Você aceita o seu parceiro ou gostaria que ele fosse diferente?

Assim como Pigmalião se apaixonou pela estátua de Galateia - por sua beleza e por ter depositado nela seus desejos e vontades - nós também podemos nos apaixonar por uma ideia, e não por quem realmente temos ao nosso lado.
Você aceita o seu parceiro ou gostaria que ele fosse diferente?

Última atualização: 21 Abril, 2021

Até que ponto você realmente aceita o seu parceiro com todas as suas luzes e sombras? Muitas vezes nos apaixonamos por uma fantasia, aspiração, desejo ou sonho, algo que é idealizado. Para ser mais preciso, é uma estátua de Galateia que encarna uma projeção, e não uma realidade.

O outro deixa de ser o outro para se tornar provedor de necessidades pessoais. É então que devemos diferenciar o fato de estarmos apaixonados do fato de estarmos presos, ligados, enganchados, enjaulados, aprisionados ao vínculo criado.

A seguir, vamos propor uma reflexão para que você entenda se realmente aceita o seu parceiro, além de explicar quais são as consequências quando essa aceitação está longe de ser uma realidade.

Casal apaixonado

Você aceita o seu parceiro ou está tentando mudá-lo?

Frequentemente, os casais podem cair no erro de querer mudar um ao outro. É uma armadilha da qual é difícil sair, principalmente quando você está convencido de que realmente existe amor.

Um parceiro super organizado e metódico pode fazer o outro parecer que tem um déficit de atenção e, além disso, fingir ser cada vez mais como ele. O mesmo pode acontecer quando um é extremamente sedutor e efusivo nas relações sociais e o outro é obsessivo, ciumento e inseguro. Também quando um é afetuoso e demonstrativo e o outro é literalmente uma pedra de gelo.

Quando se atenta para o contraste entre um e outro superficialmente, pensamentos como “Se eu sou assim… por que você não pode ser assim para que EU possa ser feliz. Por que você não melhora isso para que EU possa… Se você fosse assim, eu seria … Ah, se você fosse, fizesse…"

Esse tipo de questão faz com que os casais fiquem presos a uma dinâmica que se retroalimenta. As diferenças, ao invés de serem entendidas como complementares, são apresentadas como fontes de críticas.

Explicações ou justificativas não serão válidas, uma vez que todas são desenvolvidas com base nessas características de personalidade. Ambos ficam presos, aprisionados no perímetro do casal.

Nas relações amorosas, sempre se desenvolve um jogo relacional, mas o problema é quando ele se sistematiza e desperta mais do mesmo, mesmo que seja um jogo destrutivo.

Para produzir uma mudança, é necessário fazer uma modificação total ou parcial nas regras desse jogo para provocar o crescimento de uma nova estrutura.

Embora a interação com o outro seja importante, as características base da personalidade, o estilo relacional de cada um, as crenças e valores pessoais fazem com que as diversas relações ressaltem essas particularidades em uma maior ou em menor extensão.

Casal brigando em casa

Querer mudar o outro, uma dinâmica que pode não ter fim

Quando os membros do casal ficam presos no jogo de querer mudar o outro, de acordo com parâmetros e desejos pessoais, eles procuram fazer com que o parceiro corresponda às suas próprias expectativas. Estas não são nem mais, nem menos, do que os desejos e ideais que pretendem depositar no outro.

Será uma luta infrutífera para ambos:

  • Para o demandante, porque o outro jamais poderá se conformar a esses perfis idealizados.
  • Para o demandado, pela desvalorização que o oprime e também pela falta de reconhecimento de quem ele realmente é. Além disso, devido ao desgaste produzido pela demanda permanente de ser alguém que não é.

Mais tarde, quando os amantes se separam, na consulta, escutamos reflexões como: “Passei muitos anos tentando mudar meu parceiro, fazer com que ele fosse alguém diferente… mas não foi possível. O outro deve ser visto como ele é. Aceite ou se separe”.

