3 condições que levam à insatisfação no trabalho

· janeiro 28, 2019
Falaremos sobre três sinais de insatisfação no trabalho definidos por um profissional da área financeira, Patrick Lencioni.

Infelizmente, com frequência nos deparamos com condições que levam à insatisfação no trabalho, mas nem sempre agimos a tempo para enfrentá-las. Por outro lado, falamos sobre uma questão atual, já que muitas pessoas dizem que se sentem muito insatisfeitas com o seu trabalho.

Além disso, essa insatisfação não é exclusiva de uma classe social, nem é determinada por condições de trabalho em que todos poderíamos pensar inicialmente, como salários ou férias.

De acordo com vários estudos, a insatisfação no trabalho também não é característica de um setor específico. Atualmente, podemos encontrar pessoas que se sentem insatisfeitas no setor de serviços, na indústria e até mesmo nos mais altos níveis de administração.

Por que os sinais de insatisfação no trabalho aparecem?

Há muitas razões pelas quais esses sinais de insatisfação no trabalho aparecem. O principal problema é a falta de realização pessoal e profissional do indivíduo. Isso diminui a sua produtividade e o seu nível de felicidade.

Se considerarmos o livro The Three Signs of a Miserable Job, do escritor e orador Patrick Lencioni, não se trata de ter um mau ou um bom trabalho. Em muitos casos, o indivíduo acredita que ele tem um trabalho miserável que faz dele uma pessoa igualmente miserável.

Mulher agoniada no trabalho

Assim, não é o trabalho em si que é ruim, mas a forma como a pessoa que o exerce o percebe. É por isso que a insatisfação no trabalho não é determinada pelo salário, pelo número de horas dedicadas ou por outros fatores que, à primeira vista, poderiam ser ressaltados. Em muitos casos, a pedra angular desse desencanto acontece quando o trabalho não nos ajuda a atender uma necessidade universal: a autorrealização.

Além disso, Lencioni acrescenta que esse sentimento não é racional. É um sentimento de miséria que não conhece limites. Portanto, mesmo que alguém esteja ganhando ‘milhões’, esse trabalho está agindo como uma espécie de “sepultura” em sua vida.

Os três sinais de insatisfação no trabalho de acordo com Patrick Lencioni

Para Patrick Lencioni, há três sinais básicos de insatisfação no trabalho. Quando acontecem, o esgotamento físico e moral pode ser muito alto. Então, fica mais complicado o investimento em energia para acabar com esse estado emocional de desencantamento.

Por outro lado, embora as medidas a serem tomadas possam parecer claras e simples quando olhamos a situação do lado de fora, lembre-se de que por dentro o céu parece muito mais nublado.

Anonimato

São pessoas que se sentem ignoradas. Ou seja, eles não são conhecidos ou reconhecidos em seu trabalho. Assim, se não há ninguém em uma posição de comando e autoridade que o valorize e compreenda as suas qualidades específicas e seus esforços, o funcionário pode perceber a sua invisibilidade. Torna-se mais um, alguém anônimo e genérico incapaz de amar o que faz.

Irrelevância

Lencioni destaca outro sinal de insatisfação no trabalho associado à irrelevância. Acontece, como o próprio nome sugere, quando uma pessoa não conhece a real importância do seu trabalho.

Segundo este autor, todos nós precisamos saber que o nosso trabalho é relevante para alguém. Se um trabalhador não é capaz de perceber a importância do seu trabalho, seja ele grande ou pequeno, é provável que fique insatisfeito profissionalmente.

De fato, uma das estratégias mais perversas para fazer mobbing (abuso psicológico) com o trabalhador é ocupar o seu dia de trabalho com tarefas totalmente improdutivas.

Homem insatisfeito com seu trabalho

Impossibilidade de medição

Vejamos agora o terceiro sinal de insatisfação no trabalho que Lencioni menciona em sua obra e que está intimamente relacionado com o anterior. Isso ocorre sempre que um funcionário não pode avaliar de forma objetiva a sua contribuição para o projeto comum.

Em outras palavras, é importante que o trabalhador seja capaz de se avaliar, de medir, por seus próprios méritos, não apenas o seu nível de contribuição com o emprego, mas também o progresso que está fazendo no desempenho do seu trabalho. Ou seja, quando o trabalhador percebe uma evolução no seu desempenho, é mais improvável que o desencantamento apareça.

Assim, o sucesso de um trabalho acaba dependendo das opiniões subjetivas ou dos caprichos de outras pessoas que são ou não benevolentes ou corretas com o empregado. Dessa forma, é difícil para o trabalhador se sentir realizado com o seu desempenho.

Por tudo isso, Lencioni fala sobre a importância da implementação de meios tangíveis para avaliar o sucesso ou o fracasso das ações realizadas. Caso contrário, a motivação acaba e a sensação de falta de controle aumenta. Você já notou algum desses sinais de insatisfação no seu trabalho? Nesse caso, talvez haja alguns detalhes que você deve repensar sobre o seu desempenho.

“Aprecie a satisfação de ‘fazer bem’ pequenas coisas”.
-H Jackson Brown, Jr.-