O viés endogrupal: como ele é formado e em que consiste?

· julho 4, 2018

Segundo a psicologia social, as pessoas criam categorias e dividem os outros de acordo com essas categorias. Em outras palavras, criamos grupos que podem ser nacionais, étnicos, religiosos, de gênero, de preferência, de trabalho, etc. Isso significa que algumas pessoas estarão em nosso grupo, enquanto outras não, o que levará a um viés endogrupal.

O viés endogrupal, também chamado de favoritismo endogrupal, pode ser definido como a tendência por parte dos membros de um grupo de favorecer, beneficiar ou valorizar mais os membros do seu grupo. Ou seja, envolve beneficiar mais as pessoas do próprio grupo em comparação com as que não pertencem ao grupo.

O viés endogrupal no conflito

O viés endogrupal surge do estudo das relações entre diferentes grupos e conflitos. Esse viés é considerado um produto do conflito entre grupos, causado, por sua vez, pelos diferentes interesses entre os grupos ou por terem metas incompatíveis. Dois grupos podem ter o mesmo objetivo, mas o fato de um deles conseguir alcançá-lo significa que o outro não poderá mais conseguir.

Grupos discutindo

Um exemplo é encontrado no futebol. Os fãs de futebol se identificam com sua equipe, por isso criam uma categoria que inclui os torcedores de sua equipe, mas exclui os de outras equipes. Por outro lado, na liga de futebol, o objetivo é ser o vencedor, mas apenas uma equipe pode vencer. Portanto, se o meu grupo for o Real Madrid, teremos um conflito com os torcedores de outras equipes, especialmente se eles representarem uma ameaça, porque percebemos que eles têm mais oportunidades do que a nossa equipe para vencer a liga.

A intensidade do conflito pode ser maior ou menor. Isso dependerá do nosso envolvimento com o nosso grupo e outros fatores. Em relação ao viés endogrupal, o que mudará são nossas atitudes, percepções, preferências e até mesmo comportamentos. Por exemplo, veremos as pessoas de outras equipes como mais hostis e de piores gostos, o que nos levará a tratá-las pior, enquanto tratamos melhor os torcedores da nossa equipe.

Avanços no estudo do viés endogrupal

Pesquisas posteriores mostraram que não havia necessidade de existirem discrepâncias de interesses ou conflitos para que o viés endogrupal aparecesse. Simplesmente, pelo fato de pertencerem a outro grupo, seus membros eram desprezados. Embora os membros de outros grupos nem sempre sejam desprezados, o que sempre aparece é o favoritismo do próprio grupo. Vamos favorecer nosso grupo tanto na distribuição de recompensas quanto na atribuição de traços ou na avaliação de seu desempenho.

Essas novas pesquisas também encontraram uma explicação para o viés endogrupal. Partindo do fato de que as pessoas estão motivadas a alcançar ou manter um conceito e uma imagem positiva de si mesmas, descobrimos que as pessoas são definidas, em parte, por seus grupos de pertencimento. Portanto, se uma pessoa deseja obter uma boa imagem, ela deve fazer com que as imagens de seus grupos também sejam positivas, para que as pessoas também sejam motivadas a avaliar positivamente os grupos aos quais pertencem.

Pessoas brigando

Como se chega a uma avaliação positiva do próprio grupo?

As avaliações feitas dos grupos são feitas por comparação. Não dizemos que nosso grupo é bom, mas que é melhor que o outro ou o melhor de todos. Desta forma, quando comparamos o nosso grupo com os outros dos quais ganhamos, obteremos uma avaliação positiva e a nossa autoestima aumentará. A conclusão é que vamos tentar fazer com que nosso grupo seja diferente, que seja melhor do que os outros. Isso é chamado de distinção endogrupal positiva.

Por outro lado, com o objetivo de produzir o viés endogrupal e mudar nossas percepções, avaliações e comportamentos como consequência da busca pela distinção positiva do grupo, quatro condições devem ser satisfeitas:

  • As pessoas devem se identificar com seu grupo e usá-lo para definir a imagem que têm de si mesmas.
  • A comparação com outros grupos deve ser feita com base em uma característica do grupo que é considerada importante.
  • O grupo com o qual a comparação é estabelecida deve ser percebido como um grupo importante.
  • As posições reais dos grupos comparados devem estar sujeitas a alguma ambiguidade.

Por fim, pertencer a um grupo tem consequências das quais nem sempre nos damos conta. Favorecer aqueles que consideramos membros do nosso grupo mais do que membros de outros grupos é uma delas. Portanto, conhecer esses efeitos da identificação em grupo é o primeiro passo para gerenciar seu impacto sobre nós.