Um livro pode mudar sua vida, de acordo com um estudo

Um livro pode mudar vidas se o que ele conta estiver relacionado ao que somos e ao que fazemos. Um grupo de cientistas chegou a essa conclusão e decidiu investigar até que ponto uma leitura modificava o comportamento.
Um livro pode mudar sua vida, de acordo com um estudo

Última atualização: 17 junho, 2022

A leitura pode enriquecer uma pessoa de muitas maneiras e em muitos campos. Ajuda a desenvolver habilidades intelectuais, proporciona prazer e aumenta seu conhecimento, entre outros aspectos. Um estudo recente indica que as consequências podem ir ainda mais longe: um livro pode mudar vidas.

De modo geral, o que esta pesquisa destaca é que a experiência de leitura, em algumas ocasiões, torna-se muito intensa. Isso, em princípio, muda o comportamento imediato das pessoas. No entanto, mesmo um livro pode mudar sua vida a longo prazo.

Por que isso acontece? Para simplificar, há momentos em que há uma forte identificação com os personagens de uma história. Da mesma forma, a história é tão absorvente que é vivida como se voce estivesse realmente vivendo ela. É por isso que um livro pode mudar sua vida. Vamos dar uma olhada mais de perto no tema.

Um livro aberto é um cérebro que fala; fechado, um amigo que espera; esquecido, uma alma que perdoa; destruído, um coração que chora ”.

-Provérbio hindu-

pessoa lendo um livro
A leitura ajuda você a ter um pensamento mais crítico.

Um livro pode mudar sua vida

O estudo sobre o impacto da leitura na vida foi realizado por especialistas da Universidade de Ohio, liderados pela Dra. Lisa Libby. A pesquisa foi publicada no Journal of Personality and Social Psychology. Ela destaca que alguns textos geram um fenômeno chamado “experiência compartilhada”. É como se o leitor vivesse o que a história narra e  isso tem efeitos na vida real.

Para chegar à conclusão de que um livro pode mudar vidas, vários experimentos foram realizados. Um dos testes mais interessantes foi aquele em que trabalharam com 82 voluntários. Estes foram divididos em quatro grupos e cada grupo recebeu uma pequena história fictícia para ler sobre as vicissitudes que um aluno passou para votar nas eleições.

Deve-se notar que esta experiência foi realizada alguns dias antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos. Um dos grupos recebeu uma história escrita na primeira pessoa; para outro, um na terceira pessoa; outro dos grupos recebeu uma história em que o protagonista era um estudante da mesma universidade onde o leitor estudou; por fim, outra das versões foi realizada por um aluno de outra universidade.

Depois do experimento

Depois que os voluntários leram suas histórias designadas, eles responderam a uma série de perguntas. Nela, indagavam sobre o grau em que cada um deles havia se identificado com a narrativa ou, em outras palavras, “adquirido” como sua a experiência do personagem.

Os pesquisadores descobriram que os voluntários que receberam a versão em primeira pessoa de um aluno de sua mesma universidade mostraram maior grau de identificação com o personagem. O que mais chama a atenção é que desse grupo, 65% votaram nas próprias eleições presidenciais, embora alguns não tivessem pensado em fazê-lo antes.

Em outro experimento semelhante, os pesquisadores encontraram outra realidade interessante. Alguns heterossexuais foram solicitados a ler uma história sobre homossexuais, na qual eram narradas as dificuldades cotidianas da homossexualidade, mas só ao final foi revelado seu gênero. Posteriormente, foi feita uma avaliação e constatou-se que vários dos leitores foram mais empáticos com os homossexuais, após a leitura.

mulher lendo um livro
Ler ficção estimula a empatia.

As conclusões do estudo

A pesquisa mostra como conclusão geral que um livro pode mudar vidas. Os cientistas estabeleceram que, quando as pessoas encontram pontos de conexão com os personagens em uma história, também é fácil para elas acabar experimentando os sentimentos desses personagens. Nessa medida, é como se eles vivessem o mesmo.

É como se apropriar da experiência que é narrada na história e transformá-la em aprendizado, assim como aconteceria se a pessoa tivesse essa experiência. Há um processo em que a própria vida se funde com o que está sendo lido, enquanto a linha que separa uma da outra gradualmente se apaga.

A diretora do estudo, Lisa Libby, observou que há uma diferença entre a “experiência compartilhada” e a “perspectiva compartilhada” a partir de uma leitura. No primeiro caso, há uma relação profunda com a narrativa e é aí que um livro pode mudar vidas. No segundo caso, não há essa identificação, então há uma mudança de ponto de vista, mas não de comportamento.

Pode interessar a você...
Os livros essenciais, segundo Vargas Llosa
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os livros essenciais, segundo Vargas Llosa

O Prêmio Nobel de Literatura peruano é um leitor ávido. Ele recomenda leituras valiosas que certamente serão inesquecíveis para você.



  • Geoff F. Kaufman, Lisa K. Libby. Cambio de creencias y comportamiento a través de la adquisición de experiencias. Revista de Personalidad y Psicología Social, 2012; DOI: 10.1037/a0027525.