pelo crescente poder russo seria mais do que justificada aqui.

A reflexão política, embora bastante tímida, não é menos interessante por isso. Além disso, apresenta uma certa dicotomia entre liberdade e segurança, vista de forma mais aberta em obras do gênero, como Watchmen.

O Superman, como uma imagem do poder do estado, mostra tanto os benefícios que ele pode trazer quanto os abusos que pode gerar. No entanto, o equilíbrio e o limite desses dois valores já serão vistos na reflexão do leitor. Não é por acaso que o líder do mundo ocidental é Luthor, um vilão egoísta; aqui, a Guerra Fria não é um conflito maniqueísta. Os cinzas são uma constante nessa obra, tanto no roteiro quanto nos pincéis.

Pode interessar a você...
Pantera Negra: super-heróis e inclusão
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Pantera Negra: super-heróis e inclusão

É inegável que Pantera Negra, um filme do Universo Cinematográfico Marvel, representa um ponto de inflexão em relação ao gênero de super-heróis.



  • Millar, Mark (2003) Superman Red Son, DC Comics.