Tontura de ansiedade: um mecanismo de sobrevivência

Se você já teve um ataque de pânico ou altos níveis de ansiedade, provavelmente já sentiu tontura nesses momentos. Descubra os motivos.
Tontura de ansiedade: um mecanismo de sobrevivência

Última atualização: 01 junho, 2022

A tontura de ansiedade é um sintoma comum desse tipo de transtorno. Elas são geralmente descritas como uma uma sensação de leveza ou atordoamento, acompanhada de uma desagradável sensação de movimento. Entende-se que a tontura de ansiedade produz um estreitamento da consciência, mal-estar, hipotonia muscular e visão turva ou em túnel.

Assim, a tontura às vezes pode fazer com que o corpo pareça estar balançando, apesar de estar parado. Em outros, pode até causar desmaios ou perda de consciência e pode aparecer repentina ou gradualmente.

Este tipo de tontura é comum quando se sofre de ansiedade. No entanto, às vezes esse sintoma se deve a outros motivos, como desidratação, pressão alta ou hipoglicemia e, por sua vez, pode gerar ansiedade em quem sofre com isso.

Homem tonto ansioso

Por que ocorrem?

Basicamente, a emoção negativa geral e o medo que a ansiedade produz ativa o sistema nervoso, afetando o sistema nervoso simpático. Essa ativação faz com que a tensão muscular aumente e a respiração e a frequência cardíaca acelerem.

No entanto, se a ameaça ou o estímulo que gera o estresse (que pode ser um pensamento) não desaparece, a resposta física continua, esgotando o corpo e fazendo com que ele reaja perdendo o tônus muscular e causando tontura. Em outras palavras, a tontura é uma resposta corporal para enfrentar e sobreviver à ativação gerada por uma situação de perigo real ou percebido.

Assim, por um lado, a tontura por ansiedade ocorre devido à hiperventilação, que faz com que o oxigênio no sangue aumente rapidamente, diante de uma ameaça, para gerar mais energia. Isso leva a um aumento da sensação de asfixia, dormência das extremidades e, com isso, tontura.

Por outro lado, ocorre o que é chamado de pré-síncope vasovagal. Nele, devido ao aumento da frequência cardíaca e à dilatação dos vasos sanguíneos, o próprio sistema parassimpático fará com que a frequência caia acentuadamente e traga menos sangue ao cérebro. Neste momento, ocorre uma perda de consciência fraca ou completa.

É importante saber que a tontura, embora vivida de forma muito negativa, não é perigosa para quem a sofre. No entanto, é necessário estar atento e descartar que sejam devidos a outra condição médica. Por isso, é útil ter em conta a frequência com que ocorrem e, sobretudo, se ocorrem sempre em situações de stress ou não. Da mesma forma, há muitas pessoas que sofrem de tontura e não sabem que são produto da ansiedade.

Neurobiologia da tontura devido à ansiedade

A tontura, em nível fisiológico, é produzida pela ativação do sistema vestibular. Este sistema é responsável pelo senso de postura, equilíbrio e movimento do corpo. Para responder a isso, o sistema começa no ouvido interno, cuja formação informa a posição da cabeça em relação ao solo e a velocidade do movimento.

O sistema vestibular está ligado ao sistema límbico, especializado em informações emocionais como medo e ansiedade. Especificamente, ambos os sistemas estão conectados no núcleo parabraquial, na ponte do tronco cerebral. Entre suas funções estão a regulação da temperatura, paladar, controle de açúcar no sangue, prazer e excitação corporal.

Nesse sentido, existem vários neurotransmissores envolvidos na tontura devido à ansiedade. Essa área está relacionada aos neurônios glutamatérgicos, que produzem o estado de vigília. Por outro lado, os níveis de cortisol têm sido relacionados à ansiedade, levando à conclusão de que o estresse crônico é a principal causa de tontura.

Mulher tonta de ansiedade

Como lidar com isso?

Principalmente, se você sofre de tontura devido à ansiedade, ou ansiedade em geral, é melhor ir a um especialista para reduzir esse estado e achar ferramentas que o ajudem a gerenciá-la melhor. Como parte desse processo, um dos aspectos mais importantes do gerenciamento da ansiedade é aprender a identificar os sintomas.

Para fazer isso, você deve observar seu próprio corpo e quando elas costumam acontecer. Desta forma, e com as ferramentas certas, quando começar a notar o aparecimento de tonturas, pode fazer algo para as minimizar.

Por exemplo, através de técnicas de relaxamento. Aprender um uso rápido e eficaz do relaxamento leva tempo. No entanto, as técnicas de respiração diafragmática são muito simples e podem fazer com que a ansiedade e a tontura desapareçam rapidamente.

Além disso, em geral, as crenças que geram ansiedade serão trabalhadas por meio da reestruturação cognitiva. Com o trabalho de um psicólogo, serão analisados os pensamentos que desencadeiam os episódios ansiosos; pouco a pouco, eles serão modificados e substituídos por outros pensamentos menos nocivos.

Finalmente, para reduzir a probabilidade de sofrer tonturas devido à ansiedade, recomendam-se práticas gerais de cuidados de saúde: como manter uma boa higiene do sono ou uma dieta equilibrada e adaptada ao nosso gasto calórico diário.

Pode interessar a você...
9 sintomas raros de ansiedade que muitas vezes passam despercebidos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
9 sintomas raros de ansiedade que muitas vezes passam despercebidos

Os sintomas raros de ansiedade podem variar de padrões comportamentais a cognitivos e até físicos. Entenda!