Teste de psicopatia de Robert Hare (PCL-R)

maio 26, 2020
Robert Hare é um dos grandes especialistas em personalidade psicopática e conduta criminal. Seu teste de psicopatia, o PCL-R, é o recurso mais significativo não apenas para detectar um psicopata, mas também para avaliar a sua inclinação para a violência.

O teste de psicopatia de Robert Hare, ou PCL-R, é um instrumento de referência internacional. É utilizado, sobretudo, para avaliar a população carcerária, mas também é útil no âmbito clínico e no forense. É um teste confiável e válido capaz de proporcionar informações interessantes sobre aspectos afetivos, interpessoais, problemas de comportamento, etc.

Este é, talvez, um dos recursos clínicos mais interessantes pela sua trajetória e pela pessoa que o criou. Robert Hare, doutor em psicologia e professor da Universidade da Colúmbia Britânica, surge como uma referência no campo do estudo criminal. Seus trabalhos na área da psicopatologia e psicofisiologia também são referência.

Ao criar este instrumento, ele tentou dar forma a um recurso capaz de oferecer informações valiosas sobre pessoas condenadas por cometer atos violentos. Seu teste teve um sucesso que se baseou em dois pilares: o primeiro, o fato de que é muito fácil de administrar.

São 20 itens (perguntas) com as quais o avaliador pode comparar a pessoa avaliada com o perfil típico de um psicopata.

O segundo aspecto pelo qual o teste de psicopatia de Robert Hare foi tão bem aceito é porque podia ser usado em outros âmbitos, além da população reclusa ou delinquente.

No âmbito clínico, começou a ser visto como uma ferramenta simples e válida para avaliar possíveis tendências violentas, de agressividade sexual em homens, mulheres e adolescentes, permitindo estimar – com uma margem de erro razoável – a probabilidade de que uma pessoa cometa algum delito.

Vejamos mais dados a seguir.

“Ele vai te escolher, te desarmar com as suas palavras e te controlar com a sua presença. Vai se deleitar com a sua genialidade e os seus planos. E depois de acabar com você, vai te abandonar e levar com ele a sua inocência e o seu orgulho”.
-Robert Hare

Jovem séria

Teste de psicopatia de Robert Hare: finalidade, aplicação e confiabilidade

Um dos melhores livros sobre a personalidade psicopática é Sem Consciência: O Mundo Perturbador dos Psicopatas que Vivem Entre Nós. Escrito por Robert Hare, reúne a grande experiência do autor nesse campo. Assim, o relato começa quando ele, na época um simples estudante de psicologia, começou suas práticas em diversos centros penitenciários.

Hare adverte nas páginas deste livro que os psicopatas (diferentemente dos sociopatas) nascem assim. Talvez por isso ele tenha enxergado a necessidade de desenvolver um instrumento para avaliar esses fatores subjacentes que, segundo ele, estão presentes em aproximadamente 1% da população.

O teste de psicopatia de Robert Hare, portanto, foi um recurso elaborado a partir da sua experiência prática, de inúmeros estudos, entrevistas e casos forenses.

O que o teste de psicopatia de Robert Hare avalia?

O teste de Robert Hare, também conhecido como PCL-R, é usado para avaliar a presença ou não de traços psicopáticos com finalidades clínicas, legais ou de pesquisa. Este teste foi criado na década de 1990.

Em um primeiro momento, foi eficaz para avaliar as tendências psicopatas de uma pessoa. No entanto, pouco a pouco, Hare e seu grupo de pesquisadores decidiram revisá-lo.

A razão por trás dessa decisão foi o fato de que a maioria dos psicopatas reincidem em seus atos violentos. Portanto, foi criado o atual PCL-R para poder avaliar o risco potencial de um sujeito condenado reincidir em seu delito.

Este teste é fundamental no âmbito legal para decidir a duração, o tipo de pena e o tratamento que indivíduos delinquentes com um perfil psicopático deveriam (ou não) receber.

Psicopata

Como esse teste é aplicado?

O teste de psicopatia de Robert Hare é composto por 20 itens. Na realidade, é uma escala de avaliação. Ou seja, é aplicado por meio de uma entrevista semiestruturada na qual o profissional deve avaliar cada pergunta formulada com uma pontuação entre 0 e 2.

Cabe destacar que o resultado dessa avaliação não decorre apenas da entrevista. Também é preciso levar em conta o histórico criminal da pessoa, os relatórios periciais, histórico profissional e familiar, atas de julgamentos, avaliações de iguais, etc.

Vejamos, portanto, quais são as dimensões avaliadas nesse teste de psicopatia:

  • 1. Loquacidade / Encanto superficial.
  • 2. Egocentrismo / Grande sensação de valor próprio.
  • 3. Necessidade de estimulação / Tendência ao tédio.
  • 4. Mentira patológica.
  • 5. Direção / Manipulação
  • 6. Falta de remorso e culpabilidade.
  • 7. Baixa profundidade dos afetos.
  • 8. Insensibilidade / Falta de empatia.
  • 9. Estilo de vida parasita.
  • 10. Falta de controle comportamental.
  • 11. Comportamento sexual promíscuo.
  • 12. Problemas de comportamento precoces.
  • 13. Falta de metas realistas a longo prazo.
  • 14. Impulsividade.
  • 15. Irresponsabilidade.
  • 16. Incapacidade de aceitar a responsabilidade das próprias ações.
  • 17. Várias relações conjugais breves.
  • 18. Delinquência juvenil.
  • 19. Revogação da liberdade condicional.
  • 20. Versatilidade criminal.

A realização desse teste, baseado, como já mencionamos, em uma entrevista e na análise de diversos relatórios, tem uma duração de uma hora e meia. O resultado obtido definirá a presença ou não de tendências psicopáticas, a significatividade das mesmas e a possibilidade de cometer atos violentos (ou de voltar a cometê-los).

Teste de psicopatia de Robert Hare

Confiabilidade e validade do teste de psicopatia de Robert Hare

Robert Hare destaca que, com esse teste, também podemos ver diante de qual tipo de psicopata estamos. Lembremos que nem todos os psicopatas matam nem cometem atos violentos. Uma boa parte deles se define apenas por uma personalidade manipulativa e narcisista, o que dificulta tanto a convivência quanto a sua identificação.

Diversas análises foram feitas para averiguar qual é a confiabilidade do teste PCL-R, e os resultados sempre demonstraram uma elevada consistência, validade e confiabilidade.

Destacamos, por exemplo, o estudo realizado pela Universidade de Carleton, em Ottawa, no Canadá. Este trabalho conduzido pelo Kristopher J. Brazil evidencia a utilidade desse teste tanto no âmbito forense quanto no clínico e em pesquisas.

Estamos diante de um instrumento muito interessante. Robert Hare continua sendo, aos 85 anos, uma grande referência e um dos maiores especialistas em matéria de psicopatia e comportamento criminal.

  • Allport, G, W. (1961). The Hare Psychopathy Checklist – Revised. Toronto Multihealth Systems. Holt, Rinchart & Winst. https://doi.org/10.1037/t01167-000
  • Hare, R., Hart, S. y Harpur,T. (1991). Psychopathy and the DSM-IV Criteria
    for Antisocial Personality Disorder. Journal of Abnormal Psychology. Vol.100(3), pp. 391-398