Diferenças entre transtorno bipolar e labilidade emocional

Transtorno bipolar e labilidade emocional são a mesma coisa? Neste artigo, você descobrirá por que alguém não é bipolar apenas por ser emocionalmente instável.
Diferenças entre transtorno bipolar e labilidade emocional

Última atualização: 15 Maio, 2021

Embora possa parecer que o transtorno bipolar está relacionado à instabilidade ou labilidade emocional, estes são conceitos com diferenças importantes, e neste artigo explicaremos o porquê. Certamente você já ouviu falar sobre o transtorno bipolar, ou, ao ouvir esse termo, imagine alguém com mudanças repentinas de humor.

No entanto, o transtorno bipolar não é isso e, na verdade, é um transtorno muito mais complexo. O que é e o que não é transtorno bipolar? Como ele se diferencia da labilidade afetiva (variabilidade anormal da expressão do afeto)?

Transtorno bipolar: o que é e o que não é?

O transtorno bipolar é um transtorno do humor caracterizado pela presença de episódios maníacos ou hipomaníacos e por episódios depressivos. Portanto, ele vai muito além de ser emocionalmente instável e, de fato, esse conceito é mal utilizado na linguagem cotidiana.

Por quê? Porque muitas pessoas falam sobre alguém ser “bipolar” quando essa pessoa tem alguma instabilidade ou labilidade emocional ou mostra alterações de humor recorrentes. No entanto, a definição de transtorno bipolar não vai necessariamente por esse caminho, embora as pessoas com transtorno bipolar também possam ter labilidade emocional.

Transtorno bipolar: o que é e o que não é?

Tipos de bipolaridade

Ser bipolar implica o aparecimento desses episódios que mencionamos. Um episódio maníaco dura pelo menos 1 semana (portanto, não estamos falando sobre um momento específico). Um episódio hipomaníaco dura pelo menos 4 dias, e um episódio depressivo pelo menos 2 semanas.

No transtorno bipolar, deve ter ocorrido pelo menos um episódio maníaco ou hipomaníaco e um episódio depressivo ao longo do tempo. Estamos falando do transtorno bipolar do tipo I quando um episódio maníaco e um episódio depressivo aparecem, e do transtorno bipolar do tipo II quando um episódio hipomaníaco e um episódio depressivo aparecem.

Episódios do transtorno bipolar

Um episódio maníaco é definido como um humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável. Registram-se níveis anormais e persistentemente aumentados de atividade e energia, com sintomas como autoestima exagerada ou grandiosidade, diminuição da necessidade de sono, verborragia, fuga de ideias, etc.

No caso do episódio hipomaníaco, os sintomas são os mesmos, exceto pela temporalidade (neste caso, dura 4 dias e não 7) e o episódio é menos grave ou não requer internação.

o episódio depressivo é caracterizado por um humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias, ou por uma diminuição do interesse ou da capacidade para o prazer (apatia ou anedonia), seguido de outros sintomas como insônia ou hipersonia, fadiga ou perda de energia, sensação de inutilidade, agitação ou desaceleração psicomotora, etc.

Diferenças entre transtorno bipolar e labilidade emocional

Definimos o transtorno bipolar, mas e quanto à labilidade emocional? Ela é definida como a variabilidade anormal da expressão do afeto, com mudanças repetidas, rápidas e repentinas. Seria como um equivalente à instabilidade emocional.

Pessoas que apresentam labilidade emocional são vistas pelos outros como pessoas intensas, que vão de uma emoção para outra em questão de segundos ou minutos. Nesse sentido, é difícil para eles encontrar um equilíbrio nas suas emoções (e as suas mudanças aparecem rapidamente).

Transtorno bipolar e labilidade emocional

Quais são as diferenças entre transtorno bipolar e labilidade emocional? Em primeiro lugar, o transtorno bipolar é um transtorno grave e a labilidade emocional é uma característica da pessoa. Em outras palavras, a labilidade emocional não é um transtorno mental, embora seja um transtorno afetivo.

Por outro lado, a labilidade emocional envolve mudanças repentinas de humor: ou seja, as mudanças ocorrem rapidamente e são intercaladas. Em contraste, no transtorno bipolar, as mudanças não são tão repentinas e a duração da euforia (episódio maníaco) ou tristeza e anedonia (episódio depressivo) é mais longa.

Lembre-se de que esses episódios duram pelo menos 4 dias. Em contraste, a mudança dos estados afetivos na labilidade emocional pode durar minutos. Finalmente, o transtorno bipolar requer medicação (o lítio costuma ser usado), enquanto a labilidade emocional geralmente é tratada apenas com a psicoterapia.

Mulher chorando no chuveiro

Pensamentos finais

Como podemos ver, transtorno bipolar e labilidade emocional são dois conceitos que não devem ser confundidos. Enquanto o primeiro constitui um verdadeiro transtorno mental, no segundo caso estamos falando de uma alteração da afetividade. Ambas as situações geram interferências na vida da pessoa, mas o transtorno bipolar gera um impacto muito maior.

Existem pessoas com transtorno bipolar que apresentam labilidade emocional, mas não por serem emocionalmente lábeis as pessoas são bipolares (para isso é necessária a presença dos episódios afetivos explicados). Aqui reside uma das diferenças mais importantes que nos permitirá distinguir esses conceitos.

“A bipolaridade é uma ótima professora. É um desafio que o prepara para enfrentar quase tudo na sua vida”.
-Carrie Fisher-

Pode interessar a você...
O transtorno bipolar e as relações afetivas
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
O transtorno bipolar e as relações afetivas

Embora quando a pessoa está controlada não haja grandes problemas, é preciso saber lidar com a relação entre transtorno bipolar e relações afetivas.



  • American Psychiatric Association –APA- (2014). DSM-5. Manual diagnóstico y estadístico de los trastornos mentales. Madrid: Panamericana.
  • Caballo (2002). Manual para el tratamiento cognitivo-conductual de los trastornos psicológicos. Vol. 1 y 2. Madrid. Siglo XXI.
  • Harrington R. (2005). Affective disorders. Child and Adolescent Psychiatry. 4th ed. Oxford: Blackwel Publising.
  • Hilty, D.M., Leamon, M.H., Lim, R.F., Kelly, R.H. y Hales, R.E. (2006). A Review of Bipolar Disorder in Adults. Psychiatry (Edgmont), 3(9): 43-55.