Wilfred Bion: biografia e obras mais relevantes

junho 30, 2019
Wilfred Bion foi um psicanalista que marcou a história. Suas contribuições o colocam como o autor mais original e influente da psicanálise recente.

Wilfred Bion nasceu em Mattura no dia 8 de setembro de 1897, e morreu em Oxford no dia 28 de agosto de 1979.

Ele se formou como médico, mas na prática acabou seduzido pelas ideias da psicanálise. Seu trabalho teve como resultado uma nova teoria sobre a forma de pensar do ser humano.

Bion se destacou pelo trabalho que realizou como psicanalista em pacientes com transtornos psicóticos.

Em um primeiro momento ele baseou seus estudos nas teorias de Melanie Klein e de Sigmund Freud. Posteriormente, criou seu próprio campo teórico e inclusive ampliou conceitos previamente estabelecidos por Klein.

Além disso, seu trabalho com soldados afetados pelos males da segunda guerra mundial foi a base de uma das suas principais contribuições teóricas, aquela que foi de grande importância e se tornou um marco da psicologia de grupos.

Continue lendo e descubra por que Wilfred Bion é uma das figuras mais importantes da história da psicanálise.

“A forma mais pura de escutar é fazê-lo sem memória e sem desejo”.
– Wilfred Bion –

Sobre a vida de Wilfred Bion

Wilfred Bion nasceu e viveu até os 8 anos na Índia. Cresceu no seio de uma família rica, cujos principais ingressos financeiros provinham da colonização daquelas terras que, naquele momento, estavam sob o domínio do império britânico.

Posteriormente, seus pais o enviaram para um internato na Inglaterra, onde ele se destacou por ser um grande esportista, principalmente na natação e no polo aquático. Bion lembra que, durante sua estadia no internato, sentia muita falta de seus pais e da Índia.

Bion chegou a participar das duas guerras mundiais. Na verdade, ele participou como voluntário na Primeira Guerra Mundial, e por isso ofereceram a ele uma condecoração pelos serviços prestados. Durante a Segunda Guerra Mundial, exerceu o cargo de psiquiatra militar no hospital de Nothfield.

Durante seu trabalho como psiquiatra ele entrou em contato com as teorias de Melanie Klein, e também com a de outros prestigiados psicanalistas. Ele também trabalhou com Donald Winnicott e Herbert Rosenfeld, tudo isso graças a seu trabalho da clínica Tavistock.

O trabalho de Bion foi tão importante que ele chegou a ser presidente da Associação Psicanalítica Britânica. Os seus últimos anos foram dedicados a trabalhar na Califórnia, e a divulgar suas teorias sobre o tratamento da psicose.

Garota desesperada

Bion e sua teoria sobre o pensamento

Wilfred Bion afirmava que temos uma tendência inata a conhecer. Seria essa a faísca que acende a fogueira que nos incita a aprender coisas novas, tanto sobre nós mesmos quanto sobre os outros, e também sobre o próprio mundo.

Segundo Wilfred Bion, o pensamento vai se transformando pouco a pouco em uma máquina de pensar, graças ao acúmulo de percepções, sensações e experiências. Trata-se da teoria do conteúdo e continente.

O bebê experimenta sensações e emoções que não tolera e chora; a mãe ou quem cumpre sua função se encarrega de pegá-las e elaborá-las.

Depois, a mãe compartilha essas elaborações com o bebê de uma forma que ele seja capaz de manejar e compreender. Assim, o bebê vai internalizando esses pensamentos e vai formando seu próprio sistema de pensamentos.

Finalmente, ele será capaz de formar suas próprias impressões, dotando de significado as experiências que for vivendo. Esse seria o motor do desenvolvimento psicológico segundo Bion.

Agora, os elementos primitivos se enraízam se o bebê ou a pessoa responsável não forem capazes de elaborá-los, dotando as coisas de significado.

Além disso, o vazio gerado produz uma angústia, e a angústia que o pequeno sente tem a tendência a se manifestar de diversas formas. É assim que surgiriam sintomas como alucinações, somatizações, etc.

O papel do terapeuta pode vir a ser o de continente, porque ele recolhe as angústias que o paciente traz. Dessa maneira, a estrutura psíquica do paciente precisa de uma sustentação para poder ir elaborando seus assuntos primitivos enraizados. O terapeuta seria o facilitador que tornaria isso possível.

As principais obras de Wilfred Bion

Wilfred Bion escreveu duas obras relevantes, tanto pelo que elas representam em seu pensamento quanto pelo papel que tiveram para a evolução da psicanálise. Essas obras foram:

  • Experiência em grupo. Essa obra é uma contribuição nova sobre a concepção dos grupos a partir de uma perspectiva psicanalítica. Apresenta conceito Kleinianos, como o mecanismo de defesa da identificação projetiva. Também coloca ênfase no que se diz e não se diz durante a terapia, incluindo os silêncios, o que permite uma compreensão dos comportamentos que aparentemente são difíceis de decifrar durante a consulta. Além disso, fala do conceito da mentalidade de grupo.
  • Aprendendo a partir da experiência. Nesse livro, Wilfred Bion dá ênfase à experiência e ao aprendizado e seus problemas relacionados. Ele sugere que o fato de conhecer causa sofrimento, devido à experiência emocional adjacente. Realiza uma reflexão sobre a importância de reestruturar as ideias sobre a origem e a natureza do pensamento. Além disso, explora o processo de pensamento em paciente psicóticos, baseado em sua experiência a partir da psicanálise.

Nesse livro, ele mostra sua teoria original sobre o pensamento. Em um primeiro momento, fala sobre a formação do pensamento nas pessoas com psicose. Para isso, Bion explora seus próprios trabalhos, inclusive mostrando uma autocrítica, que resgata as limitações que um analista pode apresentar.

Moça angustiada com mãos no rosto

Falar de Bion é falar de um autor que, com a originalidade e a profundidade de seus estudos, conseguiu dar uma nova perspectiva para a psicanálise.

Hoje em dia, um número crescente de analistas, psicólogos e psiquiatras têm o seu legado em mente. Dessa forma, suas contribuições seguem sendo uma referência dentro da corrente na qual foram elaboradas.

  • Bion, W.R. (1966). Aprendiendo de la experiencia. Paidós.
  • Bion, W.R. (1990). Experiencias en grupos. Paidós.
  • Bion W. R. (1996). Volviendo a pensar. Horné.
  • Bléandonu, G. & Pajackowska, C.T. (1994). Wilfred Bion. His life and works 1897-1979. Guilford Press.