5 fantásticas frases de Gastón Bachelard

abril 29, 2019
O mais cativante das frases de Gastón Bachelard é a impressionante maneira como ele consegue colocar todo um universo de ideias em um pequeno número de palavras. Além disso, também há sua capacidade de poetizar qualquer ideia racional.

As frases de Gastón Bachelard se assemelham ao estilo do resto de sua obra: são enigmáticas e bonitas. Esse autor inclassificável soube brincar magicamente com as palavras e as ideias, de modo que no final até as mais cruas verdades acabam ganhando asas. Assim era esse pensador francês: um homem em conflito entre uma imaginação vívida e um pensamento absolutamente racional.

Ninguém sabe se as frases de Gastón Bachelard devem ser classificadas dentro da filosofia ou no campo da poesia (isto é, se o que se sobressai nelas é o conteúdo ou a forma). Para ele, era inconcebível falar da verdade sem manifestá-la, por sua vez, através de seu particular estilo. E o contrário também, fazer poesia sem dotá-la de verdade. Essa sua característica foi o que lhe deu uma personalidade muito característica dentro da amálgama de pensadores franceses.

Se algo se destaca na obra desse filósofo, físico e poeta, é a originalidade. Parece ter alguma influência do pensamento de Jung e dos surrealistas. No entanto, sua obra não pode estar inscrita em nenhuma corrente de pensamento em particular. Como prova disso, aqui estão cinco fantásticas frases de Gastón Bachelard.

“O homem é uma criação do desejo, não uma criação da necessidade”.
-Gastón Bachelard-

Um café quente em um dia frio

1. Uma das frases de Gastón Bachelard sobre a ação

“Nossa vida está tão cheia que age quando não fazemos nada”.

Essa é uma das belas frases de Gastón Bachelard nas quais o autor brinca com termos paradoxais. Nesse caso, com o cheio e o vazio, e também com o ativo e o passivo. A afirmação mostra que não são conceitos excludentes ou contrários, pelo contrário, estão mutuamente envolvidos.

Ao afirmar que a vida está cheia, ele se refere a essa variedade de conteúdos que ela envolve, mais que a quantidade de coisas, pessoas ou situações que há nela. Mostra que essa acumulação se expressa plenamente justo quando paramos de agir. Em momentos nos quais não fazemos nada, emergem todos esses conteúdos latentes.

2. A noite e o sonho

“O sonho da noite não nos pertence. Não é nossa propriedade. Para nós é um raptor, o mais desconcertante dos raptores: nos arrebata de nosso ser”.

Essa bela afirmação descreve poeticamente a natureza do onírico. O sonho não é nosso, mas nós somos do sonho. Uma vez que tenhamos mergulhado nele, o que impera são as lógicas do que sonhamos, não o que nossa vontade deseja.

Por isso, Bachelard afirma que o sonho nos rapta. É um tipo de sequestro da nossa consciência que nos deixa à mercê do próprio sonho. Deixamos de ser o que somos, o que imaginamos que somos, durante a vigília.

3. A tarefa do poeta

“A primeira tarefa do poeta é despertar em nós uma matéria que quer sonhar”.

Essa é uma das muitas frases de Gastón Bachelard que fala sobre os poetas e a poesia. Como bem afirma, o verdadeiro poeta remove algo que está oculto em nosso ser e que desperta em função da palavra poética.

Bachelard não dá um nome preciso a “isso” que desperta. Ele o chama de “uma matéria que quer sonhar”. E é o poeta quem liberta essa faculdade que está “ancorada” ou presa no espírito humano. Desse modo, o objetivo de um poeta não é recriar ou provocar suspiros, mas despertar e fazer com que o ser humano se permita sonhar.

4. O que há no subconsciente

“O subconsciente murmura sem cessar, e é por escutar esses murmúrios que se escuta de verdade”.

Embora haja um debate em torno da exatidão da palavra “subconsciente” frente ao termo “inconsciente”, a verdade é que Bachelard sempre preferiu falar de subconsciência antes de inconsciência. Gostava muito de dar um lugar para tudo no espaço, e o espaço representava para ele um componente do significado.

Como bem afirma, toda essa região que está por fora da razão consciente sussurra. Não fala, mas sussurra. E o faz de maneira louca, absurda e aparentemente desconectada. No entanto, se pararmos para escutar, ali mesmo também estão as grandes verdades do nosso ser.

Rosto iluminado formado por nuvens

5. Privar-se da irrealidade

“Um ser privado da função do irreal é um neurótico, assim como o ser privado da função do real”.

Essa é uma das mais belas frases de Gastón Bachelard e, além disso, uma das que melhor define seu pensamento. Em contraste ao que se promove na nossa cultura, esse filósofo dá tanto valor ao irracional quanto ao racional, ao irreal e ao real.

Essa frase destaca diretamente que quando uma pessoa se priva do irreal, fica tão doente quanto alguém que se priva do real. Para a mente humana, tão fundamental quanto sentir é imaginar. E é tão necessário pensar quanto criar.

Gastón Bachelard exerceu uma notável influência sobre importantes filósofos que lhe sucederam, como é o caso de Roland Barthes e Michel Foucault. Muitos dizem que sempre que sentimos que a dura realidade nos sufoca, nada melhor do que abrir qualquer página de um livro de Bachelard para que possamos voltar a sentir o sabor do infinito.

  • Trione, A., & Lozano, M. G. (1989). Ensoñación e imaginario: la estética de Gaston Bachelard. Barcelona: Tecnos.