4 formas de entender as ciências sociais

· abril 22, 2018

Como podemos entender as ciências sociais? Elas buscam compreender o nosso comportamento a partir de uma perspectiva muito particular. Assim, para começar a estudar nossa forma de agir, é necessário partir de algumas ideias prévias. Em primeiro lugar, é preciso determinar se realmente somos capazes de interpretar o comportamento, se podemos chegar a conhecer a realidade social.

A resposta à qual chegarmos irá determinar a forma de estudar o comportamento. Esta seria a suposição ontológica. Em segundo lugar, outra das questões que irão determinar a forma como estudaremos o comportamento humano é a epistemológica. Esta suposição questiona a relação entre o estudioso e o objeto estudado, de modo que se possa entender se estudioso e objeto são elementos separados ou não. Novamente, a resposta irá condicionar o enfoque utilizado nas ciências sociais.

Além destas duas suposições, há outras diferenças entre enfoques. Referimo-nos à metodologia. Ainda que seja possível que diversas opções utilizem diferentes enfoques, há metodologias e formas de atuação muito conectadas com determinados enfoques. Tendo por base estas quatro distinções (ontologia, epistemologia, metodologia e métodos), surgem, pelo menos, quatro enfoques a partir dos quais se pode estudar o comportamento. Estes quatro enfoques das ciências sociais são: o positivista, o pós-positivista, o interpretacionista e o humanístico.

Formas de entender as ciências sociais

Enfoque positivista das ciências sociais

O primeiro enfoque que vamos expor é o positivista. Este enfoque considera que a realidade social é objetiva. Isto quer dizer que as interações entre as pessoas obedecem a certas leis naturais que são fáceis de compreender. Este enfoque das ciências sociais considera que o estudioso e o objeto de estudo são elementos separados e, por isso, utiliza métodos indutivos.

Enfoque positivista das ciências sociais

O conhecimento de alguns poucos comportamentos servirá para averiguar as leis naturais que governam a realidade social. Deste modo, a partir do estudo de certos comportamentos é possível encontrar as causas que nos levam a agir.

Os positivistas usam uma metodologia empírica, baseada na experiência, através da qual aspiram conhecer a realidade em sua totalidade. Os métodos utilizados são provenientes das ciências naturais e se concentram na realização de experimentos, a partir dos quais se obtêm dados que, através de análises estatísticas, dão lugar a modelos matemáticos. Estes modelos são o que vai explicar o comportamento.

Enfoque pós-positivista das ciências sociais

Com o tempo, o enfoque positivista foi visto como falho, já que os comportamentos humanos não obedecem a leis naturais. A partir desta proposição surgiu outro enfoque, o pós-positivista.

Tal enfoque continua considerando a realidade como sendo objetiva, ainda que considere que não é fácil chegar a conhecê-la. Com esta mudança, estudioso e objeto deixaram de ser vistos como elementos separados, e optou-se por pensar que o estudioso pode influenciar o conhecimento. Também passaram a ser utilizados métodos dedutivos, que partem de dados presumidos para aplicá-los a casos individuais e assim comprovar sua veracidade, baseando-se na probabilidade.

A metologia usada pelos pós-positivistas continua sendo a empírica, porém optando por dar maior importância ao contexto. De forma parecida, os métodos utilizados são aproximações do método natural, entre os quais se encontram os experimentos, as análises estatísticas e as entrevistas quantitativas.

Enfoque interpretacionista das ciências sociais

O enfoque interpretacionista das ciências sociais toma como ponto de partida a ideia de que a realidade social é, ao mesmo tempo, objetiva e subjetiva. Este novo conceito, a subjetividade, implica que a realidade é uma construção humana. Isto quer dizer que são as pessoas que constroem a realidade social.

Segundo este enfoque, podemos chegar a conhecer a realidade social e os comportamentos, ainda que a interpretação a que cheguemos vá depender da subjetividade humana. Para compreender o conhecimento subjetivo, os interpretacionistas se valem do conhecimento conceitual.

Balão no lugar da cabeça de um homem

Os interpretacionistas utilizam uma metodologia baseada no contexto. Observam com grande atenção o significado que as pessoas atribuem a suas ações. Para chegar a estes significados, os estudiosos utilizam a análise textual e a análise do discurso.

Enfoque humanístico das ciências sociais

Por último, o enfoque humanístico vai ao outro extremo e propõe que a realidade é completamente subjetiva. Portanto, a realidade social não pode chegar a ser conhecida. Neste enfoque, a subjetividade humana é o mais importante e, uma vez que não podemos chegar a conhecê-la, apenas podemos aspirar à empatia, entender como os demais veem o mundo, diferentemente de como nós mesmos o entendemos.

A metodologia utilizada pelo enfoque humanístico nas ciências sociais se interessa pelos valores, pelos significados e pelos objetivos. Para conhecê-los, utiliza-se a interação empática. Desta forma, os estudiosos interagem com os objetos de estudo, a fim de obter informação sobre a forma como entendem a realidade social.

Como podemos ver, as ciências sociais proporcionam diferentes maneiras de entender o nosso comportamento.

Há diversas formas de estudá-las que, apesar de parecerem excludentes, na verdade podem ser combinadas entre si. O comportamento humano é muito complicado, e estudá-lo a partir de diversos enfoques pode ajudar a conseguir uma maior compreensão. Alguns enfoques podem ser mais úteis para entender um comportamento ou outro, porém isso não quer dizer que os outros enfoques não sejam úteis, ou que sejam piores.