Embora você possa tentar mudar a outra pessoa, desde que as demandas sejam saudáveis ​​para o relacionamento, a questão é analisar quais são as formas que são utilizadas para isso, onde se localiza o ponto de conciliação, o que é razoável e o que é uma idealização mal colocada…

Um fator muito comum que exige mudança ocorre quando, após muitos anos de relacionamento, um membro do casal exige do outro uma série de mudanças nas suas atitudes.

Em alguns casos, o que se afirma é o aparecimento de certas características que estavam na relação e que hoje se perderam no tempo. Nesses casos, o que o casal deve rever é o que aconteceu com aqueles comportamentos que foram produtivos para o relacionamento e que se desfizeram ao longo dos anos.

Em outros casos, um exige do outro, ou ambos exigem um do outro, que o parceiro seja alguém que nunca foi. Mais precisamente, que desenvolvam comportamentos ou tenham atitudes que estão fora do seu âmbito de personalidade. Esses jogos, que constituem uma armadilha para a relação, fazem com que um ou cada um dos membros seja absolutamente desvalorizado pelo outro, pois o olhar se dirige a alguém que não é o outro real e concreto.

Talvez, o que você tem que entender é que, depois de muitos anos de relacionamento, nenhum dos dois permanece igual.

Então, não fui só eu que mudei ao longo dos anos, minha percepção mudou, meus gostos, crenças, comportamentos, valores mudaram… e, portanto, minha escolha mudou. O outro também passou pela sua própria mudança durante esse tempo. Resultado: nem fui eu que escolhi você, nem você foi quem eu escolhi.

Você aceita o seu parceiro ou gostaria que ele fosse diferente?

Aceitar o outro

Tudo que discutimos nos diz que não devemos deixar de propor mudanças de atitude para melhorar o relacionamento. O que temos que deixar de fazer é fingir que o outro é outra pessoa, propondo mudanças radicais e utópicas. Deve ficar claro que existem elementos relacionais que são mais suscetíveis à modificação do que outros.

Você tem que entender que o outro é como ele é, e você não pode impor uma mudança radical só porque deseja que seja assim. Podemos pedir – não exigir – retificações de atitudes que subsidiem a mudança ou, pelo menos, tentar modificar a dinâmica relacional e, com ela, as particularidades de ambos os cônjuges.

A frustração e o fracasso relacional em uma relação desigual surgem à medida que um amor foi construído com um componente idealizador que não nos permite ver o outro como ele realmente é, ou seja, com seus aspectos positivos e negativos.

Quanto mais se espera encontrar o ideal no outro (aquele que eu quero que seja), mais exposição haverá para colidir com o que a outra pessoa realmente é. Isso pode destruir o vínculo e gerar desvalorização, difamação e agressão.

É quando aparecem sentimentos de desencanto, palavra que expressa de forma significativa a desidealização do parceiro. Portanto, quanto maior o encantamento, maior a decepção.

Para sair desse erro, é preciso fazer um novo contrato entre o casal. Trabalhem para melhorar e, se necessário, recorram à terapia para que uma terceira pessoa reestruture o vínculo.

Um exercício para melhorar o seu relacionamento

Um exercício reflexivo que geralmente dá bons resultados é quando cada um dos membros do casal escreve em duas colunas de uma folha em branco o que ama e o que gosta e o que o incomoda no outro. Depois, cada um lerá para o outro o que escreveu, por turnos e sem direito de resposta, começando pelo que menos gosta e continuando até chegar ao que mais gosta.

Cada um é, então, convidado a trocar a lista e escolher (individualmente) algo que acha que pode retificar em relação ao que o outro está chateado ou não gosta. Assim, ambos terão uma tarefa a cumprir. Em dez dias, cada membro do casal comentará se notou a mudança no outro.

Tudo parte da base da aceitação do outro, entendendo como ele é, com suas virtudes e defeitos. Podemos propor mudanças para crescer, com o objetivo de alcançar a felicidade do casal, mas sempre a partir do aconselhamento e do respeito.

Pode interessar a você...
Carrego minha culpa sobre você (Projeção psicológica)
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Carrego minha culpa sobre você (Projeção psicológica)

Projeção psicológica. Este termo se desenvolveu amplamente pela teoria freudiana, nos mostrando uma prática familiar com a que nos encontramos muito frequen