4 sinais em que devemos prestar atenção no primeiro encontro

· janeiro 13, 2017

Ana acaba de entrar em um bar. É o seu primeiro encontro às cegas e ela não tem ideia de como proceder. Não sabe quem encontrará, mas também está nervosa porque não sabe se o outro a achará uma pessoa atraente, se conseguirá agradá-lo. Certamente não perguntará abertamente, e mesmo que o fizesse, o outro poderia mentir. Então, o que fazer para descobrir?

Vamos dar uma mão para Ana. Em quais aspectos ela deve prestar atenção para saber se despertou a atenção do seu acompanhante? Na verdade, é melhor que sejam aspectos que o outro não possa manipular. Além disso, é importante que esta informação seja verdadeira.

Diremos a Ana que ficaremos em uma mesa isolada, observando dissimuladamente a conversa. Depois de um tempo razoável, ela irá ao banheiro e nós iremos até lá para falar com ela. A porta se abre e o primeiro encontro começa.

Fatores que devemos observar no primeiro encontro

1- A influência

O primeiro sinal dentro de uma conversa é a influência. Com este termo nos referimos à dimensão que uma pessoa alcança quando consegue adequar a conversa com o seu interlocutor, ou seja, a pessoa transforma a conversa em um “bate-papo” agradável falando de assuntos que agradam às duas pessoas. Portanto, a influência é um indicador de poder sobre a conversa e a pessoa a conduz de uma maneira fácil, falando de vários assuntos e fazendo perguntas inteligentes.

Por exemplo, os pais utilizam a influência quando as crianças começam a falar. Eles dizem uma palavra e esperam pacientemente que a criança a repita ou responda. Por outro lado, a influência e poder sobre uma conversa exigem um esforço mental.

Assim, se o acompanhante da nossa amiga Ana fizer esse esforço, significa que está interessado nesse encontro. Haveria outra explicação para investir tantos recursos na conversa senão o seu interesse por Ana?

Caso contrário, seria um sinal de que o acompanhante não está interessado, é tímido ou prefere ser cauteloso. Para saber se há interesse ou não, veremos os seguintes sinais que cercam uma comunicação sincera.

casal-apaixonado

2- O mimetismo

Quando estamos interessados em uma conversa acontece algo muito curioso: tendemos a repetir os gestos da pessoa com quem falamos. Se existe uma conexão e tocamos a nossa orelha, há uma grande chance de que o nosso interlocutor faça o mesmo depois. Esta é também uma maneira de ver a influência: normalmente, quem faz os gestos antes está influenciando, e quem os repete é o influenciado.

Se não houver mimetismo nos gestos, este será um sinal de falta de interesse. Assim, se o acompanhante de Ana não tenta influenciar e não é influenciado, provavelmente não está interessado nela e sua mente está focada na reunião de planejamento de segunda-feira.

Por outro lado, o mimetismo não é apenas um sinal de interesse, mas é também uma sensação de que estamos à vontade. É um sinal de sincronização e encaixe, de que as peças da conversa se ajustam.

3- O nível de atividade

Pode ser o nível de atividade corporal (mímica) ou a velocidade e o tom da própria voz. Qualquer um dos sinais é um sintoma de engajamento na conversa e, portanto, de interesse. Pense no que acontece com você quando se sente muito feliz. Você consegue ficar quieto?

Não, claro que não. De fato, há uma expressão popular que diz acertadamente “dar pulos de alegria”. Assim, se percebermos que o acompanhante de Ana move os braços de forma imprecisa e um tanto descoordenada, é mais um sinal de interesse que vamos adicionar à nossa lista. Depois, com todas essas anotações, faremos uma avaliação global e daremos o nosso veredito.

casal-amor

4- A coerência

A coerência tem a ver com a análise holística do comportamento do acompanhante de Ana. Ela está relacionada à forma como as linguagens verbal e não verbal se sincronizam, e até mesmo os seus diferentes aspectos. Uma pessoa alegre fala mais alto do que o habitual, enquanto se movimenta muito. Isto é de alguma forma uma expressão sincera dos seus sentimentos.

Se não for assim, então é um sinal de dissimulação. Neste caso, simular um interesse seria uma maneira de tentar manter o protocolo social e a educação; ou tentar esconder o interesse, para não se mostrar vulnerável com um estranho.

Outro aspecto significativo da coerência tem a ver com a mudança de comportamentos ao longo do tempo e não com maneiras diferentes de se expressar no mesmo instante. Por exemplo, pode haver mudanças no tom e volume da voz dentro de uma conversa. É um processo natural, e se isto não acontecer pode ser um indicador de que existe um controle excessivo sobre a comunicação ou de que ela não está sendo interessante para ambos.

Identificamos as quatro fontes de informação e tomamos nota para cada uma delas a partir da nossa observação. Então, já podemos dizer a Ana algo mais sobre o seu acompanhante neste primeiro encontro. Talvez nos surpreendamos, porque mesmo que Ana não tenha estudado anteriormente estes sinais, muitas vezes, inconscientemente, avaliamos a situação corretamente.

Somos tão bons interpretando este tipo de informação que, quando nos apresentam alguém, rapidamente fazemos uma avaliação que pode ser boa ou ruim. Podemos acertar ou errar, mas de qualquer forma, é uma informação que usamos todos os dias em nossas vidas.