Tumushido, um belo conto popular do oriente - A Mente é Maravilhosa

Tumushido, um belo conto popular do oriente

Maio 16, 2018 em Curiosidades 0 Compartilhados
Tumushido, um belo conto popular do oriente

Este belo conto popular do oriente é dividido em duas partes. Cada uma delas tem seu próprio ensinamento, mas apenas um protagonista: o mestre Tumushido. Um velho muito sábio, que viveu há milhares de anos e que ainda é lembrado por tudo o que ensinou.

A primeira parte da história diz que havia um samurai imponente em uma aldeia remota. Era um dos guerreiros mais violentos da região. Todos o conheciam porque era extremamente irascível. Não tolerava que ninguém o contrariasse e tinha um orgulho exagerado.

“A palavra é metade de quem a pronuncia, metade de quem a ouve”.
-Michelle de la Montaigne

O samurai reagia com tanta ferocidade e agilidade que todos o temiam. Se alguém o contrariasse, simplesmente sacava sua espada e imediatamente qualquer um se intimidava. Este guerreiro partiu em uma viagem e passou por uma pequena aldeia em que todos os habitantes pareciam apressados ​​e se dirigiram para o mesmo lugar.

O mestre Tumushido

Intrigado com o que estava acontecendo, o samurai parou um dos homens que corria apressadamente. Ele perguntou o que estava acontecendo. O homem lhe disse que todos estavam indo para a casa do mestre Tumushido. O samurai ficou surpreso.

“Quem é o mestre Tumushido?, ele logo perguntou. O homem ficou surpreso. Não podia acreditar que não havia ouvido falar dele. “É o mais sábio dos mestres. Todas as tardes, a essa hora, nos oferece seus ensinamentos. E todas as pessoas da aldeia vão para ouvi-lo”.

O samurai ficou curioso. Jamais havia ouvido falar do mestre Tumushido, mas obviamente era alguém que todos respeitavam. Sua arrogância e seu orgulho se incendiaram. Não tolerava nem pensar que alguém pudesse ser superior a ele.

O encontro com o mestre

O samurai não aguentou. Tinha que ouvir o mestre Tumushido, para ver se ele merecia a fama que tinha. Ele então foi até o local onde toda a aldeia estava reunida. Quando chegou, o professor estava dizendo que a palavra era a força mais poderosa da Terra.

Monge budista meditando

O samurai gritou com raiva: “Você é um idiota completo! A maior força do mundo é a espada, homem ignorante! O mestre Tumushido se levantou da cadeira e gritou: “Como diz isso! Você é um estúpido! De longe se vê o estúpido que você é!

Ao ouvir isso, o samurai ficou furioso. Saltou do lugar de onde estava, com a espada na mão, pegou o mestre e ameaçou cortar sua garganta. Tumushido então começou a implorar por sua vida. “Não me mate, corajoso samurai. Perdoe minha ofensa. Percebi que sua espada é a coisa mais poderosa da terra”. O guerreiro então se acalmou. “Eu perdoo sua vida. Você é um bom homem”, disse.

Então, o mestre Tumushido disse: A palavra é a força mais poderosa da Terra. Viu como lhe dominei através disso? Eu quis que você me atacasse e você o fez. Então eu quis que você se acalmasse e você também me obedeceu”.

O segundo samurai

Quando um segundo samurai ouviu a história anterior, sentiu que a curiosidade o tomava. Queria conhecer aquele homem sábio e mostrar-lhe que não poderia ser dominado pela força da palavra. Assim, se dirigiu para a aldeia, convencido de que poderia provar que Tumushido era apenas uma farsa.

Quando chegou à aldeia, o mestre Tumushido estava no centro da praça. Conversava com um grupo de pessoas que o ouviam. O segundo samurai ficou confuso entre a multidão. Quando ninguém esperava, soltou um grito terrível que assustou a todos. Eu desafio você velho farsante! Se você é tão sábio e poderoso, você também pode me enfrentar e sair vitorioso!O sábio o olhou por um momento. Então, fez um gesto positivo, em sinal de que aceitava o desafio.

Todos os presentes fizeram um círculo. No meio estavam o segundo samurai e o mestre Tumushido. Este último fechou os olhos e se sentou, numa atitude submissa. O guerreiro achou que ele havia se intimidado e então quis provocá-lo. Começou a gritar os piores insultos que conhecia. Mesmo assim, a mestre não reagia. Durou várias horas fazendo isso, até que se cansou. Então saiu exausto, indicando que, na realidade, o velho era apenas um farsante.

Mãos de monge idoso

Quando o segundo samurai partiu, as pessoas ficaram confusas. “Como é possível que você se deixe ser insultado dessa maneira, sem reagir? Perguntaram a ele. Se alguém lhe der um presente e você não o aceitar, a quem pertence esse presente? Perguntou o mestre Tumushido. “A quem quis entregá-lo”, respondeu um jovem. Pois o mesmo vale para a raiva, os insultos e o ódio. Quando não são aceitos, seguem pertencendo a quem os traz consigo”, respondeu o professor.

Recomendados para você