Vergonha: a emoção que não te deixa ser você mesmo

· janeiro 22, 2019
A pessoa que sente vergonha sente um grande desconforto ao negar a si mesma e tentar se adaptar às expectativas dos outros.

“O que vão pensar de mim se eu explicar como eu realmente me sinto?”, “Espero que não me perguntem nada, não gostaria de ter que responder na frente de todos” ou “Sou incapaz de falar para um grande público, fico muito nervoso”. Estas são expressões muito comuns de quem tem a vergonha como companheira de vida.

Evitar se destacar, fugir de qualquer momento em que você pode chamar atenção ou rejeitar convites para opinar ou para realizar determinadas atividades são mecanismos desenvolvidos por essa emoção. A vergonha quer que nos tornemos invisíveis e, para isso, é capaz de implementar mil e uma estratégias.

No entanto, o que mais se esconde por trás dessa emoção? Qual é o seu contexto? Vamos nos aprofundar.

“Uma das emoções mais poderosas do mundo é a vergonha, que representa o medo de que não somos bons o suficiente”.
-Brené Brown-

O obstáculo da vergonha

A vergonha é a inimiga da visibilidade, da presença. É uma emoção difícil que aparece para esconder quem somos porque o medo e a insegurança a informaram que teremos um desconforto.

De acordo com a doutora em psicologia Mª José Pubilla pessoa que sente vergonha vive com medo de que os outros descubram seus pontos fracos, ou seja, que descubram como ela realmente é.

A semente que origina a vergonha é geralmente encontrada em experiências vividas na infância ou adolescência.

O obstáculo da vergonha

A origem dessa emoção costuma ser encontrada em uma experiência na qual a pessoa sentiu ou foi levada a sentir que não estava certa, que não se comportou como deveria e que, em última análise, seu comportamento não era normal.

Desta forma, ficou tão marcada pela inutilidade e pela invalidez que evita a todo custo ser imperfeita ou que, pelo menos, os outros a considerem assim. Tanto teme que, às vezes, o bloqueio surge como uma defesa para protegê-la, enquanto ela mergulha em um profundo estado de frustração, porque não chega a ser a pessoa que deseja se tornar.

Ter vergonha implica, por um lado, experimentar emoções como a culpa e o medo e, por outro, mecanismos como a perfeição e o controle para superar o sentimento de inadequação. O problema é que, além de não ajudar, significa exatamente o contrário: um obstáculo quando se trata de crescer e evoluir.

No entanto, se formos mais longe, perceberemos que a vergonha implica uma falta de respeito e tolerância a si mesmo e, por fim, uma baixa autoestima.

Vergonha e autoestima: como se relacionam?

A vergonha é o medo de ser, de mostrar o que é, é escolher ser invisível para evitar ser alvo de críticas. Portanto, sentir essa emoção implica uma falta de respeito e tolerância a si mesmo e, portanto, uma baixa autoestima como resultado de estar em segundo plano.

A vergonha envolve a pessoa em um filtro negativo e de autodepreciação, a partir do qual a pessoa se percebe como frágil e fraca, ao mesmo tempo em que se irrita com isso.

Assim, ter vergonha é não se sentir confortável na própria pele, é não se reconhecer e recorrer ao caminho da desconfirmação de maneira progressiva. Desse modo, pouco a pouco, a iniciativa de ser o capitão que dirige o leme da própria vida, assim como a sensação de poder pessoal, vão acabando.

Quem sente essa emoção coloca nas mãos dos outros a valorização de si mesmo, porque só é capaz de se ver através dos olhos dos outros. Vive pensando sobre o que vão dizer, experimentando ansiedade toda vez que percebe que não é apropriado e desconectado de seu interior. Sua vivência é repleta de sofrimento e exigência.

A pessoa que tem a vergonha como núcleo de sua vida recusa a si mesma para se adaptar ao que acha que é esperado dela.

Vergonha e autoestima: como se relacionam?

Deixar de lado os medos para se tornar visível

Embora essa emoção seja considerada uma das mais complexas, é possível trabalhar para diminuir seu protagonismo e fazê-la desaparecer. Agora, como derrotar a vergonha? Ou melhor, o que fazer para nos tornarmos visíveis, para nos valorizarmos?

O primeiro passo começa por reconhecer e aceitar que sentimos vergonha, isto é, que essa emoção faz parte do nosso universo emocional. Uma vez identificada, o ideal é refletir sobre suas consequências, sobre o peso que tem em nossa vida e de que maneira nos limita, nos impede de realizar algo.

Se fizermos isso com sinceridade, descobriremos que nos tornamos invisíveis aos nossos olhos e que nos medimos e nos valorizamos de acordo com uma escala estabelecida pelos outros. A questão é que não há escala correta ou adequada, mas a que estabelecemos, assim como os passos e o caminho que queremos seguir.

O próximo passo é decidir nos conhecermos, nos conectarmos e nos mostrarmos como somos, isto é, começar a ser visível. Não será fácil, menos ainda se estivermos escondidos por muitos anos atrás de alguém que se comportou como os outros esperavam. A boa notícia é que nunca é tarde demais para nos darmos uma chance e nos tornarmos nosso melhor amigo.

Identificar a situação a partir da qual tudo começou também pode nos ajudar, pois nos fornecerá informações sobre quando sofremos e exigimos demais de nós mesmos. Além disso, este ponto de partida será a chave para compreender a profundidade da nossa ferida, que não é outra senão a traição de si mesmo e a experiência de acreditar ter falhado com os outros.

“Superar a vergonha é se tornar um ser adulto capaz de se transformar em rei ou a rainha de um novo país: o nosso eu”.
-María José Pubill-

Deixar de lado os medos para ser você mesmo

Para concluir…

Um exercício muito poderoso para nos tornarmos visíveis é ficar diante de um espelho e observarmos a nós mesmos sem levar em conta tudo o que acreditamos que os outros pensam de nós. O que vemos? Como somos? Quais são nossas qualidades? Do que a pessoa que estamos vendo precisa?

A ideia é nos libertarmos das expectativas, das armadilhas mentais que nos impedem de sermos nós mesmos e de ganhar segurança. Não somos melhores ou piores do que ninguém e comparar não é a solução.

Em alguns casos, podemos carregar sentimentos de raiva em relação à pessoa que, em um primeiro momento, nos acusou de não termos nos saído bem. Para libertá-la, podemos escrever ou apenas pensar sobre o que diríamos a essa pessoa. Desta forma, entraremos em contato com o fardo de sentir vergonha para logo soltá-la.

Como vemos, ter vergonha significa muito mais do que ter um desconforto em um determinado momento. Essa emoção nos induz a sermos escravos das expectativas dos outros, a nos desprezar e, por fim, a sermos invisíveis.

Assim, aprender a nos conectar com nós mesmos para nos conhecermos e valorizarmos é fundamental para ganhar segurança e ter em mente que não se trata de ser perfeito, mas íntegro para saborear o bem-estar.

“A libertação é não sentir vergonha de si mesmo”.
-Friedrich Nietzsche-

  • De La Taille, Y. (2002). O Sentimento de Vergonha e suas Relações com a Moralidade. Psicologia: Reflexão e Crítica. https://doi.org/10.1590/S0102-79722002000100003
  • Araújo, U. F. de. (2000). O sentimento de vergonha como regulador moral. Vertentes (UNESP).