Transtorno de adaptação: você se sente sobrecarregado?

· março 6, 2018

Você sabe o que é o transtorno de adaptação? Muitas vezes, após passar por um problema (perda de emprego, doença grave, divórcio, problemas financeiros, etc.) ou mudanças importantes em sua vida (casamento, nascimento dos filhos, mudança de residência, etc.) você se sente sobrecarregado. Pode ser que você se sinta nervoso, irritado, triste ou apresente sintomas de ansiedade.

Se você se sentir desta forma após esses eventos estressantes, isso é completamente normal. No entanto, se estes sintomas interferem significativamente na sua vida diária, você pode estar sofrendo de transtorno de adaptação.

O transtorno de adaptação está incluído no Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-V), na categoria de transtornos relacionados a traumas e fatores de estresse. Traumas e distúrbios relacionados a fatores de estresse são distúrbios em que a exposição a um evento traumático ou estressante aparece, explicitamente, como um critério de diagnóstico.

Mulher com preocupações

Os transtornos incluídos nesta categoria são os seguintes:

  • Transtorno de estresse pós-traumático.
  • Transtorno de estresse agudo.
  • Transtorno de apego reativo.
  • Transtorno de interação social desinibida.
  • Transtorno de adaptação.

O mal-estar psicológico após ter sofrido um evento traumático ou estressante é bastante variável. Em alguns casos, os sintomas podem ser baseados em medo e ansiedade. No entanto, muitas pessoas que foram expostas a um evento traumático ou estressante exibem sintomas como desânimo, raiva, hostilidade ou sintomas dissociativos.

Devido a esta diversidade de sintomas, após a exposição a um evento traumático ou estressante, os transtornos citados acima foram agrupados na categoria “trauma e distúrbios relacionados a fatores de estresse”. Algumas pessoas superam decepções mais rápido do que outras. Quando a adaptação a essas mudanças dura mais de 3 meses e a recuperação é muito difícil, é possível que seja um caso de transtorno de adaptação.

O que é transtorno de adaptação?

A característica central deste transtorno é a presença de sintomas emocionais ou comportamentos em resposta a um fator de estresse identificável. Este fator de estresse pode ser um evento único, como o fim de um relacionamento, mas também podem existir vários fatores de estresse, como problemas no trabalho ou no casamento.

Os fatores de estresse (ou problemas, para usar um nome mais comum) podem aparecer várias vezes (como crises passageiras em um negócio ou insatisfação em relações sexuais). Também podem aparecer de forma contínua (como uma doença persistente ou viver em uma região de alta criminalidade).

Estes fatores de estresse podem afetar apenas você, ou uma família inteira e grupos maiores ou comunidade (por exemplo, um desastre natural). Alguns desses problemas podem acompanhar o desenvolvimento de certos eventos (ir à escola, sair da casa da família, casar, ser mãe, etc.).

Os transtornos de adaptação também podem aparecer como consequência da morte de um ente querido. Isto acontece quando a intensidade, qualidade ou persistência das reações de luto excedem o que normalmente seria esperado. Do mesmo modo, os transtornos de adaptação estão associados a um grande risco de tentativas de suicídio e com um maior número de suicídios realizados.

Homem estressado sem saber lidar com os problemas

Como um psicólogo diagnostica um transtorno de adaptação?

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-V), devem ser observados os seguintes critérios diagnósticos:

A- Desenvolvimento de sintomas emocionais ou comportamentais em resposta a um fator ou fatores de estresse identificáveis. São produzidos nos três meses após o início do fator de estresse.

B- Estes sintomas ou comportamentos são clinicamente significativos. Isto é evidenciado por uma ou ambas das seguintes características:

  • Mal-estar intenso e desproporcional em relação à gravidade ou intensidade do fator de estresse. O contexto externo e os fatores culturais que podem influenciar a gravidade e a apresentação dos sintomas devem ser levados em consideração.
  • Diminuição significativa nas áreas sociais, de trabalho ou outras áreas importantes de funcionamento.

C- A alteração relacionada ao estresse não atende aos critérios para outro transtorno mental e não é simplesmente uma exacerbação de um transtorno mental pré-existente.

