As crises retratam grandes pessoas

· março 4, 2018

A palavra crise deriva do verbo grego “krino”, que significa “eu julgo e escolho”. Este conceito sugere uma escolha ou momento em que diferentes perspectivas e oportunidades estão representadas (Onnis, 1900). Assim, podemos considerá-las como um processo de homeostase natural entre a pessoa e o meio ambiente. O equilíbrio é alcançado alterando nossos pesos e medidas ou reorganizando as estruturas. Portanto, os diferentes tipos de crises oferecem a possibilidade de mudanças que levam a novas formas de adaptação.

O que diferencia a funcionalidade de uma pessoa ou família não é a ausência de crises, mas como elas são confrontadas e como elas contribuem para o crescimento e desenvolvimento pessoal/familiar. Há eventos que, pela sua natureza ou pelo tempo que ocorrem, excedem os recursos e causam danos.

Os tipos de crises humanas

Ao longo da vida, cada pessoa deve enfrentar uma série de momentos críticos que podem ser classificados de diferentes maneiras. Do ponto de vista do desenvolvimento evolutivo de pessoas, existem dois tipos:

  • Normativas: específicos do seu ciclo de vida e esperados (casamento, busca de emprego ou moradia, aposentadoria…).
  • Não normativas: são as crises circunstanciais, imprevisíveis, acidentais e inesperadas, que são causadas por eventos. Ao surgirem de repente, elas exigem uma resposta imediata da pessoa.

As crises podem ser previsíveis ou não, mas todas têm um aspecto em comum: o problema que as motiva não pode ser resolvido. Em termos de saúde mental, os resultados de qualquer crise são iguais, mas a experiência pessoal varia.

Homem observando ondas quebrando

O que determina uma crise?

Nós não somos indivíduos isolados que têm crises pessoais isoladas em bolhas. Os fatores que determinam a evolução delas podem ser agrupados em três tipos:

  • Gravidade dos eventos que causam as crises.
  • Recursos familiares: papéis flexíveis, características socioeconômicas e funcionais, cuidados, apoio emocional…
  • Apoio social: família, amigos, comunidade ou outras pessoas importantes podem ajudar a minimizar os efeitos nocivos.

Com focos diferentes, a teoria dos acontecimentos vitais, a teoria cognitiva, a teoria do enfrentamento e a teoria da reativação das histórias passadas tentam explicar os tipos de crises. Novack (1978, citado por Slaikeu, 1996) sugere que a potencialidade de um evento para produzir uma crise depende do momento em que ocorre, da intensidade, duração e grau que interfere com o desenvolvimento da pessoa.

Seres humanos: uma espécie resistente

Desde tempos imemoriais, o homem sobreviveu a guerras incessantes, crises de larga escala, desastres, violênciaAs crises deixam a sua marca, que passa de geração em geração, mas também fica em nossas mentes e emoções.

Por que algumas pessoas que vivenciam uma situação crítica são gravemente afetadas e outras não? Porque um dos maiores problemas na saúde mental é a cronicidade ou a repetição em série de eventos críticos, além da pessoa ter poucos recursos para abordá-los.Flores crescendo em terreno árido

Todos os tipos de crises transmitem uma mensagem

As pessoas que passam por uma crise recebem uma mensagem. A mensagem pode ou não ser processada conscientemente e ela é projetada como um script mais tarde na vida da pessoa. Caplan se interessa em entender como a união do que acontece nos três primeiros dias e a descrição da experiência afeta seu funcionamento cognitivo. Dyregrov entende que a união desses elementos explica os mecanismos de adaptação de pessoas.

A forma como a história desses momentos críticos é integrada se projeta nos scripts da nossa vida futura. É impossível escapar da sensação e do significado imediato de um período desse tipo, mas depois eles podem ser modificados através de novas mensagens mais positivas.

O modo como as necessidades básicas de uma pessoa são atendidas após momentos críticos dificulta a criação de um script negativo generalizado. Também é importante procurar a conclusão que a pessoa fez sobre a experiência crítica. Falar de crise não significa falar de vitimismo. Vítimas de eventos críticos têm que passar pelo evento e continuar com suas vidas. Elas são grandes sobreviventes.

Referências bibliográficas

Van der Kolk, BA (2015). El cuerpo lleva la cuenta: cerebro, mente y cuerpo en la superacion del trauma. Eleftheria.

Gongora, J.N. Reflexiones sobre la crisis de Haití: del individuo a la comunidad.

Gongora, J.N. Crisis, conceptos y procedimientos.