Transtornos somatoformes: sintomas e tratamento

Transtornos somatoformes: sintomas e tratamento

Fevereiro 16, 2018 em Psicologia 102 Compartilhados
Mulher com transtornos somatoformes

Os transtornos somatoformes revelam quão difícil é separar os efeitos que o corpo e a mente têm sobre a saúde de uma pessoa. A forte interconexão que mantém estas duas dimensões complica consideravelmente o diagnóstico e tratamento deste tipo de transtornos.

Antes de continuar, é conveniente distingui-los dos transtornos psicossomáticos. Embora em ambos os gatilhos sejam psicológicos e existam sintomas físicos, nos transtornos psicossomáticos há um dano no sistema fisiológico correspondente, enquanto nos somatoformes não há uma patologia orgânica demonstrável. Portanto, falamos de transtornos somatoformes quando existem sintomas físicos, mas não sintomas orgânicos ou mecanismos fisiológicos demonstráveis. Além disso, existem provas de conflitos psicológicos ligados a esta sintomatologia.

As pessoas com esse tipo de transtorno fazem de seus sintomas o epicentro de sua vida. Inclusive, os desconfortos que sentem chegam a absorvê-las completamente. No entanto, em muitos casos, sua preocupação é desproporcional em relação aos sintomas que apresentam.

Ampliação excessiva

Como vimos, os pacientes que sofrem de transtornos somatoformes apresentam sintomas físicos cuja origem é psicológica. Essas condições são acompanhadas por altos níveis de angústia, preocupação e dificuldades para seu funcionamento diário. Seu quadro clínico poderia ser resumido nos seguintes pontos principais:

  • Preocupação excessiva sobre seus sintomas e/ou perturbação da sua vida normal.
  • Pensamentos recorrentes, constantes e obsessivos sobre a possível gravidade de seus sintomas.
  • Extrema angústia por sua saúde e pelas consequências catastróficas que podem ter os sintomas que sofrem.
  • Investimento de uma quantidade desproporcional de tempo e energia em seus problemas de saúde.

Mulher sentindo dores

Geram dependência

A cronicidade dos sintomas físicos e a crença nas consequências catastróficas que as dores podem ter fazem com que essas pessoas desenvolvam dependência em relação aos outros. Esses pacientes geram em seu ambiente a necessidade de serem cuidados e atendidos frequentemente. De modo que, por um lado, evadem suas responsabilidades e, por outro lado, exigem dedicação, ajuda e apoio de uma maneira agonizante para as pessoas ao seu redor.

Além disso, muitas vezes se irritam se acreditam que não recebem tempo ou a atenção que merecem ou se suas necessidades são subestimadas. Eles podem ameaçar e, em alguns casos mais complexos, tentar cometer suicídio. Como podemos ver, os transtornos somatoformes são muito sérios se não forem detectados a tempo.

São difíceis de detectar

Como detectar um transtorno para o qual existem sintomas físicos, mas não uma lesão orgânica? Ou seja, que diagnóstico tem um conjunto de desconfortos que afligem o paciente, mas cuja causa não é encontrada em uma doença física conclusiva? As respostas para essas questões são encontradas no componente psicológico desses transtornos. Por isso, para diagnosticá-lo “não deve haver uma base somática que justifique os sintomas” (DSM-IV).

No entanto, seria inadequado que os médicos diagnosticassem este quadro clínico como um transtorno mental quando não encontrassem uma causa física dos sintomas do paciente. Antes devem garantir que os testes realizados tenham sido os mais apropriados e que os resultados dos testes estejam corretos.

Também é provável que algumas pessoas reajam excessivamente aos seus sintomas porque o seu limite de dor é menor que o estabelecido dentro da normalidade. Mas isso não significa que eles sofram de uma doença mental.

Este tipo de transtorno deve ser diagnosticado uma vez que possíveis distúrbios físicos ou orgânicos tenham sido descartados como uma causa, e somente se a resposta aos sintomas for anormalmente intensa.

Homem com dor no estômago

Tipos de transtornos somatoformes

Para categorizar um transtorno como somatoforme é necessário ser guiado pela resposta que a pessoa emite diante de seus sintomas ou problemas de saúde. Ou seja, sua preocupação, angústia e o grau de interferência que seus desconfortos têm em suas tarefas e deveres diários. Portanto, dependendo dessas reações, distinguem-se os seguintes distúrbios específicos (DSM-IV e CIE-10):

  • Somatização: geralmente se detecta após anos de sofrimento. Os sintomas podem aparecer em qualquer parte do corpo, mas os mais frequentes são os desconfortos gastrointestinais (dor, inchaço, vômitos, náuseas, etc.) e dérmicos (queimação, formigamento, dormência, vermelhidão, etc.). Às vezes, também há sinais de quadros depressivos ou ansiosos.
  • Somatoforme indiferenciado: se caracteriza pelo aparecimento de várias queixas físicas, variáveis ​​e persistentes, mas pouco explicadas. Ou seja, seus sintomas são insuficientes para estabelecer o diagnóstico de transtorno de somatização.
  • Hipocondríaco: Provavelmente seja o mais conhecido nos tipos de transtornos somatoformes. Seus principais sintomas são a preocupação e o medo de desenvolver ou ter uma ou várias doenças graves progressivas. Muitas vezes, o paciente categoriza sensações normais ou frequentes como fenômenos excepcionais e incômodos.
  • Disfunção autonômica somatoforme: seus sintomas se manifestam nos órgãos inervados pelo sistema nervoso autônomo. Esses são o cardiovascular, gastrointestinal ou respiratório, entre outros. Uma combinação de sinais objetivos de hiperatividade (palpitações, sudorese, rubor e tremor) e outros individuais, subjetivos e inespecíficos.
  • Distúrbio de dor persistente: caracterizado por uma dor intensa, que se apresenta principalmente em circunstâncias de conflito ou problemas.
  • Outros: alterações da sensibilidade não decorrentes de transtornos somáticos e relacionadas a problemas ou eventos estressantes. O ranger de dentes é um dos exemplos.

Tratamento cognitivo-comportamental

Embora existam estudos sobre o tratamento farmacológico da dor, atualmente não há base científica suficiente para fazer recomendações terapêuticas confiáveis. No entanto, é conveniente que o paciente recorra à psicoterapia e, especificamente, à abordagem cognitivo-comportamental. Isso pode ajudar a reduzir a preocupação e a ansiedade sobre seus sintomas.

Uma abordagem integrativa que combina a terapia cognitivo-comportamental com a terapia interpessoal também é eficaz. Isso contempla as duas principais características dos pacientes com tendências somatizadoras: o modo desajustado de perceber e avaliar como estão a nível de saúde e a forma inadequada de comunicação para expressar seu desconforto para os outros.

Estes tipos de doenças têm uma alta prevalência em nossa sociedade. Embora não seja necessário ficar obcecado, em alguns casos os sintomas físicos podem ser o produto de uma doença mental. Isso, como dissemos no início do artigo, é o resultado da interação que existe entre o corpo e a mente. Agora, onde está o limite entre os sintomas físicos e mentais?

Recomendados para você