D- Os sintomas não representam um luto normal.

E- Uma vez que o fator de estresse ou suas consequências tenham acabado, os sintomas não se mantêm por mais de seis meses.

Psicóloga e paciente

Quais são os tipos de transtorno de adaptação?

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-V), os tipos de transtorno de adaptação são:

  • Estado de ânimo deprimido: desânimo, vontade de chorar e falta de esperança predominam.
  • Ansiedade: predomina o nervosismo, a preocupação, a agitação ou a ansiedade de separação.
  • Transtorno de adaptação com ansiedade mista e estado de ânimo deprimido: predomina uma combinação de depressão e ansiedade.
  • Alteração comportamental: predomina a alteração de comportamento.
  • Alteração mista de emoções e comportamento: predominam os sintomas emocionais e uma alteração do comportamento.
  • Não especificado: para reações que não podem ser classificadas como um dos subtipos específicos do transtorno de adaptação.

O DSM-V também permite especificar se o transtorno de adaptação é agudo (se durar menos de 6 meses) ou persistente (seis meses ou mais).

Como o transtorno de adaptação se desenvolve?

Depois de sofrer um problema ou fator estressante em nossa vida diária, começamos a sentir os sintomas nos 3 meses seguintes. Uma vez que o problema tenha desaparecido, os sintomas não duram mais de 6 meses.

Se o problema é um evento agudo (ser demitido do trabalho, por exemplo) o início dos sintomas é, de maneira geral, imediato, em poucos dias, e a duração é relativamente breve (não mais do que alguns poucos meses). Se o problema ou suas consequências persistirem, o transtorno de adaptação poderia continuar e tornar-se crônico ou persistente.

Mulher com ansiedade

O transtorno de adaptação é comum?

O transtorno de ajuste é muito comum, embora a maioria possa variar amplamente, dependendo da população estudada e dos métodos de avaliação utilizados. A porcentagem de pessoas em tratamento ambulatorial de saúde mental com diagnóstico de transtorno de adaptação varia entre 5 e 20%.

Num contexto de consulta psiquiátrica hospitalar, é frequentemente o diagnóstico mais comum e muitas vezes atinge 50%.

Quais fatores de risco podem levar ao transtorno de adaptação?

As pessoas com uma vida desfavorecida estão sujeitas a altos níveis de fatores estressantes. Essas pessoas podem ter um maior risco de sofrer esse transtorno.

Ao mesmo tempo, o contexto cultural da pessoa deve ser levado em consideração ao fazer o diagnóstico. É necessário estudar se a resposta dela ao fator estressante não é inadequada ou se o desconforto psíquico associado é maior ou não do que o esperado.

Mulher refletindo diante do pôr do sol

O que posso fazer se achar que sofro de um transtorno de adaptação?

Em primeiro lugar, o melhor é ir a um psicólogo ou psiquiatra. Se houver um problema que está te sobrecarregando, você pode seguir estas recomendações:

  • Recorde se você experimentou uma situação semelhante antes e como você resolveu.
  • Fale sobre como se sente com sua família e amigos.
  • Organize suas ideias. Agora pode ser que tudo o preocupe, mas certamente algumas coisas preocupam mais do que outras. Escreva seus problemas atuais em um caderno e classifique-os de acordo com o grau de preocupação que eles causam, do menor ao maior. Você verá que algumas coisas não são tão importantes.
  • Selecione um único problema. Comece pelo que é mais fácil de resolver.
  • Pense em como executar a solução para o problema e comece. Comece a mudar.
  • Faça exercícios físicos, tome banhos relaxantes, tenha momentos de lazer…

Se seus problemas não se resolvem ou você não pode controlar os sintomas, então consulte seu médico de confiança ou um psicólogo. Os psicólogos podem ajudar, mesmo que não haja transtorno.

Referências bibliográficas:

  • American Psychiatry Association (2002). Manual diagnóstico y estatístico dos transtornos mentais (DSM-V), 4ª Ed. Madrid: Editorial Médica Panamericana.
  • Popper, K. (1995). A responsabilidade de viver. Barcelona: Paidós.